Olá velharada que visita o Gagá Games! Aqui é o seu amigo André Breder trazendo até você mais uma edição do Recordar é envelhecer! Hoje vou relembrar um clássico beat n´up lançado para o Super NES em 1995: Final Fight 3! Tenham todos uma boa leitura e até a próxima!

Introdução:

Nas gerações passadas dos videogames, mais precisamente na terceira e quarta geração de consoles, é engraçado notar o que ocorreu com algumas franquias famosas: elas começam com um game inovador, tem uma sequência meia boca, e depois um terceiro jogo que passa a ser considerado como o melhor já lançado até então. Foi assim, por exemplo, com as franquias Castlevania e Super Mario Bros no NES.

Final Fight é uma franquia que na minha opinião, também teve seu ápice no terceiro jogo: ela começou muito bem nos arcades (esqueça aquela versão tosca do Super NES) e depois teve uma sequência no console de 16 Bits da Nintendo que trouxe pouca ou nenhuma inovação. Era preciso inovar, mudar um pouco, fazer um Final Fight que não ficasse devendo em nada em relação aos concorrentes (leia-se os games da franquia Streets of Rage da SEGA). E na minha opinião a Capcom conseguiu fazer isso no divertido e viciante Final Fight 3!

Quem viveu de perto a briga entre a SEGA e a Nintendo durante a quarta geração de consoles sabe muito bem que as duas empresas não brincavam em serviço: se a Nintendo tinha Mario, a SEGA tinha Sonic, e assim por diante. Na área dos beat n´ups a briga também era das boas, pois a franquia Streets of Rage “batia” de igual para igual com a série Final Fight (sendo que muitos gamers a consideram melhor), e já no segundo game da franquia da SEGA via-se um game renovado, com os personagens podendo desferir muitos golpes especiais, sendo que muitos destes golpes, de maneira curiosa (para não dizer outra coisa) eram bem parecidos com os de alguns personagens do game Street Fighter II da Capcom. Se a “concorrência” fazia um jogo com seus personagens soltando “hadoukens” e “shoryukens”, porque a própria Capcom não podia fazer o mesmo em um game da franquia Final Fight?

Bem, mesmo não tendo personagens com os mesmos poderes de Ryu e cia, em Final Fight 3 temos sim lutadores bem mais versáteis, e com golpes especiais. Era o que faltava para modernizar Final Fight e deixá-lo como um beat n´up próximo da perfeição…

A trama do game:

A história de Final Fight 3 se passa um tempo após os acontecimentos de Final Fight 2, onde a Mad Gear foi finalmente aniquilada. Para infelicidade do prefeitão Haggar, com a queda da Mad Gear uma outra gang criminosa resolveu dominar as ruas de Metro City: a famigerada “Skull Cross Gang”.

Coincidentemente bem no dia em que Guy retorna a Metro City, após um longo período de treinamento, Haggar vê da janela de seu escritório que a paz de sua cidade está mais uma vez ameaçada: uma grande explosão ocorre no centro de Metro City, e criminosos das piores espécies estão fazendo um verdadeiro caos em vários pontos da cidade!

Haggar parte então juntamente com Guy, a detetive Lucia e o lutador de rua Dean para os locais onde os membros da “Skull Cross Gang” estão agindo, afim de trazer mais uma vez a paz em Metro City.

Os protagonistas:

Final Fight 3 é o primeiro game da franquia a dar a possibilidade do jogador (ou jogadores) escolher entre 4 personagens distintos. Saiba mais detalhes sobre cada um deles a seguir:

– Mike Haggar: é o prefeito de Metro City e também um ex-lutador de rua. Haggar possui um estilo de luta similar aos lutadores de luta livre. No jogo é o mais lento dos personagens, porém é aquele capaz de executar os golpes mais contundentes.

– Guy: é um lutador originário de uma família que há gerações vem estudando e aprimorando a lendária arte do Ninjutsu. No game é um dos melhores personagens, unindo de forma brilhante força e rapidez.

– Lucia Morgan: é uma detetive da unidade especial de crimes de Metro City. Tem grande conhecimento em artes marciais e possui longas e bem “torneadas” pernas, que são utilizadas por Lucia como sua principal arma na luta contra os seus inimigos. No jogo ela é a personagem mais rápida, mas em contrapartida é também a mais fraca.

– Dean: é um lutador de rua que pode utilizar a eletricidade como arma durante as lutas. Quando a “Skull Cross Gang” começou seu domínio em Metro City, Dean recebeu a proposta de integrar o grupo criminoso, mas recusou. Por conta disso teve sua família morta por membros da “Skull Cross Gang” e hoje busca vingança. Por causa de seus ataques utilizando eletricidade, boatos sugerem que Dean possa ser um cyborg, mas a própria Capcom nunca confirmou, ou negou, este boato. No jogo Dean é o personagem mais equilibrado.

Sobre o game:

Se você já jogou os dois primeiros games da franquia Final Fight, sabe muito bem o que te aguarda no terceiro jogo (caso tenha ficado preso ou em outro planeta durante o período em que os dois games iniciais da franquia saíram, peço que clique aqui e aqui, para ler as minhas resenhas dos games Final Fight e Final Fight 2, respectivamente): Final Fight 3 é um beat n´up com muitos inimigos variados, e que oferece vários meios de espancar os adversários, seja utilizando os próprios punhos, seja utilizando armas que são encontradas no decorrer das fases. Diversos itens curativos também podem ser encontrados durante os estágios do game, permitindo que os jogadores tenham uma vida mais longa. Mas então o que difere Final Fight 3 dos outros games da sua franquia, e que o torna melhor?

Vamos por partes: primeiramente, como já citei na introdução desta análise, os golpes especiais e o maior número de movimentos dos personagens de Final Fight 3 já o colocam facilmente na frente dos outros dois games anteriores da franquia. Agora pode-se fazer com que os personagens corram dando dois leves toques no botão direcional, dando assim mais rapidez ao jogo. Ainda quando um personagem está “correndo”, basta apertar o botão de ataque para fazer com que ele desfira algum golpe (ou mesmo uma sequencia deles) no inimigo que estiver no caminho.

E não é só isso: fazendo o clássico comando “meia lua” no botão direcional e depois o botão de ataque permite que golpes bacanas e alguns até devastadores sejam executados pelos personagens do jogo. Já se deu por satisfeito? Então saiba que ainda tem mais! Cada lutador do jogo tem uma barra inferior azul que vai se enchendo a medida que os inimigos do jogo vão sendo “surrados”. Quando a barra fica completa, a palavra “Super” surgirá, e então será possível, dentro de um curto espaço de tempo, executar um golpe especial bem no estilo de alguns dos games da franquia Street Fighter! É o típico golpe especial apelativo, que tira muita energia do pobre adversário que o recebe.

Até mesmo o manuseio das armas que são encontradas durante o jogo variam de acordo com cada um dos personagens, como no caso de Guy que com o nunchaku em mãos pode executar combos com esta arma que nenhum outro personagem é capaz de fazer igual. Fora os movimentos novos, temos ainda, claro, os golpes clássicos, como socos, voadoras, balões, etc, tudo podendo ser executado de maneira perfeita graças a ótima jogabilidade do jogo.

Outro ponto que Final Fight 3 é superior aos anteriores, é em relação aos seus gráficos, que estão bem mais polidos do que os do jogo anterior, o também excelente Final Fight 2. Os personagens estão mais detalhados e os cenários são mais complexos, com cores mais vibrantes. A diversidade dos cenários é uma marca registrada da série, e aqui não poderia ser diferente.

Ainda sobre os gráficos, destaque para as cutscenes do jogo, que ajudam a ilustrar melhor os acontecimentos da trama de Final Fight 3, bem como a animação dos personagens nos momentos em que o jogador deve selecionar o ‘continue’ para poder continuar jogando o game, após ter perdidos todas as suas vidas. Chega a dar pena (ou um ataque de risos se você for um sádico como eu) dos pobre heróis, tamanho é o desespero que eles esboçam na tela.

Apesar de eu gostar muito, mas muito mesmo da franquia Final Fight, um dos pontos mais fracos que eu via na série era em relação a sua trilha sonora. Os dois primeiros games da franquia possuem músicas que cumprem o seu papel no jogo, mas estão longe de serem memoráveis. Final Fight 3 veio para mudar isso, felizmente! Já logo na primeira fase do jogo temos o empolgante e agitado tema “For Metro City”, que gruda na sua memória! Até hoje basta eu pensar em Final Fight 3 para me lembrar na hora desta música do jogo. As demais músicas também são muito boas e passam de maneira perfeita o clima de aventura do jogo. Destaque também para o tema da última fase, uma música que possui um gostoso clima de “é a hora da verdade”!

Sobre a dificuldade de Final Fight 3, há quatro níveis para o jogador escolher: Easy, Normal, Hard e Expert, ficando então a cargo de cada um escolher aquele que condiz com sua habilidade em um game do gênero beat n´up. Para ajudar (ou não) existe o modo de dois jogadores, que pode amenizar a dificuldade do jogo. Há ainda um modo onde o segundo jogador é controlado pelo computador, mas eu não indico para ninguém este modo, pois muitas vezes o segundo personagem acaba mais atrapalhando do que ajudando.

E deve se lembrar que no jogo todo só são permitidos 5 “continues”, e caso venha a se jogar com dois jogadores, são apenas os 5 divididos entre os dois. Portanto um jogador mais experiente e corajoso, não terá problema algum em terminar o game sozinho, ainda mais que mesmo se ele não for tão experiente assim, terá os 5 “continues” somente para ele, o que normalmente é suficiente para jogar Final Fight 3 e conseguir terminá-lo, sem maiores apertos.

Os inimigos menores do jogo cada qual possui sua forma de atacar e agir, mas como eles se repetem durante todo o jogo, basta algumas horas de jogatina para já estar familiarizado e saber o que fazer para se dar bem nos combates. Os chefes continuam grandes, fortes e extremamente apelões! Apesar de todos terem um forma de agir específica, e que logo já é “decorada” pelo jogador mais atento, muitas vezes é praticamente impossível não perder energia (e até mesmo vidas) durante as lutas com os chefões de fase.

E falando nas fases do jogo, algo interessante e que tem que ser citado, é que existem rotas diferentes que podem ser tomadas pelo jogador durante a jogatina, sendo que é possível até mesmo encurtar uma fase, neste caso o terceiro estágio do jogo: esta fase específica se passa em sua parte final dentro de um ônibus em movimento. Mas basta jogar um inimigo em cima da placa do ponto do ônibus, destruindo-a, para impedir que a fase continue! Desta forma não é necessário lutar com os vários inimigos que apareceriam dentro do ônibus, e nem mesmo com o chefão da fase! Esta dica é uma ótima alternativa de poupar energia e até mesmo vidas para as fases posteriores do jogo. No total o game traz 6 fases normais, e duas fases bonus.

Conclusão:

Resumindo: trazendo uma jogabilidade renovada, gráficos e uma sonoridade bem a frente dos games anteriores, Final Fight 3 pode ser facilmente considerado como o melhor game lançado de sua franquia. Infelizmente Final Fight 3 foi lançado já próximo do fim da quarta geração de consoles, o que fez com que mais continuações dentro do padrão clássico da franquia não fossem lançadas.

Tivemos algum tempo depois o Final Fight Revenge, que era um game do gênero “Head-to-Head Fighting”; e Final Fight Streetwise, um game que seguiu com um modo mais voltado para ação, copiando um pouco os games da franquia GTA da Rockstar. Eu até confesso que gostei deste “novo” Final Fight, e até mesmo cheguei a jogá-lo até terminá-lo, o que eu já adianto, para aqueles que não conhecem o game ou que pretendem um dia se aventurar nele, não é nada fácil. Mas Streetwise é considerado pela grandiosa maioria dos fãs como uma verdadeira blasfêmia e que nunca deveria ter tomado o nome Final Fight em vão! Deste modo Final Fight 3 continua sendo considerado por muitos até os dias de hoje, como o último game da franquia de “porrada” da Capcom que merece ser jogado. É realmente uma pena que games do tipo não sejam mais lançados atualmente… mas quem sabe um dia a Capcom não faz um versão HD dos três primeiros games da franquia Final Fight pelo menos? Sonhar não custa…

Recordar é envelhecer: Final Fight 3 (Super NES)
Tags:                     

37 ideias sobre “Recordar é envelhecer: Final Fight 3 (Super NES)

  • 28/08/2010 em 9:04 am
    Permalink

    Pra mim é o melhor da série mesmo, embora eu nunca tenha conseguido terminar o Final Figth dos arcades, mas o terceiro é o que eu mais gosto,o fato de ter caminhos alternativos melhora bastante o fator replay do game. E a bendita musica do primeiro stage ainda ecoa em meu cérebro!!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 28/08/2010 em 9:06 am
    Permalink

    Nossa, eu alugava essa fita direto! Acho que zerei tantas vezes isso que já sei de cor todos os caminhos alternativos, músicas e nomes dos inimigos.

    A única falha no meu ponto de vista é que o último chefe é um dos mais fracos. O chefão do ferro velho, por exemplo é bem mais forte!

    Realmente FF3 é o melhor jogo da série! O FF Streetwise começa ótimo, mas quando começam a aparecer os “zumbis” estraga toda a diversão.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 28/08/2010 em 2:06 pm
    Permalink

    Toda vez que ia na locadora com o meu primo, a gente jogava esse jogo ou Sunset Riders, por isso já zerei essa bagaça umas 20 vezes, e graças a esse jogo durante muito tempo quando alguma revista falava de FF7 eu sempre achei que era Final Fight, e não Final Fantasy uhauahuahuahuah

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 28/08/2010 em 2:42 pm
    Permalink

    A série Final Fight foi realmente muito marcante para quem teve um Snes. O primeiro da série era legal pois lembrava muito aqueles filmes de gang de rua dos anos 80 como The Warriors. Mas a Capcom cagou na conversão do Snes e se não bastasse cagou duas vezes.

    Final Fight 2 foi o da franquia o que eu mais gostava, ele está longe de ser tão bom quanto o 3. Mas na época do lançamento do 3, para mim o gênero Beat’n Up já não era tão inovador (pra não dizer repetitivo) graças a quantidade imensa de títulos que havia pro console.

    Mas esse realmente é um grande jogo, mesmo sendo fácil dá pra se divertir bastante, com os caminhos alternativos e quatro personagens aumenta bastante as possibilidades e tem um fator replay legal. Sem contar que os sprites são muito bem desenhados e são atuais até hoje, lembrando bastante os sprites usados na série Steet Fighter Zero/Alpha.
    Agora aquele chefão que se enfrenta na usina é um desgraçado de marca maior, eu lembro que uma vez consegui fazer um caminho que dava para evita-lo, esses dias joguei incessantemente e não teve jeito de conseguir evitar o cara.
    Será que eu lembro mal do jogo e não tem como evitar esse cara?

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 28/08/2010 em 3:10 pm
    Permalink

    cara eu jogava muuuuuuito esse jogo… tinha um lugar aqui perto que tinha um daqueles arcades “com um snes dentro” e tinha esse jogo… era a alegria da galera… depois de um tempo pude adquirir o jogo e zerei ele de todas as maneiras possiveis e em todos os modos de dificuldade… [os finais do expert são muito maneros…] uma coisa que vou soltar aqui que acho que quase ninguem conhece é o “debug mode” desse jogo que tem um montão de opções maneiras… alguem conhece esse macete? é só ligar o video game com o select apertado hehe abraço a todos!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 28/08/2010 em 4:11 pm
    Permalink

    Oráculo :

    O FF Streetwise começa ótimo, mas quando começam a aparecer os “zumbis” estraga toda a diversão.

    Quando isso ocorre fica mais parecendo um “Resident Evil” do que um Final Fight… alguém da Capcom deve ter “tara” por zumbis… hehehehehe… 8)

    Buu :

    …e graças a esse jogo durante muito tempo quando alguma revista falava de FF7 eu sempre achei que era Final Fight, e não Final Fantasy uhauahuahuahuah

    Eu também já fiz essa confusão várias vezes. 😉

    João do caminhão :

    Agora aquele chefão que se enfrenta na usina é um desgraçado de marca maior, eu lembro que uma vez consegui fazer um caminho que dava para evita-lo, esses dias joguei incessantemente e não teve jeito de conseguir evitar o cara.
    Será que eu lembro mal do jogo e não tem como evitar esse cara?

    Eu pelo menos nunca consegui evitar este chefe, e concordo: ele é mesmo um filho da p%#@ de difícil!

    maximuscesar :

    …uma coisa que vou soltar aqui que acho que quase ninguem conhece é o “debug mode” desse jogo que tem um montão de opções maneiras… alguem conhece esse macete? é só ligar o video game com o select apertado hehe abraço a todos!

    Já tinha ouvido falar neste macete, mas sempre me esqueço da existência dele quando vou jogar Final Fight 3, e portanto nunca o fiz. Bem lembrado, vou tentar aqui depois.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 28/08/2010 em 9:15 pm
    Permalink

    Olha que a serie final fight eu joguei muito viu principalmente a versão de arcade que era muito dificil depois o segundo eu joguei no snes e curti muito mas a prefirida e o terceiro jogo que inovou muito mesmo a jogabilidade e também com os lances de espcias que ajudão muito na hora que você mas precisa para derrotar algum chefe muito bom jogo viu pena q o de ps2 não chegue aos pés dele .

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 29/08/2010 em 11:53 am
    Permalink

    André Breder :
    … mas quem sabe um dia a Capcom não faz um versão HD dos três primeiros games da franquia Final Fight pelo menos? Sonhar não custa…

    Mas que seja uma versão HD DE VERDADE! Aquela coisa chamada Double Impact (que é nada mais que o FF de arcade com uns efeitos de emulador)

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 29/08/2010 em 5:47 pm
    Permalink

    Um amigo meu tinha esse jogo, joguei ele ate enjoar!! Se não me engano nesse debug mode tem um mapa com todas as rotas alternativas e da para escolher qualquer fase para jogar. Uma coisa que eu nunca consegui fazer foi o especial da Lucia, queria saber qual movimento ela faz.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 29/08/2010 em 6:24 pm
    Permalink

    Acabei de zerar no emulador pra relembrar. Não peguei o tal de chefe da usina que tanto falaram. Só lembro do policial, o barman, o marinheiro e o último. Cá pra nós:

    1- Que jogo fácil. Nem precisei de continue no nível normal. Todo mundo tem pouco life, só o último chefe que tem mais.
    2- Esses jogos não são todos iguais? Sempre tem: o inimigo peba, que é só bater. Os de pouco life, que jogam uma bomba e correm (variação: andar de moto). O gordão que atropela. O ágil, que bate e corre. As piranhas. Nesse, trocaram o cara com facas por aqueles com garra de Vega.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 29/08/2010 em 9:52 pm
    Permalink

    leo_jiraya :

    Uma coisa que eu nunca consegui fazer foi o especial da Lucia, queria saber qual movimento ela faz.

    É só dar uma olhadinha aqui:

    http://www.gamefaqs.com/snes/588334-final-fight-3/faqs/5515

    Otto Teixeira :

    E uma coisa que nunca entendi: por que usar especial no inimigo perde life, mas usar na porta/janela não perde? =P

    Mistério… uhauahuahua… 8)

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 30/08/2010 em 9:06 am
    Permalink

    Olá André! Joguei todos os Final Fight, desde o arcade até o 3 do SuperNES. Gostei de todos, ainda hoje jogo com meus primos pequenos. O Final Fight 3, como já foi falado neste post, é de longe o melhor da série, mas convenhamos. Deveria haver mais um modo de dificuldade (Super Expert), pois o jogo é muito fácil devido a quantidade de recursos para espancar os marginais. Final Fight 2, na dificuldade Expert, é bem mais difícil. E viva o gênero beat n’ up. 🙂

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 30/08/2010 em 12:18 pm
    Permalink

    Gosto muito de Final Fight 3, mas penso que só podemos dizer que ele é o “ápice” da trilogia sob o aspecto técnico. Em termos de ambientação e originalidade, o primeiro jogo da série é insuperável. Final Fight 3, para o ano em que foi lançado, já não era mais tão impressionante. O primeiro Final Fight é que realmente fez o pessoal babar. Aqueles personagens enormes e cenários definidos eram uma coisa sem precedentes. E a melhor versão doméstica do primeiro FF, sem dúvida, é a do Sega CD.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 30/08/2010 em 12:20 pm
    Permalink

    Por mais que eu goste da trilogia, um aspecto negativo ela tem: a dificuldade desequilibrada. O primeiro jogo é muito difícil, enquanto que o terceiro é fácil demais. Acho que só o Final Fight 2 tem uma dificuldade equilibrada (mesmo assim, ele é um pouco fácil demais também).

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 30/08/2010 em 12:36 pm
    Permalink

    @Henrique Caveira

    Entendo seu ponto de vista, mas continuo achando o terceiro o melhor da franquia, melhor até mesmo que o primeiro. Também vi o primeiro Final Fight “nascer” nos fliperamas brasileiros no início dos anos 90, e realmente foi algo inovador ter um game daquele nível na época. Contudo após jogar o terceiro nem consigo mais ter “tesão” para jogar o primeiro, visto as melhorias em termos de jogabilidade que o último trouxe para a franquia, e esta parte técnica é algo que tem grande influência em mim, quando vou preferir um game.

    O primeiro, na minha opinião claro, foi o melhor na sua época, já o terceiro, com todas as suas melhorias, conseguiu que eu passasse a preferi-lo. O lance da dificuldade baixa nunca me incomodou, pois nunca fui um jogador “hardcore” mesmo. 8)

    Mas claro, é tudo uma questão de gosto. Não existe verdade absoluta em questões como essa… cada ser humano tem sua própria realidade e maneira de ver as coisas.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 30/08/2010 em 11:16 pm
    Permalink

    @André Breder

    Sem dúvida, André! Até porque todos os games da trilogia são ótimos.

    Tecnicamente, o FF 3 mata a pau os anteriores sob todos os aspectos. O motivo de eu preferir o primeiro é a ambientação mesmo, acho que tem mais a ver com aquele clima de “distopia urbana” que dava o tom em tantos filmes e games da época, enquanto que o visual do FF 3 é mais “clean”.

    Mas, pra mim, o pior problema do FF 1 é a dificuldade excessiva e o pior problema do FF3 é ser muito fácil. Dá pra ver que não é fácil chegar naquele meio termo equilibrado do Streets of Rage 2, por exemplo.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 13/09/2010 em 6:36 pm
    Permalink

    Belo post. Não cheguei a jogar muito o FF3, sou muito mais fã do FF2 (que mesmo na era dos emuladores ainda não consegui zerar hehe). Depois que li o post fiquei interessado em jogar o terceiro. Um abraço

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 30/12/2010 em 11:39 am
    Permalink

    Henrique Caveira está certo. O primeiro Final Fight é o mais difícil, o segundo é o mais equilibrado (e talvez, por isso, fácil) e o terceiro é o mais fácil. Acho inclusive que o terceiro é o mais dinâmico, com mais possibilidades de golpes e mobilidade, porém isso pode ter deixado o jogo fácil demais.

    Quanto ao post, foi um post muito bom mesmo, só errou quando disse que Lucia era a personagem mais rápida do jogo, pois o mais rápido é Guy, disso eu não tenho dúvida.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 22/02/2011 em 9:54 pm
    Permalink

    @yan e willie

    Bacana saber que pessoas mais novas como você e seu irmão curtem jogar um clássico como Final Fight 3! Infelizmente hoje em dia é difícil encontrar games como modo cooperativo, e bons Beat n´ups como os da série Final Fight são ótimos para a diversão em família. Também joguei muito este game com meu irmão mais novo… bons tempos!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 24/02/2011 em 10:39 am
    Permalink

    adorei esse jogo mermão,gostei de fazer o especial de todo mundo,jogando com GUY:segure o inimigo e aperte 2 para baixo e o botão de soco,jogando com LUCIA:aperte 2 para baixo e 1 para frente(sem segurar o inimigo),jogando com HAGGAR:segure o inmigo e aperte 1 para trás e o botão de soco,jogando com DEAN:aperte 1 para baixo,1 para cima e o botão de soco,é assim que se faz os especiais,mas,tem que apertar os botões muito rápido.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 01/01/2014 em 9:43 pm
    Permalink

    Aeh! realmente eu tambem reparei nisso todos os ultimos chefoes sao os mais faceis
    e ja repararam que hein certas fases tem personagens do Street fighter ? no 2 axo q tem a chun li tomando cha
    Po mano vc podia ter postado os golpes , e especiais dos personagens , ate hj eu n sei como fas o chutin de fogo da Lucy

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 08/06/2017 em 7:54 pm
    Permalink

    Se quebrar a placa do onibus acaba a fase mas nao significa que pulou uma fase, é que vc escolhe passar pela fase da ponte que e maior e nao tem chefe ou pegar o onibus que tem a fase menor mas tem chefe alias a do onibus corta a usina mas tem outro chefe pedreira q e aquele que aparece numa cozinha. Ou seja ambos os caminhos nao sao nada faceis depende se vc se sai melhor com um chefe ou com outro. Ah e eu jogo essa porra ate hj e acho um dos ou senao o melhor jogo de snes.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 21/08/2017 em 3:41 am
    Permalink

    Hola quisiera q pases los combos de Dean,yo solo sé lo comun,y nose si tiene movimientos mejores d ataque como Combos igual q guy q golpea mucho y salta en las paredes,en dean solo consegui un gancho electrico,tamb levantar al rival y caerle cn el codo,pero yo decia si tiene mas,así combos cm guy ,la super pues ya es sabida,x eso lo primero.y juegos similares No conocidos.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *