banner-radio_gaga1

ys3_music_cd_coverYs é um exemplo clássico de jogo meio “underdog” (ou “enjeitadinho”): todo mundo fala que ele é uma gracinha, mas oferecer um pouco de carinho que é bom, necas.

Uma das maiores franquias de RPG dos games, talvez Ys não tenha a popularidade de um Final Fantasy por ter feito carreira no igualmente enjeitado PC Engine. O console da NEC não teve o devido sucesso aqui deste lado do globo, e quem curtiu mesmo a série Ys com seu poder máximo foram os japoneses, já que as versões para consoles eram, de um modo geral, bem mais limitadas que as lançadas para o PC Engine.

Um dos pepinos que caíram no colo de Ys 3 foi a trilha sonora. Os jogos anteriores praticamente lançaram a moda dos CDs com trilhas sonoras de games. Eles tiveram suas trilhas compostas por ninguém menos que Yuzo Koshiro, um dos maiores compositores da história dos videogames, em parceria com Mieko Ishikawa. Com Koshiro fora da jogada, a “bomba” caiu sobre Ishikawa. Você deve estar pensando que a moça nem dormia à noite, certo? Pois vamos fazer deste um post musical: aperte o play aí embaixo e vá lendo.

Bom, se a dona Ishikawa dormia bem ou não no período em que compôs a trilha de Ys 3 eu não sei, mas contrariando as expectativas, e para frustração dos que já o esperavam com sete pedras nas mãos, Ishikawa fez um trabalho brilhante. As músicas de Ys 3 são, em sua maioria, no estilo rock n’ roll, com guitarras e teclados alucinados, numa levada aceleradíssima, embora as poucas baladas sejam de uma beleza incomparável. O que você está ouvindo agora é uma breve seleção de três músicas da trilha sonora original do jogo no NEC PC-8801, duas músicas mais aceleradas e uma mais lentinha, só para você ter uma ideia da qualidade do trabalho.

ys3-pcengineMelhor que isso só dois disso, e a Falcom logo pediu ao senhor Ryo Yonemitsu que remixasse algumas faixas da trilha para a versão de PC Engine. Yonemitsu já havia remixado as músicas de Koshiro para o lançamento de Ys 1 & 2 (também para o PCE), e conseguiu melhorar ainda mais o trabalho de Ishikawa. Muita gente diz que a trilha dos dois primeiros jogos é clássica, mas eu, humildemente, deixo registrado aqui que não existe coisa melhor para os seus ouvidos do que a trilha de Ys 3, especialmente a versão arranjada de Yonemitsu.

Ys 3 ganhou uma versão absolutamente desprezível para SNES, lançada pela igualmente desprezível American Sammy. A trilha sonora é certamente a maior decepção, um verdadeiro desastre, com instrumentos pouco criativos e uma produção visivelmente preguiçosa. Felizmente, a Telenet fez um excelente trabalho com a versão para o Mega Drive, e como de costume caprichou na parte sonora: contratou o mestre Noriyuki Iwadare (Lunar, Grandia, Langrisser)para adaptar a trilha, e o trabalho ficou tão bom que arrisco dizer que várias canções soam ainda melhores no Mega Drive do que no PC Engine (só não vale comparar com as versões arranjadas). A bateria, em especial, soa mais furiosa e criativa do que a original. Querem ver só? Apertem o play e continuem lendo:

Aí em cima eu separei para vocês a música “Be Careful”, em quatro versões diferentes: a primeira é a original do NEC PC-8801, a segunda é do Mega Drive, a terceira (pavorosa) é a do SNES, a quarta é a explosiva versão arranjada de Yonemitsu para o PC Engine. Ouça e tire suas próprias conclusões. Os que gostarem da versão arranjada por Yonemitsu podem ficar tentados a comprar a Perfect Collection que a Falcom lançou com outros arranjos dele para a trilha, mas eu vou logo avisando que ele não estava tão inspirado.

Ys 3 é um jogo especialmente amaldiçoado na série. Ele é meio desprezado mesmo por alguns fãs de Ys por ter mudado a visão 3/4 clássica para uma visão lateral um tanto polêmica, dentre outras coisas. Ainda assim, eu recomendo uma boa jogadinha de Ys 3 a todos vocês, não só porque eu gosto muito do jogo mas também porque a trilha já vale a pendenga toda.

A magnífica trilha sonora de Ys 3
Tagged on:             

14 thoughts on “A magnífica trilha sonora de Ys 3

  • 29/01/2009 at 11:48 pm
    Permalink

    Orakio, eu tinha visto o seu post meio por cima no leitor de RSS, e separei para poder ler com mais calma, mas acabei esquecendo. Seu lembrete pelo e-mail veio em boa hora.

    Eu gosto bastante dessas descobertas obscuras / hardcore de game music, de jogos que não estão nos holofotes (ou seja, fora dos universos Mario, Zelda, FF, Metal Gear etc.), como é o caso do Ys III. Portanto, faça o favor de fazer mais posts musicais. =P

    Meu conhecimento sonoro da série se restringia ao Ys I e II, porque daí em diante o Koshirão não mais participou tal qual você comentou. Mas depois de ouvir o álbum das originais percebi que estou cometendo um pecado em não conhecer as trilhas posteriores. Escutei algumas no álbum hard rock Falcom jdk Band 2008 Spring. Tem do Ys, Ys IV e Ys VI, mas não do Ys III. Curiosamente no show Falcom jdk Band LIVE “REBIRTH” eles tocaram a “Valestine Castle”, porém o vídeo dessa apresentação é promocional e mostra apenas um trecho da música (de 0:45 a 1:31).

    Especificamente sobre o Ys III, devorei todas as suas recomendações. As versões do Ryo Yonemitsu são insanas. Só não curti muito aquela narração em algumas faixas… =/ As versões do SNES me impressionaram negativamente. Que coisa medonha!

    Agora estou à procura de versões orquestradas, como o Symphony Ys só tem dos dois primeiros da série. A única que eu conheço é a “Wanderers from Ys” no Falcom Neo Classic From Studios In London City, mas é apenas um conjunto de cordas. Será que existe mais alguma? Tem tantos álbums da Falcom…

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 30/01/2009 at 9:32 am
    Permalink

    Olá Orakio, aqui é o Émerson, dono da comuna Ancient Ys Vanished Omen do orkut. Ótimo post, aliás contribuí indiretamente neste post, ajudei vc a arranjar os álbuns Wanderers from Ys Super Arrange Version e Perfect Collection Ys III lá na comuna msm (espero q n esteja gagá o bastante p/ ter esqcido isso XD). O Perfect Collection n é d td mal, o segundo CD tem umas versões boas, incluindo as versões cantadas na minha opinião. E vc merece um puxão d orelhas por ter escrito o nome da série erroneamente, o correto é “Ys” (dv ter esqcido pq está gagá :P). Só zerei o Ys do PC-Engine CD, o som do jogo é simplesmente espetacular.

    @Alexei

    De fato o mais comum são versões orquestradas das músicas dos primeiros dois títulos. Vou dar uma olhada nos álbuns q tenho aqui p/ ver se acho algo.

    Recomendo a vcs q joguem o remake do Ys III p/ PC, Ys -The Oath in elghana-. Esse é um daqle tipo (raro) d remake q supera o original d longe. A mecânica do jogo remete ao Ys III e V, só q em 3D e c/ mto dinamismo (inclusive as músicas). Só foi lançado no Japão, mas o Nightwolve soltou um patch d tradução p/ ele. Dpois procurem plas trilhas relacionadas, vale realmente a pena ouvi-las.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 30/01/2009 at 9:29 pm
    Permalink

    ANTIDEUS, my bad… já corrigi o título. Você, que é autoridade em Ys, sabe que esse é um erro comum por causa de alguma trapalhada que fizeram numa embalagem do Ys 1 ou algo do gênero (não lembro dessa história direito). Dez chibatadas para o Gagá!

    Vou procurar o Oath, fiquei curioso. Não sei se foi por causa das músicas, mas acabei criando um “elo” com o Ys 3, até hoje rola um saudosismo quando pego a versão do Mega Drive. E valeu pelos álbuns, eu inclusive passei para o Alexei um link para o álbum do Ys 3 que achei lá na sua comunidade do Orkut.

    Alexei, pode crer que virão mais posts. Eu gosto dessas trilhas menos incensadas, sou meio do contra.

    Quando joguei a versão do SNES eu cheguei com altas espectativas, porque eu tinha amado as músicas do Mega Drive, e sabia que o SuperNES tinha recursos sonoros muito superiores. Imagine a minha decepção quando ouvi esse negócio… pior que os gráficos também são um horror.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 01/02/2009 at 5:52 pm
    Permalink

    A trilha sonora de Ys III é muito boa. Valesteine Castle é a que mais escuto quando posso. Mas ainda prefiro To the End of the Battle de Ys II e do único sem o Adol: Genesis Beyond the beggining do Origin. Quanto às versões, curto as orquestradas e até as versões originais. Contudo, aquelas tocadas pela própria JDK Band com instrumentos de rock (como guitarra, bateria, teclado, baixo e, porque não, violino) são as que mais me chamam a atenção.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • Pingback: Gagá Games » Rádio Gagá: “Hydropolis”, Tales of Phantasia

  • 27/10/2009 at 3:01 pm
    Permalink

    Agora sim pude sentir um pouco das diferenças quanto as músicas das diferentes versões do jogo!

    Confesso estar tão acostumado ao som da versão do Super Nintendo que eu nem acho as músicas despicativas, mas de fato deixou um pouco a desejar perante as outras!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 04/09/2010 at 12:07 pm
    Permalink

    Pelo que li acima, será que posso traçar um paralelo entre o Ys III e o Phantasy Star III? Afinal de contas, ambos são considerados um pouco fora do padrão, e tem um compositor inédito, que não conseguia dormir ao tentar pelo menos se equivaler aos geniais Yuzo Koshiro e Tokuhiko Uwabo, que comporam para os jogos anteriores. E o resultado é controverso para ambos!

    De qualquer forma, não entendo como que a instrumentação da trilha de Super Nes é tão fora de contexto. O chip de som do Pc Engine tem o mesmo princípio de síntese em relação ao console da Nintendo. Vai entender…

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • Pingback: Gagá Games » Retro-rápidas: Oath in Felghana no PSP, remake de Haunted House e mais

  • 06/03/2012 at 12:08 pm
    Permalink

    Qualitativamente, sinceramente, nesse sample de quatro versões de “Be Carefull”, achei a versão de Mega pior do que as outras… Soou mais “baixa” que as demais. Mas como conheço a versão tocada “ao vivo” (sou um fã de YS III), compartilho da opinião dos demais.
    Enfim, no que diz respeito a parte técnica, considero YS III um dos jogos mais impressionantes de toda a biblioteca do MSX2, ao lado de poucos outros como Aleste 1 e 2, Fire Hawk: The First Contact, Fray, franquia Xak, Space Manbow e Fantasm Soldier 2. Jogos esses que não deixam nada a desejar aos primeiros jogos para plataformas de 16 bits.
    Ys III, por exemplo, é um jogo que apresenta todas as características de um jogo de Mega Drive ou Super Nes: Scroll Parallax em praticamente todos os cenários abertos (apesar de mais lento que nos 16 bits), gráficos chapantes e com uma quantidade inacreditável de detalhes, cenários animados… Chega ao ponto de ter mais animações que as versões de consoles mais poderosos, onde todos os personagens são espelhados, enquanto na versão de MSX2, todos eles possuem a animação correspondente ao lado para o qual estão direcionados.
    Ys III de MSX2, não fosse pela falta de scroll “liso” (grande deficiencia do MSX2), seria a melhor versão de todas. E tenho dito.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • Pingback: Gagá Games » Retro-rápidas: história da Ação Games, Shining Force em português…

  • Pingback: Remake de Ys III baratinho no Steam!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *