Estou prestes a participar de um jantar oferecido por Duke Mercator, prefeito de Mercator e nobre guerreiro que está convocando heróis renomados de regiões próximas para algum motivo especial, que provavelmente será revelado agora. Antes, porém, sou levado até um quarto onde poderei descansar até que a cerimônia esteja pronta. Mas eu é que não vou ficar parado aqui, é hora de explorar um pouco o castelo!

Não encontrei muita coisa interessante no castelo, mas pelo menos um LIFE STOCK eu achei na cozinha do mesmo. Na área de treinamento dos soldados encontrei Arthur, o mesmo que permitiu minha entrada no castelo (lembram? Madame Yard, etc…). Conversei com ele e finalmente fomos para o tal jantar saber das intenções do Duke.

Duke começa dizendo sobre o tal mago, chamado Mir, que está conseguindo tirar todo o tesouro de Mercator e ameaçando as pessoas do local. Duke já cansou de enviar tropas e mais tropas de soldados até lá, mas de nada adianta perto do poder do mago. Então ele resolveu escolher os melhores guerreiros locais para tentar destruir Mir de uma vez por todas. Como recompensa, o prefeito de Mercator oferece uma importante jóia do reinado chamada Golan Emerald, que, por sinal, é uma das jóias que o mapa de Golan mostrava…

Só que um estranho evento ocorreu durante o jantar. Duke pede para chamar Ludwig, um pianista e compositor famoso da região. Após apresentar sua última música, Duke pergunta qual a inspiração para a bela canção e Ludwig diz que sua fonte de inspiração é a Princesa Lara, de Maple. Aproveita ainda para perguntar se Duke sabe do paradeiro da moça, o que acabou por (estranhamente) irritar Duke, que ordena que um de seus guardas retire Ludwig do local. Eu ouvi uma conversa sobre essa mulher na cidade, mas achei irrelevante na hora. Pelo visto ela tem um papel importante na história…

Ludwig deixa Duke nervoso ao questionar sobre a Princesa Lara…

Após Duke sair da sala de jantar, conversei com seu acessor que me contou que a torre onde Mir mora está protegida por uma barreira mágica. Arthur parece ter mais informações à respeito, então, fui para sala de treinamento dos soldados atrás dele. Arthur disse que é preciso um bracelete para poder atravessar a barreira, só que o tal bracelete está em uma cripta no subsolo. Arthur já enviou alguns soldados para lá, mas nenhum voltou para dar notícias… Sem nenhuma outra opção, voltei ao quarto e Nigel adormeceu. No meio da noite, Friday o acordou para dizer o quanto está feliz por tê-lo conhecido e estar viajando ao seu lado, mas que gostaria de saber o que o herói vai fazer depois de tudo isso… Nigel, que está no décimo sono, mal escuta o que a fadinha tem a dizer…

Arthur me advertindo e Friday falando com a parede

A entrada para a cripta fica próxima da igreja, segundo Arthur. O único local ali que pode ser suspeito é uma casinha atrás da igreja. Mas antes, dei uma passada na loja dali pra comprar algum eventual item antes de partir pra próxima dungeon. Uma das lojas estava vazia, seu dono se encontrava deitado no fundo da loja e me pediu uma opinião: abrir uma loja de artigos ou uma farmácia. Escolhi artigos e saí de lá. Cheguei lá na casinha atrás da igreja e já notei algumas pessoas próximas da casa. Entrei vi o alçapão aberto, vamos ver do que se trata essa tal cripta agora!

O local é dividido em diversas CELAS onde nomes diferentes estão escritos. Cada uma das cela tem uma espécie de puzzle para ser resolvido e, como são muitas, ficaria muito extenso relatar uma por uma. A maioria delas é simples e envolve matar monstros, esperar algo acontecer permanecendo imóvel ou usar elementos do cenário como bolas ou botões. Assim que passar pro outro lado com a ajuda da balsa e do monstro, há mais um LIFE STOCK no alto. Agora vem mais dois desafios, sendo que em um Dexter está louco pra resolver e sumir dali para ganhar o tesouro de Duke. A cena é hilária, com Dexter sendo torrado vivo pela chama que percorre o chão. A pressa é realmente inimiga da perfeição…

Após guiar o foguinho pra porta (bastou ficar na parte alta), vem o último desafio: matar o inimigo invisível que controla uma múmia. Com o Armlet finalmente nas minhas mãos, é hora de vazar desse lugar maldito. Usei a balsa novamente (o monstro até se espantou por Nigel ter saído vivo de lá) e subi até a cidade. De lá, parti pro porto do local, onde encontrei um homem que envia itens pra loja, exatamente a loja que ajudei o homem a retomar. Aproveitei e comprei algumas coisinhas.

finalmente….

Seguindo ao norte do porto, encontrei o caminho para torre de Mir, ao sul. No caminho já encontrei diversos “novos” inimigos (“novos” porque só mudaram a cor deles), entre alguns realmente novos, como o esqueleto. Algumas áreas estão escondidas atrás de pinheiros que eu, por algum motivo (nem com a espada de fogo), consigo destruir. Enfim, segui a trilha e cheguei na tal torre. Nigel usou o bracelete e ganhei acesso à mesma.

enfim, a entrada da Torre de Mir

Semana que vem eu volto contando como foi atravessar esse lugar! Até lá!

Diário de Bordo: Landstalker, parte 7
Tags:     

6 ideias sobre “Diário de Bordo: Landstalker, parte 7

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *