bann-cruzada_master_systemMais um episódio da minha infame cruzada Master System, na qual eu me propus a jogar TODOS os jogos de Master System, mais ou menos em ordem alfabética.

Nesta semana eu joguei mais três jogos do Mickey. O primeiro foi Land of Illusion, que mantém a qualidade de Castle of Illusion e ainda acrescenta algumas coisas, é um jogo excelente. O segundo foi Legend of Illusion (destaque para a criatividade na escolha de nomes), que embora não seja ruim foi um passo atrás na série. Tiraram a bundada do Mickey, e Mickey sem bundada não é Mickey (por mais estranho que essa afirmação possa parecer). Esse negócio de ficar atirando com o Mickey não tem nada a ver, e o jogo perdeu um pouco da graça.

Mas brochante mesmo foi o Mickey’s Ultimate Challenge. É um desses joguinhos que são uma coleção de minigames, mas o negócio é muito ruim, em todos os aspectos: gráficos, músicas… joguinho asqueroso. Obviamente, este não foi programado pela SEGA. Para piorar, dá para zerar em dez minutos. Passe longe, muito longe!

Conheci mais um joguinho interessante, o Lord of the Sword. É um joguinho de aventura com ação lateral, mas tem uns toques de RPG. Tem um mapinha que mostra a região toda, e você precisa visitar castelos, montanhas e outros lugares na ordem certa para terminar o jogo. O problema é que não tem nenhum indicador no mapa dizendo onde você está! Usei de todo o meu poder de dedução para tentar entender onde eu estava, mas não rolou. Lembrei de quando eu era moleque e me perdi dos meus pais na praia. Deu um nervoso danado e eu parei de jogar 🙂

lordofthesowrd-001lordofthesowrd-002

Alguém pode por favor me dizer onde eu estou?

Por incrível que pareça eu consegui me decepcionar com Marble Madness. Eu me amarro nesse jogo de levar a bolinha até o fim dos percursos, é ótimo no Mega Drive. É super simples, não tem onde errar. Quero dizer, tem sim: a versão de Master System é uma meleca, os controles são péssimos.

Os jogos de luta também imperaram na jogatina da semana. “Tentei” jogar Masters of Combat, mas até agora não aprendi a fazer nenhum golpe especial (alguém aí pode me ensinar os golpes do ninja?) e, honestamente, o jogo me pareceu uma droga. Depois que eu achar uma lista de comandos tento de novo. Felizmente o Master System tem outras opções para os fãs de luta…

mortalkombat-001Joguei Mortal Kombat meio desconfiado… fala sério, né, Mortal Kombat no Master System? Lutadores digitalizados? Pois é, e tá tudo lá. Ou melhor, quase tudo: tiraram o Kano, o jogo só tem dois cenários e vários quadros de movimentação foram cortados. A música é uma afronta, os efeitos sonoros eu nem vou comentar. Tá, não está tudo lá não, mas o jogo me surpreendeu. Dá para jogar e se divertir, dá para reconhecer Mortal Kombat no jogo. E tem sangue e fatalities, obviamente. Impressionante para o Master System.

Por isso fui jogar Mortal Kombat II com uma expectativa bem mais positiva. Infelizmente, o jogo não é tão bom quanto o primeiro. Os caras suaram para encaixar mais dois personagens e dar um trato nos cenários, mas se já era difícil portar MKI, imagine o II? Acho que cortaram mais alguns quadros de movimento, e o jogo não flui tão bem. Mas deprimente mesmo é o Mortal Kombat III… meu amigo, o que é aquilo? Parece que o jogo só saiu no Brasil, lançado pela Tectoy, é isso mesmo? Nossa mãe, a coisa tá complicada… Pica-pau, Crash Test Dummies ou Mortal Kombat III: qual é o pior jogo de Master System? Sério, tira uns cinco minutinhos do seu dia e dá uma partida de Mortal Kombat III. Vale a pena, a coisa é grotesca. Quem quiser bater um papo sobre esses Mortal Kombats de Master System pode dar uma passada no tópico que eu abri lá no fórum Retrobits.

Joguei também o tal do Master of Darkness, clone do Castlevania feito pela SEGA. A fórmula do Castlevania é boa demais, e com uma empresa de qualidade no comando da “clonagem” não dá para errar: o jogo é ótimo, e tem alguns momentos bem interessantes. Quebra um bom galho para a turma do Master System que tem inveja da turma do NES. O jogo também serve para mostrar como a fórmula do Castlevania é perfeita: a SEGA, obviamente, não fez uma cópia xerox do jogo para não ficar feio, e trocou o chicote dos Belmonts por uma faca, uma espada e um machado. E como essas armas são sem graça, meu amigo… uma tem alcance curto demais, a outra tem longo alcance mas é fraca demais… não tem jeito, chicote rules!

mspacman-001Moonwalker de Master System: o que dizer? Honestamente, a única graça que vejo no jogo do Mega Drive é a música, e a música do Master System… no comments. Micro Machines é aquela delícia de sempre, o tipo de jogo perfeito para um console de oito bits. O mesmo vale para Ms. Pac-man, um estouro de jogo, trocentas vezes melhor do que o Pac-man original. Aliás, quase que a Cruzada Master System de hoje não saiu, porque eu não conseguia parar de jogar Ms. Pac-man.

Para fechar a semana xingando os programadores: que diabos é o tal do My Hero? Nossa, que jogo tenebroso! Totalmente implacável, respirou errado, morreu. Até jogando com save states eu tive dificuldades em chegar até o chefe da primeira fase. Aí derrotei o chefe, e começou a segunda fase, que é, basicamente, IGUAL a primeira, só que com mais inimigos e uma mudança ou outra. Asqueroso.

Semana que vem tem mais!

Cruzada Master Sytem: sangue (MKI), suor (MKII) e lágrimas (MKIII)
Tagged on:         

33 thoughts on “Cruzada Master Sytem: sangue (MKI), suor (MKII) e lágrimas (MKIII)

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *