Olá amigos do Gagá Games! Aqui é o retrogamer André Breder trazendo até vocês mais uma edição do Recordar é envelhecer. Hoje vou recordar um dos games mais difíceis já lançados para os fliperamas que eu conheci na vida: Ninja Gaiden! É um jogo que literalmente engolia fichas e mais fichas de tão complicado! Bem, tenham todos uma boa leitura e até a próxima semana!

Introdução

Ao contrário do que muitos pensam a série Ninja Gaiden não teve seu começo no NES e sim nos arcades: a versão de Ninja Gaiden para os fliperamas foi produzida e lançada em Outubro de 1988 nos Estados Unidos, e no ano seguinte no Japão e demais países da Europa. É até curioso notar que este game acabou sendo lançado primeiramente no mercado americano ao invés do japonês. O motivo para isso talvez, seja porque este game foi desenvolvido numa tentativa de agradar em maior parte a audiência americana, ainda mais que toda a trama do jogo se passa nos Estados Unidos.

O Ninja Gaiden dos fliperamas é mais voltado para o gênero beat-’em-up, e sua história nada tem a ver com os eventos mostrados na trilogia do NES. Apesar de o protagonista ser visualmente o conhecido Ryu, oficialmente ele não possui nome. E ainda existe a possibilidade de se jogar em dupla, comandando outro ninja onde a única diferença é a cor de sua roupa, que é vermelha.

A história do game é básica e simples: Os ninjas devem cumprir a missão de vencer um culto maligno de seguidores de um descendente de Nostradamus, que deseja cumprir as profecias finais de seu antepassado.

Sobre o game

Em termos gráficos o game apresenta uma qualidade muito boa: todos os personagens possuem um design bem bacana, que em mais uma prova que o game foi feito mesmo com o público americano em mente, está bem próximo do estilo usado em HQs, ao invés do Mangá. Os cenários são bem construídos e trazem muitos detalhes de fundo. Este foi sem sombra de dúvidas o game da franquia com os melhores gráficos, até o lançamento dos games mais recentes da franquia que saíram para o Xbox e Xbox 360.

Na questão da sonoridade o game é mediano: apesar de trazer efeitos sonoros bem feitos e o uso de algumas vozes digitalizadas, a trilha sonora é muito inferior a que seria ouvida na trilogia do NES, com músicas que nunca serão memoráveis. Agora algo curioso se nota na trilha do Ninja Gaiden do arcade: o tema musical dos chefes das fases 2 e 5, é muito, mas muito parecido com a clássica música “Iron Man” da banda inglesa Black Sabbath. Como eu nunca vi nenhuma informação falando a respeito da banda ter cedido esta música para o game, eu diria que foi um belo plágio ou pelo menos uma bela homenagem, já que se trata de uma música que eu particularmente gosto muito.

A jogabilidade é boa e fluente, com todos os comandos podendo ser executados de maneira precisa. A principal forma de atacar aqui é na base de sequências de socos e chutes, ou por meio de “balões”. Pode se ainda se pendurar em postes e outras plataformas para atacar os inimigos por outros ângulos. Apesar dos ninjas do jogo estar sempre com suas espadas nas bainhas localizadas em suas costas, eles só podem utilizá-las ao se pegar um item especial durante as fases. E por falar em itens, não existem nesta versão nenhum item especial ou armas secundárias, só itens que restauram um pouco da energia perdida.

Em termos de dificuldade, o Ninja Gaiden dos arcades é difícil… extremamente difícil! Todo bom fliperama do final da década de 80 que se preze tinha que ser difícil, para assim obrigar que nós, pobres jogadores, gastássemos toda nossa mesada ou salário com fichas, dando um grande lucro as casas de jogos eletrônicos. Só que no caso de Ninja Gaiden a dificuldade beira o absurdo, com inimigos que te atacam de forma rápida e devastadora! Não pense, aja, ou caso contrário irá ser espancado até a morte neste game dos infernos! Em estágios mais avançados do game os inimigos atacam em grande número e alguns chefes fazem com que você perca uma vida com um único golpe! Ninja Gaiden é com toda certeza um dos arcades mais difíceis já lançados!

Conclusão

Apesar de não ser um game indicado para todos os jogadores, principalmente por seu alto nível de dificuldade, a versão de Ninja Gaiden lançada para os fliperamas é garantia de diversão para os gamers mais “hardcore”, mesmo que eu duvide que algum deles tenha a “manha” de terminar este dificílimo game com apenas uma ficha…

Recordar é envelhecer: Ninja Gaiden (Arcade)
Tagged on:             

20 thoughts on “Recordar é envelhecer: Ninja Gaiden (Arcade)

  • 22/05/2010 at 2:21 pm
    Permalink

    Excelente análise.

    Vale ressaltar que este jogo também é conhecido como “Ninja Ryukenden” no Japão e “Shadow Warriors” fora dos EUA.

    Curiosidade: na Europa, por muito tempo, a palavra “ninja” era proibida (a censura da época achava que a palavra “ninja” tinha conotação de violência excessiva para as crianças).
    Por isso as Tartarugas Ninjas tiveram o nome original, Teenage Mutant Ninja Turtles, alterado para Teenage Mutant Hero Turtles.

    E provavelmente por isso este jogo do Ninja Gaiden recebeu o nome alternativo “Shadow Warriors”.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 22/05/2010 at 4:23 pm
    Permalink

    Cidraman :

    Excelente análise.

    Valeu!

    Cidraman :

    Curiosidade: na Europa, por muito tempo, a palavra “ninja” era proibida (a censura da época achava que a palavra “ninja” tinha conotação de violência excessiva para as crianças).
    Por isso as Tartarugas Ninjas tiveram o nome original, Teenage Mutant Ninja Turtles, alterado para Teenage Mutant Hero Turtles.

    E provavelmente por isso este jogo do Ninja Gaiden recebeu o nome alternativo “Shadow Warriors”.

    A Europa sempre foi mais cheia de frescuras do que os EUA. Ainda bem que hoje em dia os games mais recentes da franquia Ninja Gaiden são chamados por lá da mesma forma que no território norte americano, uma prova de que o termo “Ninja” já não é tão mal visto na Europa, ainda mais que video game já deixou de ser algo visto como unicamente destinado para o público infantil também.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • Pingback: Tweets that mention Gagá Games » Recordar é envelhecer: Ninja Gaiden (Arcade) -- Topsy.com

  • 22/05/2010 at 7:18 pm
    Permalink

    Só agora percebi que seu texto está escrito de um forma corrida, sem aquela divisão de tópicos. Gostei da estrutura, fica parecendo que você escreveu menos informações, mas é uma leitura mais dinâmica. Será essa a nova tendência?

    Quanto ao jogo, nunca joguei, mas ouvi falar mal dele. Se comparado a série do NES. Na próxima passada pelo MAME lembrarei de experimentá-lo. Gostei da análise! Parabéns!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 22/05/2010 at 8:31 pm
    Permalink

    onon :
    Essa versão me lembra muito o Ninja Gaiden para Mega Drive

    Sim, parece que a versão de Mega (que parece ou é incompleta) foi (ou seria) inspirada na do arcade.

    Bela resenha, quando tiver saco pra baixar o MAME, vou lembrar do Ryu Hayabusa (ou de um cara muito parecido com ele)

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 22/05/2010 at 8:55 pm
    Permalink

    Kyo :

    onon :
    Essa versão me lembra muito o Ninja Gaiden para Mega Drive

    Sim, parece que a versão de Mega (que parece ou é incompleta) foi (ou seria) inspirada na do arcade.

    Realmente é o que o Kyo disse: a versão de Ninja Gaiden que seria lançada para o Mega Drive foi inspirada nesta versão arcade que eu analisei. O Ninja Gaiden do Mega acabou sendo cancelado, mas hoje em dia é fácil encontrar a rom da versão beta do game, que apesar de apresentar alguns problemas e coisas sem terminar, é jogável até o final. Pelo visto a SEGA já tinha quase terminado de fazer o game, quando resolveu não lançá-lo.

    GLStoque :

    Só agora percebi que seu texto está escrito de um forma corrida, sem aquela divisão de tópicos. Gostei da estrutura, fica parecendo que você escreveu menos informações, mas é uma leitura mais dinâmica. Será essa a nova tendência?

    As análises mais recentes que estou escrevendo estou procurando não usar muitas divisões de tópicos (somente mesmo quando for necesário), e acho que isto acaba deixando a leitura do texto, como você mesmo disse, mais dinâmica. Valeu pelo toque, pois fico feliz que isto esteja acontecendo.

    GLStoque :

    Quanto ao jogo, nunca joguei, mas ouvi falar mal dele. Se comparado a série do NES. Na próxima passada pelo MAME lembrarei de experimentá-lo. Gostei da análise! Parabéns!

    O lance é que o Ninja Gaiden dos flipers é mais para o lado do beat n´up, enquanto que os games da trilogia do NES seguem o gênero Ação/Plataforma. Eu também prefiro muito mais os games do NES, mas isto não quer dizer que o Ninja Gaiden dos arcades seja de fato ruim, ele só é diferente do Ninja Gaiden que a maioria está acostumada.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 22/05/2010 at 11:47 pm
    Permalink

    Ótima análise como sempre, André! Me lembro de ter jogado este game nos arcades quando criança, e me lembro também de ter ficado um pouco perturbado com a tela de game over rsrsrs.

    Eu tb sou muito mais os jogos de NES do Ninja Gaiden, mas esse é legalzinho tb. Aliás o Ninja Gaiden q lançaram para Nintendo DS é bem mais voltado para beat n’up, mais ou menos nesse estilo ae.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 22/05/2010 at 11:54 pm
    Permalink

    Adinan :

    Ótima análise como sempre, André! Me lembro de ter jogado este game nos arcades quando criança, e me lembro também de ter ficado um pouco perturbado com a tela de game over rsrsrs.

    Opa, valeu! E em relação a tela de game over, para a época, e ainda mais que você era apenas uma criança, a cena é forte mesmo.

    Adinan :

    Eu tb sou muito mais os jogos de NES do Ninja Gaiden, mas esse é legalzinho tb. Aliás o Ninja Gaiden q lançaram para Nintendo DS é bem mais voltado para beat n’up, mais ou menos nesse estilo ae.

    Pena eu não ter um DS. Tem muitas franquias boas com games lançados para o portátil da Nintendo.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 23/05/2010 at 2:51 pm
    Permalink

    Rock X :

    Conheço Ninja Gaiden (Ryukenden) de longa data, inclusive a versão Trilogy para o SuperNES e de uns tempos pra cá a Sigma do PS3 que pelo visto é interessante.

    A versão Trilogy do Super NES, eu particularmente achei um horror! Sou mil vezes mais as versões que saíram para o NES mesmo.

    Os games da franquia Ninja Gaiden mais recentes parecem mesmo serem interessantes… pena que ainda não pude jogar nenhum deles.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 24/05/2010 at 5:55 pm
    Permalink

    Beren Erchamion :

    Pera ae, a versão de Mega não saiu? Eu lembro da Super Game (ou Super Game Power já) avaliando o jogo, haha. Devem ter pescado um cart piratão.

    Realmente a versão do Mega foi cancelada, mesmo já estando praticamente pronta, só faltando acertar alguns detalhes. O pessoal da Super Game Power deve ter pego um cartucho pirata, ou então fizeram uma análise da versão Beta do game, porque lançado oficialmente ele não foi.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 26/05/2010 at 1:16 pm
    Permalink

    O Nigaz me falou bastante sobre esse game, tanto que eu vou ter que jogá-lo assim que a lista de pendencias diminuir XD

    Se não me engano, ele disse algo sobre esse game ser daqueles que não permitem CONTINUE se você estiver na última fase!! TRETA!!!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 15/10/2013 at 4:14 pm
    Permalink

    cara lembro desse game, jogava ele por volta de 1991 e consegui terminar ele com uma ficha sim, lebro que a ultima fase era a pior com os gordoes com um pilar uma porrada e vc perdia uma vida, o ultimo chefe era facil, lembro da manha até hj, vc ficava em baixo na tela e quando ele vinha em cima vc dava um comando pra cima e pulo ao mesmo tempo, ficava em fima dele batendo ele vinha pra cime e vc nao era acertado, tentem pra ver vc mata ele e nunca é atingido, cara mó volta ao passado agora rsrs abraços.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 14/01/2014 at 9:56 pm
    Permalink

    With havin so much content and articles do you ever run into any problems of plagorism or copyright infringement?
    My website has a lot of completely unique content I’ve either
    created myself or outsourced but it looks like a lot of it is popping it up all over the web without my permission.
    Do you know any techniques to help reduce content from being ripped off?
    I’d truly appreciate it.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 04/02/2014 at 11:40 pm
    Permalink

    My husband and i got absolutely thankful when Edward could round up his studies
    via the precious recommendations he got from your very own web
    pages. It’s not at all simplistic to just possibly be releasing things that other
    folks may have been trying to sell. So we already know we have the blog owner to thank for
    that. The illustrations you made, the easy site navigation, the friendships your
    site assist to promote – it’s mostly incredible,
    and it is leading our son and us feel that the matter is fun, and that is particularly serious.
    Many thanks for the whole thing!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *