consoles-todos BANNER

Depois do Nintendinho, parti para o 16 bits da SEGA e as emoções foram ainda maiores.

Capítulo 4: Mega Drive

Vi Altered Beast pela primeira vez no Arcade, e fiquei embasbacado com o design e a música daquela máquina. No mesmo dia, um colega de fliperama me falou que existia um console que vinha com aquele jogo. Pirei na hora e fui tentar descobrir que raio de videogame era aquele. Foi tão legal saber que a SEGA tinha lançado um 16 bits! Assim, tomei a decisão de vender o Nintendinho e conseguir “paitrocínio” para o Mega Drive. Eu tinha nesta época uns 13 anos, e o contexto da indústria era o seguinte: o Super Nintendo não tinha sido lançado nos E.U.A. e o Super Famicom ainda estava saindo do forno no oriente.

megadrive1

Meu ex-vizinho tinha “achado na rua” (segundo as palavras dele) um cartucho e queria vendê-lo. Como já tinha planos de comprar o Genesis fui até a casa dele para ver que game era. Chegando lá com meu pai, percebi que o jogo achado era nada mais nada menos que Sonic, o ouriço recém-lançado pela SEGA e que tinha sido considerado o título do ano pela crítica.

No momento em que vi a arte do cartucho e percebi que era originalzinho, não me aguentei e soltei um grito do tipo BLASTOISE. Meu pai me cutucava para que eu não mostrasse muita felicidade, pois poderia inflacionar a aquisição.

megadrive3

Negociamos, fizemos um charme do tipo ‘será que funciona’ ou ‘não tem manual nem caixa’ e conseguimos levar a fita por um valor bem baixo.

Enquanto meu Mega Drive não chegava eu olhava cada detalhe do cartucho todos os dias, tentava memorizar cada canto da arte daquele pedaço de plástico e imaginava como o game seria rodando na minha sala. Abria as revistas de games, lia e relia os reviews. Meu amigo (o mesmo do capítulo 2), não botava fé na aventura do ouriço, mas tudo isso iria mudar depois do dia D.

mega_drive_ja11

Sonhava com este console dia e noite

Com o dinheiro em caixa, procuramos nos Classificados “Alô Negócios” alguém que trouxesse consoles novos do Paraguai. Encontramos um rapaz e marcamos com ele o encontro num posto de gasolina chamado Copa 70, que ficava em um bairro intermediário entre a minha casa na época e a locadora deste vendedor.

Ao ver aquela caixa branca e quadriculada escrito Mega Drive SEGA eu quase chorei. Chegamos em casa e ligamos o Sonic; quando vi a primeira fase (Green Hill) meu coração pulou da boca, soltei um tremendo de um palavrão e acabei sendo repreendido pelo meu pai imediatamente. Gráficos lindos, cores vivas, planos de fundo que se mexiam de maneira independente (multicamadas) e muita velocidade, atributos que me deixaram atônito, quase que não acreditando que aquela belezura se passava diante dos meus olhos.

megadrive2

Com o tempo fui conhecendo outras franquias e me apaixonando por elas. Comprei o desejado Altered Beast e me diverti pacas com ele. Futuramente eu ainda teria mais dois aparelhos de 16 bits (a melhor geração na minha opinião): o Super NES e o NEOGEO-CD, mas essa é uma história para capítulos posteriores.

Características marcantes da época: assoprar o cartucho quando o console não lia o jogo. Jogatinas com os amigos; multiplayer em Streets of Rage, Golden Axe, Toe Jam & Earl, entre outros. Console War acirrado entre a Nintendo e a SEGA. Aluguel em locadoras (era preciso levantar cedo sábado para conseguir um bom jogo). As locadoras costumavam ter alguns consoles no próprio estabelecimento e cobravam por hora, além de ser possível levar os videogames para casa também a um custo relativamente alto.

Capa de um dos meu jogos preferidos da plataforma

Games Preferidos deste Aparelho:

  • Golden Axe
  • Streets of Rage
  • Shadow Dancer
  • The Revenge of Shinobi
  • Toe Jam & Earl
  • Phelios
  • Sonic
  • Ghouls and Ghosts
  • Altered Beast
  • Lakers versus Celtics (envelheceu mal, mas me diverti bastante com este)
  • FIFA (outro que envelheceu mal)
  • QuackShot
  • Truxton
  • Mortal Kombat

E você, teve uma grande experiência com o Mega Drive como esta? Smiley de boca aberta

Próximo Capítulo: Super Nintendo

Momentos Inesquecíveis (4/6) – Mega Drive
Tagged on:                                 

42 thoughts on “Momentos Inesquecíveis (4/6) – Mega Drive

  • 23/03/2011 at 8:53 am
    Permalink

    Eu tive uma experiência recente com o Mega Drive. Comprei o RPG Pier Solar e depois de muito tempo esperando, quando chegou todo completinho, com carta de desculpas pela demora, caixa e manual lindos e CD com músicas para o Sega CD, voltei ao tempo que era criança e esperava pacientemente chegar em casa com a fita recém-comprada para abrir a caixa e desbravar tudo o que vinha com ela. Tive que gravar o unboxing!

    Dos tempos antigos, as melhores memórias do Mega são de quando meu primo ganhou o Mortal Kombat e ligou na TV da sala no Natal, que antes era reservada para o Atari do tio ou o meu Phantom System. A guerra de consoles teve uma trégua ali enquanto ABACABB fazia o sangue jorrar e os parentes mais velhos não sabiam se aplaudiam ou ficavam horrorizados.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 23/03/2011 at 9:28 am
    Permalink

    Pô, o Mega Drive. Lembro o dia que eu ganhei o meu como se fosse ontem!

    Como o Mega Drive tinha sido lançado em 1990 pela Tec Toy, porém meu aniversário que é em janeiro já tinha passado eu tinha ganho na ocasião um Top Game CCE (NES Clone), achei que seu eu quisesse ganhar um Mega Drive teria que esperar até o próximo natal. Porém, em meados de Junho/Julho eu estava na casa da minha avó brincando com meu Colossus da Estrela (carrinho de controle remoto papa-pilhas), que ficava lá, uma vez que eu morava em apartamento e lá tinha espaço de sobra, além da rua ser tranquila, onde geralmente eu “pilotava”.

    Pois bem, meu pai nunca tinha demonstrado interesse antes em pilotar o Colossus. Ele pediu, eu deixei, porém disse pra ele até que pegue a manha, pilotasse na calçada, não na rua. O vizinho da minha avó, um taxista já com idade, estava chegando em casa e encostando o carro na calçada. Quando ele tava dando ré para ageitar o fusquinha taxi, meu pai vacilou e deixou meu carrinho cair do meio-fio. Resultado: Metade dele foi esmagado pelo carro de verdade. Entrei na casa da minha avó chorando muito (tinha 10 anos na época) mas não falei nada pra minha mãe ou pra minha avó.

    Lembro que elas sairam de casa pensando que alguém tinha roubado meu brinquedo. Tempos depois minha mãe e minha vó me contaram que ao chegarem lá fora meu pai e o taxista estavam pálidos e com os olhos esbugalhados…. rsss…..

    Naquele ano eu estava indo bem na escola, tanto em notas como em comportamento (coisa rara) e meu pai na calada estava procurando outro Colossus para comprar. O problema é que ele tinha parado de fabricar. Motivo: 13 pilhas alcalinas da duracel, a única no brasil naquela época que não era nada barato e que só dava pra 2 horas de brincadeira, fisseram que a estrela retirasse o Colossus de linha e lançassem o Maximus, um carrinho que já usava bateria recarregavel.

    Pois bem, nas férias escolares eu ia as vezes ficar no trabalho com meu pai e quando nós fomos no Norte Shopping pro meu pai resolver coisas de banco, passamos em frente do ponto frio e lá estava o Mega Drive exposto rodando Altered Beast. Fiquei embasbacado olhando o video game, e meu pai falou “vou comprar ele pra você”. Achei estranho pois não era nenhuma data especial e perguntei o porquê. Ele disse meio sem graça que o motivo era por ele ter arrebentado meu Colossus, rss… Ele resaltou se eu talvez não preferisse o Maximus. Falei que não e que queria o Mega Drive mesmo.

    Ele foi ao um vendedor, perguntou se tinha em pronta-entrega, fez um cheque e pagou. Ele me entregou o canhoto de compra e disse para eu esperar depois na porta do banco. Fui até ao balcão de retirada de produtos e tinha duas famílias com meninos da minha idade retirando um Top Game e um Master System. Entreguei o canhoto e o atendente ao olhar a mercadoria disse em tom de briacdeira: “Tá podendo em moleque!” As outras duas crianças ficarm mais curiosas com o que eu estava retirando do que com o que elas tinham comprado. O atendente veio com aquela caixa preta com linhas de grade branca e colocou em cima do balcão. Mega Drive!!! Lembro que o preço dava pra compra um master + um Top Game e ainda sobrava dinheiro.

    Fiquei todo bobo, conferi o conteúdo da caixa e o atendente que devia ter uns 20 anos na época disse que tava juntando dinheiro para comprar um. Ele perguntou se queria que embalasse e eu disse que não, que iria segurar na alça da própria caixa. Fui até a porta do banco todo bobo expondo o Mega Drive para o shopping inteiro ver! Foi o dia mais longo, pois tive que esperar até de noite pra ir pra cada da minha avó e jogar meu 16 bits.

    Desculpem pelo relato gigante. Falow 😛

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 23/03/2011 at 9:30 am
    Permalink

    ô velho, só esqueceu um game nessa lista: Heavy Nova, que não era especialmente empolgante, mas os robôs tinham uma movimentação realista, com peso e tudo (os saltos tinham impulsão, e perdiam velocidade até reverterem para a queda, como na realidade), bem diferente dos pulinhos parabólicos dos Super Marios da vida. Aquilo de alguma forma era muito fascinante.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 23/03/2011 at 9:35 am
    Permalink

    comprei ele quando foi lançado, tinha poucos jogos mas jogos maravilhosos, golden axe a gente lançava a magia e a tela nao ficava preta igual ficava no master system,nao é meu console preferido, mas como voce disse, ou era ele ou o master e o nintendo, como ja tinha os dois e queria o console de 16 bits foi nele mesmo minha estreia neste mundo, ainda bem que tive o prazer de pegar todos esses video games na epoca do lançamento deles, desde a epoca do telejogo ate agora. quack shot é um dos meus favoritos, junto com golden axe e altered best jogao desde a epoca dos fliperamas

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 23/03/2011 at 10:31 am
    Permalink

    Minha história com o Genesis/Mega Driver também foi bacana. Eu tinha o Master System e fui para o EUA na data de lançamento do Genesis. Tinha jogado na casa de um amigo que tinha acabado de chegar de lá. Fiquei louco para comprar um também. Quem estava acostumado com games em 8bits, sabe bem a DIFERENÇA para 16bits. Bom, chegando lá, comprei na 1° loja que encontrei, junto com Golden Axe e Super Hang On. Quando voltava para o hotel, não parava de jogar um minuto. Quando voltei para o Brasil o Mega ainda não havia sido lançado, então não era tão fácil encontrar jogos.
    Com certeza foi a minha melhor época gamística.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 23/03/2011 at 11:11 am
    Permalink

    Mega Drive foi o meu console favorito! Tenho um carinho muito especial com ele pois foi o primeiro videogame que comprei com meu dinheiro (comprei pela bagatela de 60 dólares na mão de um colega de escola que nem sabia o que era video-game… sim, em época de inflação brava, só no dólar amigo!).

    Joguei MUITO. O meu era o japonês, com o escrito 16-BIT dourado (igual na foto do post), muito bonito (aliás, a SEGA tinha a manha de fazer consoles bonitos né). Teve uma época que tive que “destravá-lo”, pois vários jogos americanos mais recentes não estavam rodando nele. Quando destravei também foi uma grande emoção, como se estivesse comprado outro video-game, pois aí poderia jogar belíssimos games das últimas safras do Mega Drive como Vector Man e Virtua Racing.

    Me arrependo até hoje de ter vendido ele para comprar um MODEM US ROBOTICS 33.6k! Que dureza né? hahaha Mas… é a vida.

    Outros jogos maravilhosos para a lista: Thunder Force IV, Shinobi III, Granada, Kid Chameleon…

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 23/03/2011 at 11:51 am
    Permalink

    Me lembro como se fosse ontem,fui ate uma locadora estava lotado,uma tv tubo,não conseguia ver nada oq está acontecendo?,a pessoa do meu lado estava falando quando eu vi o garoto jogando mega drive e qual jogo? Sonic ,aquela hora me marcou muito,que gráficos,musica sem palavras ate hj me lembro daquela cena!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 23/03/2011 at 1:42 pm
    Permalink

    Levantar cedo não só pra pegar jogo bom como pra passar mais tempo com o cartucho alugado. Nas férias toda sexta feira eu “abria” a locadora.

    O mais desleal era na segunda “esquecer” de lembrar o pai de levar o cartucho pra devolver, o pai pagava uma multa mas eu ficava mais um dia jogando. 😀

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 23/03/2011 at 4:52 pm
    Permalink

    Nossa, eu imagino sua sensação, Tandrilion, ao ver aqueles gráficos. Eu tive Super Nintendo quando criança (tenho ele até hoje), mas eu já nasci na era PlayStation e então qualquer gráfico, mesmo moderno, não me impressionava muito, pois eu já estava costumado. Às vezes um gráfico fodástico mesmo, que se destaca, uma paisagem ou fase bonita, me faz abrir a boca, mas é difícil ser MUUUUUUUITO impressionante. É impressionante, mas não MUUUUUUUUUITO, pelo fato de eu já ter me acostumado. Mas sim, já me impressionei e ainda me impressiono com gráficos, mas não tanto assim.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 23/03/2011 at 5:19 pm
    Permalink

    realmente, acho que os graficos de hoje em dia nao tiveram o mesmo impacto para nós naquela epoca, na transiçao do 8 bits pra 16 bits, e nao era só em grafico e sim no som tambem, mais canais de som, e poxa, tinha 3 botoes e nao só dois no controle, quando lançaram io surpernintendo entao, com aquela montueira de botoes foi a gloria

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 23/03/2011 at 7:35 pm
    Permalink

    Este post me lembrou a época em que eu queria comprar um Mega Drive unicamente por causa do Sonic, hehe. Não me importava com o outros títulos, eu queria ficar jogando só Sonic o tempo todo.

    Na lista de jogos preferidos, eu teria colocado Castle of Illusion, embora eu tenha jogado mais o do Master System.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 24/03/2011 at 12:28 am
    Permalink

    O Mega Drive foi meu primeiro console de 16 bits, e sofri muito até ganhar o meu… Nossa, e como sofri.

    Assim como todos aqui do blog, ficava nas vitrines das lojas namorando o console, admirando aqueles gráficos, aquele som, sonhava, desenhava, lia e relia revistas ! meu último videogame tinha sido um Master System, aquele “Supercompact”, o console e controles integrados, sem-fio, com Alex Kidd in Miracle World na memória. Joguei pouco esse console primeiro porque poucas locadoras que eu conhecia tinham games suficientes, então só dava Alex Kidd e E-Swat, que comprei depois num surto de generosidade do meu pai. Outro motivo pelo qual eu joguei pouco foi por causa de uma infeliz idéia minha e do meu pai de experimentar uma fonte xing ling pra acabar com o problema das pilhas. Em menos de seis meses já tínhamos detonado o bichinho…

    Mas então, voltando ao Mega, eu contei essa história pra dar um background do drama, porque foram uns dois anos sem encostar em um videogame ! Depois desse Master System, tão cedo não tinha dinheiro pra console novo, então foi duro pessoal, 11 anos de idade, 1993 para 1994, váaaaarios games legais rolando, e eu lá, só babando… Por volta de 1995, um primo ganhou o MD III, com Sonic 2. Um belo dia ele apareçe lá em casa com o console enrolado numa sacola, um cartucho de Super Street Fighter II e mais 5 primos meus ! Ô dia feliz ! Campeonato de SSF II rolando solto, na minha casa, tirando meu atraso eletrônico ! kkkkk !

    Bom, o barato da família do meu pai, é que são nordestinos, e se algum parente tem uma novidade, o outro tem que ter também ! Pronto ! Era só cultivar a idéia na mente do meu pai ! Ele ficou bem interessado, viu que era legal e ele também curte bastante uns games, é até mais viciado do que eu em Doom ! Mas aí tinha um porém : $$$ !

    Passou mais uns meses, e meu pai ficou de receber uma indenização por conta de um acidente de trabalho, nada de muito grande, mas o suficiente pra fazer uma “farra”. E nessa de planejar o que comprar, após uma intervenção minha, o MD foi incluído. Pronto, era só esperar ! Mas aí, para minha infelicidade, como meu pai é ruim de finanças, ele planejou tanta coisa e nem rolou o Mega ! Fiquei chateadão, pois afinal ele tinha prometido, e eu fiquei contando os dias e tudo mais. Rolou até um estresse dele com minha mãe por conta disso, porque ela me defendeu dizendo que era injusto e tal, porque ele prometeu e eu tava bem na escola, não dava problema pra eles e tudo mais. Mãe é mãe né ?

    Aí foi eu e minha mãe azucrinando a idéia dele de tempos em tempos até que um belo dia ele se enfezou e decidiu catar um empréstimo pra me dar um MD ! Mas nesse ínterim da espera, eu fiquei “enamorado” pelo SNES, já tinha Playtronic, tava rolando um marketing legal por aqui, o console tava num preço mais acessível, tinha Mario All-Stars incluído… Bom, chegou o tão esperado dia, e lá fomos nós comprar o SNES ! Eu todo feliz, ia pegar um super console e tal. Mas quando a gente foi entrando nas lojas, ou não tinha o videogame, ou estava muito acima do preço de um MD. Na última loja que a gente foi, já pra desistir, pra deixar pra um outro dia, a vendedora “pra variar” disse que não tinha SNES, só o MD com dois controles de seis botões e MK II incluído, e apontou para a caixa…
    E eu fiquei ali olhando aquela “caixona” preta, com um símbolo do MK2, aquela arte fodástica com o console e os dois gamepads, passando aquela imagem de todo o poder e glória dos 16 bits… Na TV do lado tinha um Mega com Virtua Racing rolando, e eu fiquei distante nessa hora, me imaginando jogando aquilo, e o MK2 eu já tinha jogado algumas vezes numa locadora perto de casa e sabia que era um excelente game apesar das limitações do console, nessa hora minha mãe me deu um cutucão no ombro : – E aí Flávio, qual vai ser ?.
    – Ah vou querer o Mega !
    – Hã ? Você tem certeza ? Você não queria o Super Nintendo ?
    – Ah, pode ser esse mesmo… Mudei de idéia !
    – Tá bom então, vamos levar !

    Bom, se eu tava indo bem na escola antes do Mega, depois piorou porque o negócio foi tão intenso que eu tava matando aula pra ficar jogando !
    Nada que uns puxões de orelha não resolveram depois… kkkkkkk !
    Mas como aproveitei esse videogame, e tinha todo um cuidado com ele: Flanelinha própria pra limpar, paninho pra cobrir depois de jogar, praticamente um altar na estante da sala, controles com fios enrolados com cuidado para não quebrar… Era muito mimo com o console.

    Da lista citada aí, curti alguns na época porque foram os que consegui encontar como o Shadow Dancer, Revenge of Shinobi ou o Quackshot. Quando peguei o videogame, já tava lá pela 5° / 6° leva de games como MK2, Vectorman, Virtua Racing, MK3, Sonic & Knuckles… Outros só fui curtir agora nos últimos 4 anos com emuladores.

    Minha lista :

    Sonic & Knuckles – Contrariando muitos, eu acho esse o melhor Sonic de todos os tempos. Não supera o clássico, mas era o caminho certo que a série deveria seguir e ainda tinha tecnologia lock-on.

    Mortal Kombat 3 – Superou as falhas da conversão de MK2 para Mega, agora tinha vozes, a sonoridade no geral melhorou muito, capricharam no gráficos, uma excelente conversão de um game de arcade. Tive o prazer de ter esse cartucho tempos depois.

    The Revenge of Shinobi – Pô, ninja é ninja né ? Não era o Ninja Gaiden, mas tinha um carisma fortíssimo, era bonito de se ver, divertido de se jogar, desafio instigante e uma das melhores trilhas sonoras compostas por Yuzo Koshiro.

    FIFA Soccer – Com certeza o game que mudou o padrão dos games de futebol. Só a Konami dois anos depois pra incomodar o reinado da EA no gênero. Ah, e foi o único game que me fez gostar de games de futebol. Eu não gostava ! Achava um saco !

    E muitos outros que não cabem aqui no texto…

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 24/03/2011 at 5:24 pm
    Permalink

    Ah! Grande Mega Drive, meu primeiro contato foi em 1991 e só consegui ter um em 1994, mas me diverti muito com ele até 1998.

    Vem muitas histórias na mente mas algo impagável era ficar esperando as locadoras abrirem sábado cedo, ler revistas com notícias que não tinham o compromisso e a velocidade da internet.

    Como era bom não ter internet! ^_^

    Minha coleção era enorme e até hoje me arrependo de ter me desfeito dele, mas graças aos emuladores posso rejogar tudo como quiser e onde estiver!

    Abraços!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 24/03/2011 at 11:12 pm
    Permalink

    No meu caso também não foi nada fácil até conseguir botar as mãos no tão sonhado Mega Drive. A situação financeira lá em casa estava pra lá de difícil no início 90, era preciso matar a vontade de jogar no Atari, que era o console que a maioria dos meus vizinhos tinha na época, haviam alguns mais abonados/sortudos que tinham Nintendinho, mas eram apenas dois ou três.

    Onde eu morava, no interior do PR, o único ser vivo que todos sabiam possuir um Mega Drive era o filho do prefeito, isso mesmo, o cara era quase uma ‘lenda’ por causa disso.

    Meu primeiro contato com o MD foi em 1992, quando o pai de um amigo e vizinho foi trabalhar no Japão, e nas férias, quando voltou em visita à família, trouxe um Mega Drive novinho, com o cartucho Sonic. Não sei exatamente o motivo, mas ele só funcionava em preto e branco nas nossas TV`s, mas nada que nos incomodasse, para quem passava tardes jogando River Raid no Atari e já tava de s* cheio, jogar Sonic em preto e branco era uma bênção !

    Certa vez este amigo me deixou o MD na minha casa enquanto estava na praia, gastei cada centavo que eu ganhava do velho com locações de cartuchos, joguei tanto Road Rash e The Revenge of Shinobi que nunca mais esqueci das músicas.

    No final das contas só fui poder ter um videogame decente em 1994, já morando no RS, e foi um Super Nintendo com Super Mario World, mas isso é outra história.
    O tempo passou e em 2000 comecei a trabalhar e já tinha internet, resolvi procurar pelos sites de leilões algum Mega Drive para poder enfim realizar o sonho de infância, apesar de já ter jogado muito através de emuladores na época, mas se sabe, não é a mesma coisa. Adquiri um Sega Genesis II americano ( mesmo modelo do MDIII brasileiro ) depois um Genesis 1º modelo, depois um japonês, depois um Sega CD e o resto se resume a muitas horas de jogatina.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 25/03/2011 at 8:18 am
    Permalink

    @Jonathan Bau
    Ficava preto e branco porque o GENESIS trabalha no sistema NTSC e a sua TV provavelmente no sistema brasileiro PAL-M. Seria necessário transcodificar seu console para poder usar naquela Televisão.
    Bela história, bem sofrida como a da maioria, rs. O Mega Drive foi um marco mesmo!

    @Daniel “Talude” Paes Cuter
    Eu também jogo até hoje aquele FIFA, mas as pessoas falam que ele envelheceu mal, só repeti a opinião da maioria, mas no fundo eu ainda vejo charme naqueles bonequinhos cabeçudos, rs. Ah, o FIFA do Mega Drive era bem melhor que a versão SNES.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 25/03/2011 at 5:32 pm
    Permalink

    Putz, parece que o MD foi sofrido pra todo mundo hehe Só consegui ganhar o meu com quase 15 anos, graças ao “paitrocínio” também hehe Depois de tanto atormentar o coitado (e usar minha mãe como apoiadora da causa), ele fez um esforço (somos pobres) pra comprar um MDIII, aquele da caixa vermelha, que vinha com Sonic 2.
    Na real, nem ligava muito pra Sonic, mas como tinha, joguei até dizer chega. Quase sempre peguei os consoles fora de seu auge, então nessa época o que pegava já era 3DO e Sega-CD (este eu consegui quase em seguida ao Mega, um usado em ótimo estado).
    Po, deixou Super Monaco GP de fora? Um dos meus preferidos, e que mais joguei (passar o Bullets na segunda temporada foi uma missão de vida pra mim, quando consegui cheguei a chorar… tremia e dei vários gritos com a boca abafada pra ninguem se assustar hehe), e Phantasy Star IV, claro…

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 25/03/2011 at 6:03 pm
    Permalink

    Lisandro :
    “Aluguel em locadoras (era preciso levantar cedo sábado para conseguir um bom jogo).” Isso era sagrado todos os sabados, hehe! Bons tempo…

    Sábado? Que sábado nada… A onda era aproveitar a promoção da locadora de “Alugue 3 jogos na sexta e devolva na segunda”.

    Claro que como não dava pra simplesmente alugar 3 jogos toda semana o negócio era juntar os camaradas mais chegados e ir os 3 alugar jogos na conta de um só.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 26/03/2011 at 8:53 am
    Permalink

    Hahaha, tive boas lembranças lendo essa matéria. Foi um inferno pra mim e pro meu irmão juntarmos R$ 75 pra comprar um Mega Drive empoeirado na prateleira de uma loja. Boa surpresa quando vimos que ele vinha com 16 jogos gravados na memória.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 27/03/2011 at 3:37 pm
    Permalink

    Eu nunca tive um Mega Drive, não por falta de vontade, mas porque meu irmão preferiu um SNES. Mas minha experiência com o Mega Drive sempre foi muito boa. No começo, trocavamos em alguns finais de semana nosso SNES pelo Mega Drive de um colega nosso e numa dessas trocas, alugamos 6 jogos para o final de semana, nossa, eu achava o máximo, o Mega Drive, embora tivesse gráficos e sons piores que o do SNES, sempre teve jogos mais carismáticos, na minha opinião o mesmo jogo lançado nas duas plataformas, no MD sempre tinha alguma vantagem…

    Depois de um bom tempo, meus primos em Sampa compraram um MD3 com MK3! Nossa, foi a revolução! Foi aí que me apaixonei ainda mais pelo console. Entre os favoritos na casa do meu primo estavam jogos como Comix Zone, Boogerman, Beavis and Butt-Head, lembro também de um episódio muito engraçado. Depois de já termos conhecido Streets of Rage 1 e 2, alugamos o 3 pensando que seria muito mais loco e tal e realmente era mto legal o jogo, mas depois de meia hora zeramos o jogo em modo coop, então ligamos na locadora, dissemos que o cartucho não funcionou e trocamos por outro!

    Depois do lançamento do ISSS Deluxe para o SNES (e principalmente depois do meu irmão ter comprado o cartucho), o MD ficou em segundo plano para mim, mas logo lançaram uma versão para MD também, então a partir dai começa uma fase mais futebolística na minha vida de gamer. Passando por World Wide Soccer do Saturn, Virtua Striker no Arcade, ISSS 64, WE do PS1 e PES no PC e agora no Wii…

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 28/03/2011 at 11:17 pm
    Permalink

    Relatos interessantes(incluo os comentários nesse plural :P)

    Estou Criando expectativas para ver as historias com o melhor Video Game lançado.

    Será que o pessoal sofreu com SNES como sofreram com o Mega Drive?

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 30/03/2011 at 10:45 am
    Permalink

    os meus preferidos do mega: the revenge of shinob1, shinobi 3, super mônaco gp, thunder force 3, sonic 3 e virtua racing!!!!!!clássicos!!!atualmente jogo muito f-22…que na época do auge do mega drive eu não gostava muito deste jogo!!!joguei mais mega drive do que snes na minha vida, ainda mais quando eu vi o sega cd pela primeira vez…ai, que eu pirei mesmo, gráficos e músicas de primeira….clássico mesmo!!!sempre jogo e ainda estou jogando clássicos como lakers vs celtics e mario lemieux hokey,,,jogo de esporte era o ponto forte do mega drive na época,,,tanto que dizem que mega drive era mais esporte e snes mais para o rpg!!!!!!brigas a parte, mas essa fase de sega vs nintendo foi a melhor fase que eu vi até hoje em minha vida!!!!!saudade dessa época de ouro, bom demais ser antigão!!!!!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 30/03/2011 at 11:56 am
    Permalink

    meu vizinho tinha um, meus pais achavam q video game era coisa de arruaceiro, demorei a ter meu primeiro game q foi o SNES mais antes vivia na casa dos vizinho adorava jogar dick tracy, Moonwalker, um briga de rua que não me lembro o nome, Atered Best, sonic, e super star soccer. Como disse acho o Nes fisicamente inovador pra sua época, o mega drive é o segundo mais bonito, levando em conta o modelo japonês por o ocidental e bem normalzinho.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 03/04/2011 at 10:51 pm
    Permalink

    caramba! eu tive a mesma sensação quando vi sonic pela primeira vez!! foi inesquecível!! fora os loopings, aquilo nunca sido feito num jogo. fenomenal. marcou época. pena que depois a franquia ficou repetitiva…

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 06/04/2011 at 11:18 pm
    Permalink

    poxa, lendo tantos relatos, me fez lembrar do meu Mega Drive. Tínhamos um Atari e vários cartunhos. Lembro que uma vez comprei uma dessas revistas de videogame e fiquei vidrada nos gráficos do Mega Drive. Acho que devo ter enchido muito o saco da minha mãe. Lembro que ganhei um de dia das crianças e era uma versão japonesa made in Paraguai. Quer dizer, foi um presente para mim e meus irmãos, mas eu considerava meu. Eu era muito chata com meu MD: não deixava as outras crianças jogarem com a mão engordurada, tirava o pó sempre, guardava de um jeito todo especial… Aluguei praticamente todos os jogos da locadora. Nas férias ficava até às 4 da manhã jogando. Minha pré-adolescencia foi basicamente jogando MD; nada de coisas normais que garotas gostam de fazer. Aí fui crescendo, o MD foi superado por outros consoles, os controles já não funcionavam direito e eu larguei os jogos.
    Recentemente, em uma dessas férias, queria mostrar o MD para minha sobrinha de 8 anos. Fuçamos no guarda-roupas e achamos alguns jogos, controles, adaptador para Master System, manuais. Só não encontrei o console. Procuramos em todos os cantos e nada. Acho que ele foi para o paraíso das coisas que fazem crianças felizes. Não me dei por satisfeita: baixei um emulador e alguns roms no computador e mostrei pra minha sobrinha. Hoje ela se viciou em Sonic. Tenho muito orgulho dela, que joga incrivelmente bem. Melhor do que eu jogava.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 06/07/2011 at 9:48 am
    Permalink

    MEGA DRIVE
    O MELHOR CONSOLE PARA MIM
    porque digo isso:
    simplesmente pq fez história na minha vida.
    foi o primiero game que tive condições de comprar e eu era muito roleiro.
    Seus jogos brilham e cntinuam a fazer história.
    Suas ótimas conversões de arcades e jogos exclusivos que marcaram história.
    O primiero console melhor da SEGA o segundo foi o Dreamcast e infelizmente parece que a empresa perdeu a mão salvo algumas exceções, na criação de jogos ou seja, o Sonic está sendo morto a pauladas com suas fracas ultimas versões, não sei se sonic colors se redimiu e infelizmente o sonic 4 não chega nem aos pés do Remake feito por fãs.
    Mesmo sendo limitado, muitos jogso batiam de frente ao poderoso SNES, só não ganhava muito porque seus RPG’s não eram tão famosos.
    Séries como Sonic, Streets of Rage, Columns, Jogos da Wolfteam, Technosoft, Reno Corporation e seus Add -on Sega-CD causaram estardalhaço com Lunar, Sonic CD, Final Fight CD entre outros.
    Mesmo com seu pecados em hardware é e será sempre meu preferido de todos.

    Ulisses Old Gamer 78

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 28/08/2011 at 9:29 pm
    Permalink

    Já tive várias experiência com o Mega Drive ! porém nunca cheguei a te-lo, somente emprestado de amigos, e um dos games mais loucos que eu detonei foi Sub-Terrânia. Um game desafiador e muito diferente por sinal ^^

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 17/01/2012 at 8:17 pm
    Permalink

    Foi meu primeiro videogame, veio com Sonic 2 Original ^^
    O melhor console de todos os tempos…
    Só morri de raiva quando perdi para aquele maldito Silver Sonic na Death Egg…

    Games Preferidos deste Aparelho:

    Sonic 2
    Sonic 3 & Knuckles
    Sonic
    Toe Jam & Earl
    Golden Axe
    Streets of Rage 2
    Streets of Rage
    The Revenge of Shinobi
    California Games

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *