Olá amigos do Gagá Games! Aqui é o André Breder trazendo para vocês mais uma edição do Recordar é envelhecer! Como já havia falado do game Castlevania II – Simon´s Quest na última segunda-feira, resolvi falar agora do excelente Castlevania III – Dracula´s Curse, que é até hoje o meu game preferido da série Castlevania! Tenham todos uma boa leitura e até a próxima!

Mantendo o que deu certo mas também inovando!

Após a Konami ter lançado o Castlevania II – Simon´s Quest, que não conseguiu repetir o mesmo sucesso obtido pelo primeiro Castlevania lançado, era a hora da “virada”! Retomando o esquema de ação/aventura, em 1990 foi lançado para o NES aquele que ainda hoje é considerado por muitos fãs como um dos melhores, senão o melhor, jogo já criado da série: Castlevania III – Dracula´s Curse!

Ele trouxe grandes inovações e novidades, mas também manteve tudo o que havia dado certo no primeiro Castlevania do NES. Pela primeira vez na série o jogador poderia controlar outros personagens além do tradicional descedente do clã Belmont, deixando Castlevania III – Dracula´s Curse ainda mais divertido que os outros jogos da série que haviam sido lançados até então!

Outra inovação que Castlevania III trouxe foi a possibilidade de escolher caminhos diferentes para se chegar ao castelo de Drácula ao invés de simplesmente seguir um único caminho, como era comum nos jogos de ação da época. Isto foi um fator determinante para fazer com que os jogadores voltassem a jogar o game mesmo após o terem terminado uma vez, pois ainda haveria locais novos para serem explorados, inimigos diferentes para serem vencidos, e até mesmo novos aliados para serem encontrados.

História

Castlevania III se passa no ano de 1476. Nesta época Dracula e sua horda maligna está espalhando a dor e a destruição por toda a Europa. As pessoas procuram por um meio, ou alguém que possa parar toda essa maldição. Alguns se lembram da família Belmont, que possui pessoas com poderes especiais e uma longa tradição de combater o mal.

Os Belmonts haviam sido expulsos de sua terra natal, Wallachia, porque as pessoas normais ficaram com medo dos poderes sobrenaturais que eles possuem, mas agora em um momento de crise, os membros dessa lendária família se mostram ser a única forma de derrotar e vencer Dracula.

Por sorte um membro da família Belmont retorna para Wallachia, e toma para si a missão de libertar não só sua terra natal, bem como toda a Europa do maligno Conde. Em seu caminho até o Castelo, ele poderá encontrar três poderosos aliados: Grant DaNasty, um pirata, Sypha Belnades, uma feiticeira, e Alucard, o filho rebelde de Dracula.

Características dos personagens do jogo!

Cada um dos personagens de Castlevania III tem suas características, sendo todos bem diversos entre si:

Trevor Belmont

É forte e resistente, e sua principal arma é o lendário chicote “Vampire Killer”. Ele pode ainda fazer o uso das mesmas armas secundárias utilizadas por Simon Belmont no primeiro Casltlevania do NES.

Grant DaNasty

É rápido e ágil, pórem um pouco fraco e mais vulnerável do que Trevor. Sua principal arma é uma pequena faca, e ele também tem como armas secundárias o machado e uma faca bem útil para ataques a distância. Grant pode ainda escalar plataformas laterais e até mesmo se agarrar no teto dos cenários do jogo, podendo assim atacar os inimigos por ângulos que seriam impossíveis para os demais personagens de Castlevania III.

Sypha Belnades

Assim como Grant, é bem vunerável, e sofre mais dano ao ser atingida pelos inimigos. Sua principal arma é um bastão, que necessita que o inimigo esteja bem próximo para ser ferido por ele. Suas armas secundárias são três livros mágicos distintos, que permitem que Sypha possa lançar três tipos de magias elementais muito poderosas e úteis durante o jogo.

Alucard

É forte e resistente como Trevor Belmont. Sua principal arma são bolas de energia que ele pode soltar ao mover sua capa de vampiro. No início ele só pode lançar uma única bola de energia, mas após pegar “upgrades”, Alucard poderá lançar duas e até mesmo três bolas de energia de uma só vez. Sua única arma secundária é o relógio, que paraliza o tempo. Mas Alucard tem um poder que os demais personagens não possuem, que é o fato dele poder se transformar em morcego, e nesta forma alcançar plataformas altas de maneira mais rápida e eficaz durante o jogo.

Gráficos melhores!

Os gráficos de Castlevania III são os melhores da série no NES, e trouxe também um efeito que para a época foi tido como revolucionário, que era o bacana efeito de névoa, que dava um clima ainda mais gótico ao jogo nas fases em que ela se fazia presente.

Os cenários estão ainda mais detalhados que os dos outros jogos, e muitos dos inimigos encontrados no primeiro e no segundo Castlevania, voltam a aparecer em suas formas originais no terceiro jogo, como é o caso dos esqueletos, morcegos e fleas, ou seja, não há do que reclamar do design dos monstros, pois estão ótimos e se mantém fieis ao que os fãs já estavam acostumados a encontrar na série.

Mas claro, que em Castlevania III ainda há novos monstros e inimigos, todos muito bem feitos e elaborados. Os personagens principais também estão muito bem feitos, e Trevor está com as mesmas cores do Simon Belmont do primeiro Castlevania, o que eu particularmente achei bem legal, pois a sensação de “deja vu” e a nostalgia se fazem presentes por causa deste pequeno detalhe.

Efeitos e Trilha Sonora excelentes!

Os efeitos sonoros também estão melhores do que os jogos anteriores. Sypha Belnades tem um gemido diferente dos outros personagens por ser a única mulher, detalhe que hoje pode parecer bobo, mas que para a época foi bem interessante. Legal também são que os chefes das fases morrem gritando dentro de uma grande chama… algo realmente assustador para a época em que o jogo foi lançado!

As músicas estão como de costume fantásticas, com o destaque para a nova versão do tema “Vampire Killer” que ganhou o nome de “Deja Vu” (por motivos óbvios) e para a música da primeira fase do jogo, “The Beginning”, que também se tornou clássica na série, aparecendo em jogos posteriores.

Outros exemplos de excelentes músicas são: Aquarius, Demon Seed e Riddle. Castlevania III tem uma das melhores trilhas sonoras já vistas, ou melhor, ouvidas, em um jogo da geração 8 Bits!

Jogabilidade aperfeiçoada!

Os controles desta vez estão ótimos! Desta vez a Konami resolveu caprichar na jogabilidade, e fez um ótimo trabalho, permitindo uma maior facilidade para se jogar um game da série Castlevania.

O personagem Grant Danasty, por exemplo, pode mudar de direção durante o salto, algo muito eficaz para impedir que o mesmo possa cair em um abismo por descuido. Já Alucard pode até mesmo transformar-se em morcego durante uma queda em um buraco, salvando literalmente sua vida!

Não tinha como a jogabilidade de Castlevania III ser melhor, pois todos os comandos respondem de forma rápida e precisa! Nota 10 para a Konami desta vez, no quesito jogabilidade!

Um grande desafio!

A dificuldade do jogo é bem alta, chegando os personagens principais perderem mais pontos de vida quando são atingidos nas fases finais, justo quando o jogador iria precisar de mais vida por estar em fases mais difíceis!

O exército de Dracula, como já comentado, está contando com mais monstros desafiadores em relação aos jogos anteriores, e alguns dos chefes, mesmo não sendo tão “carrascos” como os do primeiro Castlevania, prometem ainda sim boas dores de cabeça para serem vencidos.

Ao todo são 16 estágios (nota: mas como o jogo possui a escolha de caminhos, não é necessário passar por todos para se chegar até a última fase), onde a dificuldade é crescente, exigindo sempre mais do jogador. A existência de “passwords” ajudam um pouco, já que o jogador pode dar um “descanço” daquela fase que ele não está conseguindo passar no momento e continuar depois ou outro dia, quando estiver de cabeça fria.

Um dos melhores games da série, até hoje!

Até hoje considero Castlevania III- Dracula´s Curse como o melhor game da série! A Konami conseguiu com Castlevania III resgatar de forma precisa toda a “magia” que os jogadores sentiram ao conhecerem o primeiro jogo da série Castlevania lançada para o NES, além de conseguir novos fãs!

Recordar é envelhecer: Castlevania III – Dracula´s Curse (NES)
Tags:             

10 ideias sobre “Recordar é envelhecer: Castlevania III – Dracula´s Curse (NES)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *