Olá meus amigos idosos do Gagá Games. Hoje irei comentar sobre um joguinho meio esquecido mas bastante curioso do Mega Drive.

Zoom! viu a luz do dia juntamente com o  Mega Drive em 1989. Foi feito pela Discovery Software e publicado pela Sega. Trata-se de um game tipo action-puzzle em um pseudo 3D. Porém ao contrário do que era ou viria ser o padrão naqueles tempos com a utilização de um falso 3D isométrico a estilo Diablo, bastante comum antes do 3D real inaugurado na era dos 32 bits, o pessoal da Discovery Software apostou em uma outra idéia.

Desde o princípio o time de desenvolvimento queria criar algo parecido com um Pac-Man tridimensional. Só que eu acho que eles não conseguiram esboçar nada razoável, porque acredito que qualquer um tenha dificuldade de imaginar como seria um Pac-Man isométrico. A solução empregada foi utilizar um pseudo 3D chamado Ilusão de Ponzo. Ao contrário da isometria que “força” os três eixos em plano bidimensional, a Ilusão de Ponzo se utiliza de uma ilusão de ótica da curvatura de nossa retina para criar um 3D de apenas dois eixos. 😀 Parece loucura, mas no link acima tem uma explicação a “grosso modo” da Ilusão de Ponzo. Se quiser saber mais a fundo, leia um livro de física. 😀 

Não são só alienígenas que querem o nosso mundo

Uns fantasmas alienígenas também estão muito interessados. Eles são conhecidos como Wiggly e ao redor da Terra colocaram vários campos magnéticos em formato de tabuleiros. Para nos livrar deste mau agoro xenófobo, o nosso herói Zoomer , que é um cruzamento de tangerina com uma ratazana, deverá deslizar por todas as linhas horizontais e verticais  completando os tabuleiros e assim derrotando os inimigos.

Quase uma fotografia

Bom, como eu disse antes, o game é de 1989. Por conta disso e por conta também do estilo do jogo, os gráficos são bastante simplórios. O tabuleiro flutua sobre um fundo espacial com um planeta abaixo (que aparentemente não é a Terra, mas parece a Lua). E conforme avançamos nas fases, o planeta abaixo vai mudando de cor. Seria tudo estático se não fosse seu personagem e os inimigos, que com no máximo três ou quatro quadros de animações cada, não são nenhuma obra-prima, mas também não chega ao tosco. E todos eles têm seus desenhos derivados de esferas.

Se um fala, os outros se calam

O som é tão trabalhado quanto o resto do game 😀 Uma música bobinha toca mesclada a dois efeitos: o do pulo de Zoomer e dos inimigos atingidos pelo ataque do nosso protagonista. Há um terceiro efeito: Zoomer fala “c’mom boy” toda vez que você completa um conjunto de linhas. Mas isso ficou muito mal executado, pois qualquer outro efeito e até a música “somem”, dando a impressão que a voz sintetizada “rouba” todos os canais de som.

Segue pra lá, segue pra cá, pula e atira

Simplicidade parece ser a palavra que ditou este projeto. Por default, os botões A e C fazem Zoomer pular e o botão B faz ele atacar os inimigos com pequenas bolas laranjas. Zoomer está em constante movimento e o direcional apenas serve para direcioná-lo pelas linhas. Porém as vezes é meio impreciso colocar Zoomer na linha que se deseja, mas isso é facilmente contornado já deixando o direcional presionado para a direção desejada quando se está no meio do quadrado.

Os inimigos não são tão rápidos quanto nosso herói, e dificilmente você ficará acuado ou em situações desesperadoras. Além de contar com o ataque das “pequenas tangerinas”, você pode usar o próprio pulo para escapar. O maior desafio além do cronômetro, será o de não enjoar durante as 6 fases com 6 estágios cada uma,  fazendo a mesma mecânica com poucas variações no tabuleiro. E para facilitar ainda mais pra quem geralmente torce o nariz pra esse tipo de jogo, muitas vidas são distribuídas entre os muitos itens que vão aparecendo aleatoriamente pelos estágios. Estes itens, além da vida extra, oferecem mais pontos, retardam ainda mais os inimigos e até mesmo permitem que você passe para a próxima fase instantaneamente.

Completando as linhas

Apesar da pouca dificuldade aparente, Zoom! é um joguinho gostosinho de jogar, bom de passar o tempo. Qualquer pessoa com muita paciência terminará as 36 fases deste game sem muita dificuldade. Eu confesso que enjoo lá pela metade e que nunca cheguei ao final por causa disso. Mesmo os gráficos bacaninhas e som legalzinho não são os pontos negativos deste game, e sim sua repetição maçante. Nesse quesito seria muito melhor se o jogo fosse mais curto. Até a próxima.

Zoom! (Mega Drive)
Tags:                 

13 ideias sobre “Zoom! (Mega Drive)

  • 06/07/2012 em 9:54 am
    Permalink

    esse daí não ouvi falar. com tanato jogo com nomes chamativos ou estranhos na biblioteca do Mega, um jogo com o nome Zoom não chama muita a atenção. parece um game interessante para testar, vou ver se o acho. e como eles tem a ideia de colocar um rato tangerina como astro de um game?

    vai entender….

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 06/07/2012 em 11:40 am
    Permalink

    Grande Zoom! Primórdios do Mega Drive. Comprei esse jogo junto com o meu primeiro Mega Drive por volta de 1992. O jogo é tão antigo que ainda vinha nas antigas caixas de papelão. Eu ainda tenho minha cópia do Zoom da TecToy (a mesma de quando eu era mais novo) que esta completa, com cartucho, manual e caixa de papelão recortada e enfiada em uma caixa de plástico tradicional, infelizmente. Recentemente eu fiz uns “scans” do manual para um fórum brasileiro de fans da Sega. Se alguém tiver interesse basta me pedir por e-mail ou Twitter.
    Enfim, o jogo é realmente repetitivo, eu mesmo nunca consegui jogar até o fim.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 06/07/2012 em 12:09 pm
    Permalink

    Nooooooooossa! De novo a galera do Gagá trazendo um review de um game que nunca se ouve falar em site nenhum! Da outra vez foi o Outlaws, e agora o Zoom! Valeu mesmo, Piga!

    Jogava muito esse jogo no meu computador, pelo emulador de Mega Drive. Meu primeiro computador foi um Windows 98, que veio com um emulador de Mega Drive, e 390 Roms (o emulador nem tinha nome, só tava escrito “390 Jogos”). Como não tinha internet, o PC era meu segundo video game, e eu me divertia muito com aqueles jogos de Mega. Mais tarde trocamos para o Windows XP, e nisso o emulador foi perdido. O PC voltou com outros jogos instalados, como Tarzan, Need For Speed II, o próprio Outlaws e outros. Por mais bons que esses fossem, jamais substituiriam os 390!

    E no 390, Zoom era o último da lista. Eu adorava jogá-lo. Mas sempre achava muito difícil, PORQUE EU NÃO SABIA QUE ELE ATACAVA E PULAVA!!! Jogava esse jogo só com as setas do teclado, nunca me dei conta de apertar o A, S, D no teclado (respectivamente o A, B, C do Mega) para ver o que fazia! Só agora no review que me dei conta! Burroooo! kkkkkkk

    Vou jogá-lo de novo, agora com todos os botões (não, esse foi o mico do século xD). E talvez zerá-lo, pois gosto desse game. Abraços a todos! ^^

    PS: Interessantes as explicações de física do nosso professor Piga. xD

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 06/07/2012 em 12:49 pm
    Permalink

    clássico!!!já vi pessoas terem dor de cabeça com esse clássico!!!não joguei muito,,,cartuchos tec toy na época era muito caro,,,depois capitão gancho lançou e foi ai que eu começei a jogar grandes clássicos do mega!!!!bons tempos e a simplicidade ainda me atrai..sempre!!!!dukaralho o post!!!!gostei

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 06/07/2012 em 10:46 pm
    Permalink

    Taí um game que eu nunca imaginei que veria um review!

    Na verdade, na lista de roms, Zoom e Zoop eu quase nunca joguei, então é bom ler alguma coisa á respeito, ainda mais com essa quantidade e qualidade de informação.

    O jogo parece legal, lembrou vagamente uma mistura de Q*Bert com um game de Atari cujo qual não me recordo o nome, mas o objetivo era formar essas linhas também.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 07/07/2012 em 6:34 pm
    Permalink

    Eu tenho e já fechei ele! 😉 (mas foi nos anos 90 então nem me lembro hoje de como é o final XD ).

    Com relação as fases, o cenário sempre muda e a música. Não fica sempre a mesma música e o mesmo fundo. Tem até uns fundos e umas músicas bem legais!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 07/07/2012 em 11:04 pm
    Permalink

    @leandro(leon belmont)alves
    Fala Leandro. Dá uma jogadinha nele sim. Ele é viciante e ao mesmo tempo cansativo. Bom pra jogar antes de dormir. 😀

    @Mario Arroyo
    ZOOM! foi o primeiro jogo de Mega que eu aluguei na vida. Comprar nunca comprei, mas to caçando uma cópia, quando achar eu pego.

    @Willi Weiss
    @Cosmão
    Agora que você já sabe que ele pula e atira, pode jogar de novo. 😀 Esse emulador 390, eu lembro ele. Quando comecei a namorar minha esposa, ela tinha um cd com esse emulador e as famosas 390 roms 🙂

    Quanto a escolha das matérias, eu tento geralmente ir pelos jogos que já conheço. Porém, certos jogos já tem reviews a rodo por aí e por mais que eu goste, deixo para falar numa oportunidade futura. Valeu pelos elogios! 😀

    @helisonbsb
    Valeu pelos elogios. 😀

    @jfilhote
    Sim, você está certo quando afirma que Star Fox ou Virtua Racing vieram primeiro. Quando eu fiz a comparação, eu tava em mente que quando alguém fala em jogos 3D, a primeira coisa que vem a mente é o PSX. Antes de Star Fox e Virtua Racing, um jogo de PC chamado Alone in the Dark que teve matéria aqui escrito pelo Rapoza, já se arriscava no 3D. Mas quem “popularizou” o 3D foi mesmo o PSX. Por isso minha associação com a era 32 bits. Mas valeu pelo toque! 😀

    @Dirley
    Valeu pelas infos Dirley, mas seu jogo é japonês?

    Falow! 😀

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 09/07/2012 em 9:57 am
    Permalink

    Gosto bastante desse jogo, embora seja bem repetitivo, mas é bem gostoso de jogar, e na época eu ficava impressionado com o pseudo 3D dele. Nas revistas de games ele parecia ser fantástico, mas na prática não é bem assim…mas de qualquer forma é um joguinho bem bacana!
    Abraços!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 10/07/2012 em 9:54 am
    Permalink

    Gostei do review.
    Mas vim comentar para sugerir um jogo para os próximos reviews: Outlander.
    Só que o do Mega Drive e não o do Super Nes. O primeiro, a meu ver, ficou muito melhor.

    Uma prévia: o jogo é uma adaptação NÃO OFICIAL do filme MAD MAX.
    Todos os elementos do filme estão lá, inclusive o personagem principal que não pula direito porque é manco!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 12/07/2012 em 3:50 pm
    Permalink

    Grande Piga!
    Muito legal lembrar de Zoom! Comprei o cartucho há dois anos para presentear minha noiva 😀 – joguei Zoom desde os tempos remotos e tenho grandes lembranças.
    É verdade que se torna bastante repetitivo, mas é um ótimo companheiro para dias chuvosos de férias hehehe.
    Abraço!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 17/07/2012 em 11:25 pm
    Permalink

    Foi um dos primeiros jogos que eu aluguei para Mega, em 1991. Bons tempos de alugar um jogo “no escuro”, sem ver nenhuma imagem. Tudo que tinha na locadora era a ficha que dizia :

    “Você já foi esmurrado por uma banana ou lutou com um cogumelo? Já caiu em um buraco negro? Então prepare-se! Percorra o espaço e supere os obstáculos que aparecem subitamente nos mais estranhos lugares!”

    Esse texto aparece na caixa do jogo. Interessante, mas não tinha nada a ver com ele! O que não foi ruim, porque o jogo mesmo é bem melhor do que diz essa sinopse feita por quem não jogou. Depois até acabei comprando, e tenho até hoje em caixinha de papelão da Tec Toy ainda.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *