Foi lançada hoje a 15ª edição da revista digital Game Sênior, que traz o seguinte conteúdo:

Especial ToeJam & Earl: uma hyper matéria de capa sobre este clássico do Mega Drive.

Especial Final Fantasy: um resumo de toda a trajetória desta série lendária dos RPGs que completa 25 anos no final do ano.

Baú da Sênior: uma nova seção que sempre trará games obscuros. O destaque desta vez vai para o game US Championship VolleyBall (Arcade).

Este jogo me lembra: O Sênior Alexandre Woloski relembra o clássico Fatal Fury.

– E ainda reviews dos clássicos: World of Illusion (Mega Drive), Back to the Future – Part II & III (NES), Phantasy Star (Master System) e Dr. Chaos (NES).

A revista pode ser baixada no formato PDF direto do site oficial do Grupo Game Sênior. Bom download e boa leitura!

Décima quinta edição da revista digital Game Sênior é lançada!

16 ideias sobre “Décima quinta edição da revista digital Game Sênior é lançada!

  • 01/10/2012 em 9:29 am
    Permalink

    ATÉ QUE FIM!!!! já estava na hora de uma outra edição. mesmo sonolento aqui vou ver a revista como está. Só esperem que não puxem tanto a corda do FFVII…e bom que vai ter Phantasy Star

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 03/10/2012 em 4:47 pm
    Permalink

    Sobre a matéria do Toejam, achei legal as curiosidades apresentadas, mas também achei que tem muitos trechos mal escritos e erros. Em alguns pontos, me lembrou a Ação Games ou Super Games, que às vezes pareciam ser escritas por alguém que tinha jogado bem pouco o jogo.

    A de Phantasy Star eu achei bem legal (apesar da bateria do cartucho não ficar inserida no chip de RAM). Retratou muito bem o que senti na época (nunca tinha visto algo parecido) e a ótima visão do jogo que tenho até hoje.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 04/10/2012 em 10:15 am
    Permalink

    Otto,

    Olá Otto!

    Ficamos felizes que você tenha gostado da nova edição. Phantasy Star ficou sensacional, principalmente com a nova seção Além do Spoiler. André Breder realmente deu uma boa definição de uma experiência pós-jogo. Quanto aos erros, é um dos grandes problemas que temos, mas a cada edição iremos solucionar isto pode ter certeza.

    Um grande abraço!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 04/10/2012 em 10:27 am
    Permalink

    Bom Dia Otto.

    As críticas sempre são bem vindas e eu gostaria que os erros fossem apontados para que nós possamos corrigir no futuro, até mesmo em revistas renomadas os erros são recorrentes não é mesmo? Ninguém está livre.

    Sobre ser mal escrito, vai do ponto de vista de cada um, mas aceito sua critica e na próxima tentarei melhorar, mas lhe garanto que joguei o título zilhões de vezes no passado e mais algumas milhares de vezes antes de escrever a matéria.

    As críticas de todos sempre são bem vindas e da próxima vez tentarei melhorar cada vez mais para aumentar a qualidade da revista.

    Um grande abraço.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 04/10/2012 em 6:17 pm
    Permalink

    Oi.

    Desculpe se soou ofensivo meu comentário. Não foi minha intenção.
    Não sei se aqui é o melhor espaço para isso, nem se ainda é possível consertar (e se há interesse nisso).

    Mas alguns dos erros são: o presente promotio(n) não dá vida extra, só sobe o nível (alguns níveis é que dão vida extra – salvo engano eles são alternados), o earthling não cria necessariamente um inimigo, mas um terráqueo (pode ser caixa de correio, papai noel etc), o tomato rain não chove somente em cima da cabeça do personagem (fica claro até pelo screenshot), o food nem sempre recupera energia (às vezes vem comida ruim), não acho que a doorway possa te jogar num penhasco (nunca aconteceu comigo), o nome certo do buck é another buck, não falou do presente extra life, nem da interrogação, na parte dos ajudantes só falou que o cenourão cobra dinheiro (pareceu que os outros 2 são grátis). Podia comentar que: o togetherness só existe no modo multiplayer e o unfall no single player, se ganha pontos para subir de nível explorando o mapa e usando presentes, os presentes quando usados nos 2 jogadores duram menos tempo, algumas comidas dão mais energia que outras, o cupido pode ser morto, segurando A dá pra escapar dos inimigos dormindo e alcançar o papai noel, o dinheiro encontrado no chão vale 1, existe outra ilha secreta no mundo 1 com presentes. Não concordo quando diz que é fácil fugir do cara com cortador de grama, a parte de itens ficou estranha (a água não é um item) e faltou o telefone. Teve um ou outro erro de português, mas acho que já fui chato demais.

    A revista é ótima. Queria de novo dizer que não tive intenção de menosprezar.

    []’s

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 07/10/2012 em 8:33 pm
    Permalink

    Baixei a revista pela primeira vez devido à reportagem sobre Final Fantasy e fiquei muito decepcionado. Não só pela baixa qualidade do material reunido pelo autor na matéria, mas principalmente pela péssima redação que ele fez.
    O texto é desorganizado, pouco coeso e com vários erros bobos de ortografia. Dá até para dizer que é monótono: reparem que sempre há um parágrafo que começa com “Uma curiosidade..” na descrição dos jogos da série. Não seria melhor ter feito um tópico em destaque (como a seção de novidades) se a ideia era fazer a mesma coisa para cada jogo?
    Uma falha mais grave do autor está na parte sobre FFXI. Dizer que quem joga FFXI é um “João ninguém querendo ser alguém” (palavras do autor) é pouco ético, para dizer o mínimo.
    Aliás, coesão para ser um problema crônico da revista. Até no editorial isso acontece: “A cada ano buscamos melhorar […]. E neste ano não foi diferente. Tivemos a estréia […].”
    Espero que recebam minhas críticas de forma construtiva e que venham muitos anos de vida para a revista.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 08/10/2012 em 12:34 pm
    Permalink

    Cesar,

    Olá Cesar!

    Li seu desabafo e digo que todas as críticas são bem vindas para melhorar nosso trabalho e estou aqui para explicar qual a finalidade da revista, porque vi que foi a primeira que você baixou para ler, então você não conhece a nossa proposta. Vamos lá.

    A matéria de Final Fantasy é um “resumo” de toda a série principal para comemorar os 25 anos. Então tudo foi resumido só para lembrar como foi e o que mostrou de novidade em poucas palavras. Erros todos cometem, até você mesmo em seu comentário: “Aliás, coesão para ser um problema crônico…”. Normal, isso acontece, todo mundo está sujeito a erros. Buscamos melhorias.

    Quanto a parte em FFXI “um João Ninguém querendo ser alguém”, eu queria dar um exemplo de como é entrar pela primeira vez em um MMORPG, pois essa é a sensação que senti. Todo mundo entra no jogo começando pelo nível mais baixo e ninguém te conhece, acontece comigo e com qualquer um que se aventura nesse tipo de jogo. Todo mundo procura evolução do personagem, status e fama dentro do jogo, isso é fato!

    Finalizando, como você leu somente esta edição, baixe as outras e também leia. A Game Sênior tem o objetivo com seus textos de passar a experiência de gamer pra gamer com uma opinião (muitas vezes) mais pessoal, para que outros jogadores se identifiquem e também deem suas opinião. Não é ofensivo.

    Agradeço seu comentário e que possa sempre dar seu parecer pois ajuda bastante a gente.

    Abração rapaz.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *