bnn-lufia

Pois bem, queridos idosos frequentadores do lar do Gagá Games. Fazia tempo que eu não aparecia, né? Pois é, eu acabei perdendo DENOVO o save do Lufia 2!!!
Explico: entrei de férias, como normalmente jogo no meu trampo (trampo bão esse), os arquivos ficam todos no PC de lá. Então, ao sair de férias, tive a brilhante idéia de deletar minhas coisas lá pra que quem fosse pra lá não mexesse em nada, mas fiz um belo backup antes. Tão belo que faltou a pasta SNES no backup…..Cheguei em casa, numa segunda feira, doido pra continuar meus detonados (inclusive do Golvellius, na época) e cadê o maldito save? Só tinha um, mais antigo, acho que uns 15 levels atrás…..tive que continuar à partir dele e, HOJE, consegui alcançar aonde nós paramos com o Diário…
Então, à partir de hoje, Lufia 2 terá sua continuidade normal no blog, pretendo terminá-lo muito em breve (antes que o Gagá me dê a dispensa daqui), pois estou com umas idéias novas aí hehehehe! Esclarecidos os fatos, vamos ao jogo!

Cheguei à uma vila no sul chamada Treble. Os moradores estão em polvorosa por causa da tal luz. Mas não encontrei nada de interessante aqui. Saí e desci no mapa até chegar à mais uma cidade portuária, POTRAVIA. Comprei alguns novos equipamentos e magias novas e entrei numa espécie de fábrica, cujo dono conhece o Lexis.
Em Treble eu fiquei sabendo que aqui mora um inventor que criou o submarino, talvez seja esse cidadão. Já sacaram né? Juntar dois malucos inventores sempre sobra em construções bizarras…bom, Kirmo é o nome do cara que vai remodelar nosso navio em um submarino! E que escolha eu tinha? Diante de tudo que está acontecendo, manda bala e vamos ver no que vai dar…
A questão é que sempre acontece alguma coisa pra estragar os planos e sobra pra mim enfrentar uma dungeon, matar um chefe maldito e retornar aos planos…..roubaram o desenho do submarino do laboratório e, sem ele, nada de vingar o projeto. Quem roubou foi uma elfo, ou elfa, sei lá. Um dos moradores disse que a cidade dos elfos fica mais ao sul, vamo embora logo!
Só faltou o tal morador dizer uma coisinha: no meio do caminho pra cidade dos elfos tem uma montanha com o delicado nome de MONTANHA SEM RETORNO….
A montanha não é lá tão complicada. Na verdade, o nome dela DEVE se dar ao fato de existirem algumas estátuas que te empurram na direção contrária, não permitindo sua passagem de jeito nenhum. Com alguns macetinhos simples fica fácil de passar. Tem até uma ótima espada ali dentro, a Aqua Sword!

as tais estátuas e uma ESPADA D'ÁGUA
as tais estátuas e uma ESPADA D'ÁGUA

Saindo da caverna na montanha, achei a salafrária, mas ela saiu correndo, sendo cercada por quatro gárgulas em seguida. Eu deveria é deixar que ela se lascasse ali…..mas tive que salvá-la.

Lexis e sua chave inglesa pesada
Lexis e sua chave inglesa pesada

A luta é simples, o único cuidado é matar logo um deles, pois o ataque combinado arranca até as calças da trupe. A mina já ia falar um monte pra nós (descobri que os elfos não vão muito com a cara dos humanos), mas nessa hora surge Artea, uma espécie de líder deles e dá a maior bronca na fedelha. Ela admite que roubou os planos do laboratório pois estava com medo que as invenções poluíssem tudo por ali…Artea pede pra ela entregar os papéis, pois uma coisa não justifica outra e blábláblá…Lexis promete que vai reformular o submarino para que ele não polua nada. Depois que tudo estava acertado, surgem dois elfos dizendo que uma bola de energia está próxima do vilarejo dos Elfos !!!

OMG!! E agora ???? Agora nada, agora vou dar uma descansada, talvez amanhã eu volte com a próxima etapa do jogo :D!

Diário de Bord: Lufia II Rise of the Sinistrals, 25/02/2010
Tagged on:                     

3 thoughts on “Diário de Bord: Lufia II Rise of the Sinistrals, 25/02/2010

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *