Olá amigos leitores do Gagá Games! Aqui é o retrogamer André Breder, trazendo até vocês mais uma edição do Recordar é envelhecer! Hoje vou voltar para o ano de 1987, época em que o Master System ganhou vários games interessantes, inclusive um dos meus preferidos do console: Wonder Boy! Tenham todos uma boa leitura e até o próximo Sábado!

Introdução:

Quando eu tive meu primeiro contato com o título Wonder Boy, o “encontro” ocorreu em uma extinta casa de fliperamas da cidade onde moro. Nesta época, se eu não estiver enganado, ainda não havia sido lançado por aqui o Master System (ou eu pelo menos não havia ainda conhecido este console), então quando descobri que o console de 8 Bits da SEGA tinha uma versão deste divertido game do Arcade, o meu sorriso ia de orelha a orelha. Os fliperamas da década de 90 nunca foram o melhor lugar para crianças, então a possibilidade de jogar Wonder Boy no conforto do lar era de um prazer imensurável. Nada de “pivetes” te ameaçando ou “pedindo” que você os pagasse uma ficha.

Olhando hoje em dia para Wonder Boy, ele é um jogo de plataforma bem básico, simples mesmo. Mas é engraçado também notar que mesmo hoje em dia, com games cheios de recursos interessantes para eu jogar, ainda continuo achando este velho game muito divertido. Games mais complexos demandam tempo para serem jogados, e como hoje em dia meu tempo anda bem curto, a existência de um game simples mas extremamente divertido como Wonder Boy, é para mim quase que como um dádiva dos céus. Nada melhor que chegar em casa após um dia estafante de trabalho, e poder passar alguns minutos ou mesmo horas no comando do garoto loirinho que está desesperado atrás de sua namorada raptada.

Sobre o game:

A história de Wonder Boy não poderia ser mais simples: você é um jovem chamado “Tom-Tom” (é, o nome é ridículo mesmo), cuja namorada Tanya foi sequestrada por um terrível monstro. Em busca do amor de sua vida, o corajoso selvagem (Tom-Tom até possui uma aparência quase pré-histórica) deverá então passar por ilhas, cavernas, florestas, entre outras regiões perigosas, até chegar no esconderijo do misterioso monstro mal caráter. O modo de jogo de Wonder Boy é bem similar a da franquia Super Mario Bros, só que aqui o herói não tem como principal forma de vencer seus inimigos o ato de pular sobre eles… na verdade se ele fizer isso morre no ato! Tom-Tom tem a sua disposição afiadas machadinhas para atacar de forma letal seus adversários. Estas armas são conseguidas, de maneira curiosa (e sem nenhuma explicação lógica) dentro de ovos, que são encontrados durante as fases do jogo.

Além das machadinhas, o herói pode ainda encontrar um skate e outros itens bem úteis para o cumprimento de sua arriscada missão dentro dos diversos ovos que ficam espalhados pelas fases do game. Até mesmo uma simpática fadinha pode ser achada dentro de um dos ovos, sendo que ela é uma companhia muito útil, pois torna o herói capaz de destruir qualquer inimigo ou obstáculo que estiver em seu caminho, e ainda dá invencibilidade temporária. Enquanto a fada estiver ao seu lado, só os buracos das fases podem fazer Tom-Tom morrer.

Uma das principais características de Wonder Boy, é que ele é um jogo onde a ação deve ser contínua. No alto da tela há um medidor de tempo que vai se esgotando aos poucos até zerar, fazendo com que o jogador consequentemente perca uma vida. Para evitar que isso aconteça, o jogador deve então recolher diversas frutas e outros alimentos, que irão aparecer durante as fases. Estes itens além de restaurar o medidor de tempo, ainda dão pontos. Por conta desta “imposição”, o jogador não pode marcar bobeira, e fazer com que Tom-Tom fique sempre caminhando e correndo atrás das várias frutas que vão surgindo no decorrer das fases. O medidor de tempo só irá sumir da tela, permitindo que não seja mais necessário o recolhimento de frutas, quando o jogador for enfrentar os chefes de cada área. Neste momento, o jogador terá mesmo é que se concentrar em combater e vencer o chefão.

Cada área do jogo é dividida em 4 estágios, sendo que cada estágio ainda é dividido em 4 partes. Durante os estágios haverá placas que indicarão em que parte da fase o jogador está. Caso Tom-Tom perca uma vida na segunda parte de um estágio, por exemplo, ele continuará a partir do início da segunda parte, e não do começo de todo o estágio.

E já que estou falando em áreas do jogo, vale citar que a versão original de Wonder Boy que foi lançada para o Arcade possui sete áreas para serem vencidas pelo jogador; já a versão do Master System recebeu o acréscimo de duas áreas exclusivas, tendo assim uma maior duração. Durante o game o jogador poderá encontrar um item semelhante à uma boneca, que serve para dobrar os pontos obtidos com a finalização de cada estágio. Caso o jogador consiga recolher todas as “bonecas” espalhadas pelo jogo, ele irá habilitar uma área extra, fazendo então com que a versão do Master de Wonder Boy tenha um total de dez áreas. Esta área extra também pode ser conseguida na versão original.

Visualmente a versão de Wonder Boy do Master é bem parecida com a do Arcade. Quando um game do fliperama é levado para um sistema mais simples, normalmente a parte gráfica é a que mais “sofre”, mas felizmente este não foi o caso deste título. Apesar da versão original ser melhor, a diferença é muito pequena. Uma mudança bem perceptível entra as duas versões, é que as informações na tela da versão do Master é mais simplificada do que a do Arcade. Enquanto no original a tela mostrava o número de vidas, itens, entre outros detalhes, na versão do Master System só há a barra de tempo como visível no topo da tela. Wonder Boy traz cenários variados, onde em uma mesma área o jogador pode se deparar com diferentes tipos de terrenos. Tudo é bem colorido, com o personagem principal e os demais seres que povoam o jogo contando com uma animação básica, mas bem feita.

A parte sonora do game é bacana, com bons efeitos, mas peca pela quantidade limitada de músicas. A música que rola durante as três primeiras partes de uma área, é sempre a mesma, e por mais legal e animada que ela seja, chega uma hora que você fica de saco cheio de ter que ouvir sempre a mesma coisa. As músicas durantes as fases do jogo só mudam na quarta e última parte de uma área, quando ele ganha um tom mais sombrio, e durante as batalhas contra os chefes, onde a música muda novamente, para uma ainda mais agonizante. Até hoje não tenho certeza se a música que rola praticamente sem parar em Wonder Boy é boa mesmo, para ter ficado grudado de maneira permanente na minha cabeça, ou se isto é fruto de sua alta repetição durante o game. Se bem que normalmente, são as músicas ruins que mais grudam na nossa mente.

A jogabilidade de Wonder Boy é boa, com os comandos de ataque e pulo funcionando muito bem, sem atrasos. Mas quanto ao controle de movimento do personagem principal, esta parte merece um cuidado especial por parte do jogador. Tom-Tom infelizmente escorrega bastante quando você vai tentar mudar de direção caso esteja correndo, o que pode fazer que o jogador sem querer, faça com que o herói acabe batendo em uma pedra ou inimigo. Nas fases onde o piso é congelado, controlar o personagem torna-se uma tarefa ainda mais árdua, pois neste tipo de área Tom-Tom escorrega pra valer, e cometer um erro e perder uma vida é algo muito fácil de acontecer.

Em relação ao desafio que o game proporciona ao jogador, Wonder Boy apresenta um nível de dificuldade crescente, que vai aumentando de acordo com o avanço do jogador na aventura. Nas áreas mais avançadas o número de obstáculos e inimigos na tela aumenta consideravelmente, deixando o jogo bem, mas bem difícil mesmo, ainda mais que basta Tom-Tom simplesmente esbarrar em um inimigo ou em algum obstáculo mortal , como a famigerada fogueira, para perder uma vida. Não há pontos de vida aqui amigão, vacilou, perdeu! Em contrapartida, os chefes do final de cada área do jogo são todos muito fáceis. Este é outro ponto onde a repetição e a mesmice ocorreu no título: os chefes são praticamente iguais, só mudando a face de cada um, e um pouco a sua forma de atacar. Na verdade, Wonder Boy só traz um único chefe, que vai mudando de rosto após cada batalha perdida. E é na face o ponto fraco dos chefes, que devem receber machadadas ali sem dó! Como aqui não há problemas em relação a “munição”, pois as machadinhas são infinitas, o jogador não deve perder tempo durante o confronto com os chefes, e atacá-los de forma constante. Muitas vezes é possível eliminar um chefão sem que ele consiga dar um mero contra-ataque.

Conclusão:

Apesar de seus defeitos e pequenos problemas, Wonder Boy ainda assim é um título divertido que compensa e muito, ser jogado. Ao mesmo tempo que é bastante simples em sua forma de jogo, permitindo que qualquer um possa pegá-lo e sair jogando-o sem grandes problemas, Wonder Boy também apresenta um desafio bem alto, o que ajuda bastante a aumentar sua longevidade. É um game que tenho muito “carinho”, e como já disse, considero-o facilmente como um dos melhores títulos que joguei no meu velho e finado Master System.

Recordar é envelhecer: Wonder Boy (Master System)
Tagged on:                 

27 thoughts on “Recordar é envelhecer: Wonder Boy (Master System)

  • 05/05/2012 at 12:35 am
    Permalink

    Bem lembrado André.Falando de Arcade a aventura começava em chegar aos próprios arcades,sempre tinha uma “galerinha do mal” pedindo ficha ou dando palpite em tudo que a gente fazia na tela,he he he.
    Conheci primeiro o Adventure Island (NES) e quando pude jogar Wonder Boy percebi o quanto este é superior a “versão” Nintendista.Concordo com sua análise WB é simples,divertido e básico,talvez essa característica tenha inspirado jogos “hacks” feitos na mesma base(engine?!) de Wonder Boy.
    Sem dúvida uma ótima conversão do arcade.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 05/05/2012 at 2:23 am
    Permalink

    Ah, um primo tinha esse jogo e a gente jogava, era difícil ! A gente até brincava sobre esse lance das bonecas, dizendo: “pô, o cara se chama Tom-Tom, morre se uma castanha cair na cabeça e ainda tem que ficar procurando boneca !” hehehe.. mas esse jogo era maneiro, a gente chegava longe, mas nunca conseguíamos zerar.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 05/05/2012 at 6:50 am
    Permalink

    um bom game para jogar nesse sábado. parece que esse jogo tem três a quatro continuações, vai ser dureza zerar todos. alguns caras nas locadoras se arriscavam nele, pelo que me lembre, mas nenhum chegou a termina-lo

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 05/05/2012 at 11:10 am
    Permalink

    @Dactar

    E falando em Adventure Island, é legal notar que enquanto a série que ficou do lado da Nintendo teve games que inovaram um pouco, mas se mantiveram em sua grande maioria dentro do mesmo esquema básico do jogo do original; já a série Wonder Boy passou a ter games mais complexos, como os famosos hacks oficiais lançados aqui no Brasil, e que tiveram os personagens da Turma da Mônica no lugar dos originais. Os games passaram a ter muitas características de RPG/Adventure, algo que na série Adventure Island só foi aparecer com mais força no Adventure Island 4 (Takahashi Meijin no Bōken Jima IV), que ficou restrito no Japão.

    @aki é rock

    É bacana mesmo quando games possuem alguns segredos, como fases secretas, que só ajudam a aumentar o nosso tempo com eles. Em games bons quanto mais fases para passar melhor.

    @Marcelo

    Uuhauhauahua.. só espero que nunca seja revelado que o Tom-Tom brincava com as bonecas… 8)

    @leandro(leon belmont) alves

    A série é extensa mesmo, segue a lista:

    Wonder Boy, Monster Land, III: Monster Lair, III: The Dragon’s Trap, Monster World e Monster World IV.

    @tonshinden

    Vale muito relembrar este divertido clássico! Boa jogatina!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 05/05/2012 at 3:20 pm
    Permalink

    André Breder :Os fliperamas da década de 90 nunca foram o melhor lugar para crianças

    Realmente era lugares tenebrosos, cheio de olhares atravessados e gente tão simpática como os figurantes do clip “Beat It” do Michael Jackson. Mas era bom mesmo assim.

    Já Wonder Boy é um daqueles jogos que marcam. É simples, divertido, desafiador. E na paleta de cores do Master System o jogo fica ainda mais vivo. Acho que é um do jogos mais coloridos que eu já vi. Detestava aquela fase das nuvens, pois sempre pegava o skate e caía na água, hehe. Era de lei.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 05/05/2012 at 3:55 pm
    Permalink

    @André Breder
    Sem dúvida Turma da Mônica e Wonder Boy tem uma relação exclusiva por aqui,a Tectoy era a “menina dos olhos” da SEGA para América Latina e as conversões fizeram muito sucesso.Eu em particular nunca gostei das modificações Made-BR mas é inegável o sucesso do empreendimento Tectoy/SEGA.Nunca tive Master System,por isso esse console é sempre fonte de descobertas,via PSP claro!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 05/05/2012 at 5:14 pm
    Permalink

    André, o fliperama que tinha Wonder Boy na nossa cidade era aquele do shopping! Eu jogava ele lá pra caramba! Adorava quando o shopping abria e quando eu ia lá, adorava aquela música tema! Abraço!

    p.s. Temos que marcar uma “outra” jogatina aqui em casa! (regada a churrasco por favor, né! Vou falar com o Marcin pra ver se ele topa, blz?)

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 05/05/2012 at 8:13 pm
    Permalink

    @Onyas

    Os produtores do game colocavam o skate justo nas fases das nuvens só pra sacanear com a gente… uhauahuahuhaua… bando de canalhas! 8)

    @Dactar

    Eu como tive um Master System, conheci os outros games da série Wonder Boy que saíram para este sistema nas versões lançadas pela Tec Toy e que traziam os personagens da Turma da Mônica. Só fui saber que se tratavam de games alterados, e que eram na verdade da série Wonder Boy tempos depois, na época em que comecei a ter acesso a internet. Vivendo e aprendendo… uhauhauhaua…

    @Dirley Von Randow

    Eu lembro que vi uma máquina com Wonder Boy em um bar que ficava bem próximo de onde é o shopping hoje, e se bobear, bem antes da existência do shopping no local. Foi lá que vi também uma máquina com Vigilante, outro que virou clássico no Master System.

    E vamos ver se com um churrasco o Marcim anima a comparecer na jogatina na sua casa… uhauhauhauha…

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 05/05/2012 at 11:44 pm
    Permalink

    lembro de ter visto em um shopping também,,,joguinho simples, básico mas cheio de dificuldades,,,um dia desse eu tava jogando adventure island,,,cara só tem cara de ser jogo fácil,,,as aparências enganam mesmo!!!meus pêsames ao seu master system,,,cara sinto muito mesmo….Ainda bem que existem emuladores para quebrar o galho, esse jogo tá no meu top 10 master system jogos tectoynianos da vida…recomendo!!!geração 3D não conseguiria jogar esse jogo não, porque vc tem que enxergar o que vem pela frente,,,nesse jogo é só esquerda e direita,,,valeu, belo post e vida longa ao master system e sega,,,

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 06/05/2012 at 8:35 am
    Permalink

    Wonder Boy foi um dos primeiros cartuchos que tive no Master. Achava difícil pra caramba, nunca cheguei a terminar, porém adorava jogá-lo. A versão arcade eu só conhecí através do MAME, pois nunca ví uma máquina dessas por onde eu jogava. Na época que eu tinha migrado do Atari 2600 pro Master, esse jogo me deixou com os olhos assim ó. O^O

    Falow!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 06/05/2012 at 5:00 pm
    Permalink

    @helisonbsb

    Wonder Boy é típico game que por seu tema e visual mais infantil, acaba te enganando, e você a primeira vista pensa que vai ser um game fácil, feito para crianças… ledo engano! 8)

    @piga

    Realmente a transição do Atar 2600 pros consoles de 8 Bits foi algo que deixar os olhos arregalados! Foi um salto e tanto em termos de tecnologia, principalmente no campo visual.

    @Tandrilion “Matusalém”

    Wonder Boy é aquele game que você pode jogar a vida inteira mesmo. Mesmo que hoje existam também muitos games excelentes e divertidos, uma partida em Wonder Boy é sempre ótima.

    @walterfr

    Posso dizer que apanhei e me diverti na mesma proporção… uhauhauhau…

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 07/05/2012 at 10:05 pm
    Permalink

    Como sempre, ótimo texto. Wonder Boy é também um dos meus títulos favoritos do Master System.
    Eu também sempre achei estranho machados e skates saírem de dentro de ovos, mas ignorava isso. O que não me conformo é que o outro “power up” que sai é uma fadinha. Sério mesmo que é uma fada? Eu sempre achei que era o Super Mouse ou coisa do gênero! huahuahauahua
    Engraçado que eu lembro que consegui terminar o jogo e, mais pra frente, com emulador terminei pegando todas as bonecas (save state ajudou), mas eu não lembro do final do jogo de jeito nenhum. Ambas as situações fazem muito tempo.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 08/05/2012 at 1:02 pm
    Permalink

    @Gamer Caduco

    É de praxe todo game de plataforma ser bem “viajante”, e ter dessas coisas como ovos com itens, cogumelos que te fazem crescer, monitores com argolas douradas. etc. Com certeza a galera que faz estes games usam muitas drogas na busca de ideias originais e malucas… uahuahuahuaha… e você acha a fada parecida com o Super Mouse? Tem certeza que não jogou este game chapado??? 8)

    @Ladrhobbit

    É a mesma coisa, praticamente.

    @†Yciero†

    É, acho que ela deve curtir uma micareta daquelas… uhuahuahuah…

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 16/05/2012 at 2:16 pm
    Permalink

    Boa André, belo review.
    Demorei pra ler, devido a correria, mas li com prazer, adoro esse jogo, sou suspeito a falar.
    Como um jogo tão simples pode ser tão divertido? Fiz questão de comprar o cartucho de novo mes passado =D
    Uma coisa curiosa, é que o som do personagem morrendo é tão característico que eu parecia ouvir algo do tipo “tem catupiri, pã”… mó viagem… uhaha
    Abração.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 25/04/2014 at 6:01 pm
    Permalink

    Queria saber se esse game é “zerável” ou se ele fica no looping igual ao jogo My Hero(Master System)? Pergunto isso porque passei muitas horas jogando ele e nunca terminava. As fases pareciam se repetir, com algumas diferenças.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 16/05/2014 at 1:09 pm
    Permalink

    Brenno,

    Eu ficava mais de 2 horas jogando o Wonder Boy, não morri nenhuma vez e tinha mais de 15 vidas, porém cheguei numa fase de Nuvens que eu não passava de jeito nenhum! Chegava uma hora que ao pular de uma nuvem para outra eu não conseguia subir! Nem pegando o Skate dava certo! Se alguém souber como passava, pois nunca zerei por causa disso!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *