Olá amigos leitores do Gagá Games! Aqui é o retrogamer André Breder trazendo até vocês mais uma edição do Recordar é envelhecer! Hoje vou lembrar um game de plataforma lançado originalmente para o Mega Drive que chamou muito atenção na época em que ele saiu, principalmente por trazer um visual até então inédito para o console: Aladdin! Tenham todos uma boa leitura e até o próximo Sábado!

Introdução:

Games baseados em filmes quase sempre tem um resultado nada satisfatório, mas é bom perceber que a mesma regra não ocorre com os games que são baseados nos longas animados da Disney, ou mesmo nos jogos que contém seus personagens famosos como Mickey e Donald. Após eu ter jogado bons títulos como Castle of Illusion e The Lucky Dime Caper no meu velho Master System, eu me acostumei em sempre esperar por games de qualidade por trás da Disney. E para minha total felicidade, sempre que eu jogava algo que trazia o famoso logotipo desta empresa, ficava feliz por estar me divertindo em mais um game muito bacana.

No final de 1993 foi lançado mais um game excelente de uma animação da Disney para o Mega Drive, que chamou a atenção de todos principalmente por sua incrível (para a época, claro) qualidade visual: Aladdin era baseado no longa de mesmo nome que havia sido lançado nos cinemas de todo o mundo, praticamente um ano antes do game. Nesta época eu já não ligava para os desenhos ou filmes da Disney, mesmo que só tivesse 13 anos, mas sabia que em relação a um game feito com a permissão desta grande empresa, dificilmente eu iria me arrepender em dar uma conferida. Dito e feito! Mesmo que tenha demorado um pouco, ao jogar Aladdin pude comprovar que a Disney continuava acertando em cheio quando o assunto era games de plataforma!

Sobre o game:

Aladdin do Mega Drive possui uma trama muito próxima da que é vista no famoso longa (acabei vendo o desenho anos depois, para comprovar isso, quando já era adulto o suficiente para não ter preconceitos bobos em relação aos desenhos da Disney), e logo de cara põe o jogador no controle do ladrão “do bem” Aladdin, aprontando mais uma das suas nas ruas do reino de Agrabah. Vendo as habilidades do jovem, o maléfico Jafar chega a conclusão que Aladdin é o único que pode entrar na perigosa caverna que guarda a lendária lâmpada mágica, e ser capaz de sair de lá com vida e de posse do objeto sagrado. No decorrer da aventura, Aladdin acaba descobrindo as más intenções de Jafar, que deseja se casar com a bela princesa Jasmine à força, para então poder tomar o controle de todo o reino de Agrabah. Como um bom moço que é, e também por estar apaixonado pela princesa, Aladdin fará de tudo para livrar Jasmine das mãos do asqueroso Jafar.

Aladdin não chega a representar uma revolução no gênero ação/plataforma, mas é mais uma amostra de um ótimo game deste tipo e que traz também suas pecularidades. Uma delas é que não existe um contador de tempo durante a atravessia pelos estágios. Marca registrada em outros games do gênero, e que obrigam o jogador a ter uma maior rapidez na passagem das fases, em Aladdin o jogador pode explorar cada estágio do título de uma maneira mais tranquila, sem pressa. Isto ajuda o jogador na busca pelos diversos itens que ele encontrará na aventura, e que irão garantir alguns bônus no final de cada fase ou mesmo durante a mesma. Ao pegar, por exemplo, um item que representa a face azul do sorridente Gênio, Aladdin irá participar após o término de uma fase, de uma espécie de roleta da sorte, onde pode ganhar itens importantes e até mesmo vidas extras. Outro item que garante um divertido bônus é o que possui a face do simpático símio Abu, e que permite que o jogador possa controlá-lo em uma fase bônus.

Aladdin possui vários inimigos que estarão em seu caminho nas fases, e para vencê-los terá duas armas principais: uma afiada espada scimitar e… maçãs. É engraçado notar que ao mesmo tempo que no game os produtores tenham colocado uma arma de verdade para o protagonista, por outro lado resolveram “amenizar” as coisas, ao permitir que o mesmo também possa derrotar seus adversários ao jogar neles simples maçãs. Mesmo que Aladdin utilize uma arma cortante e também algum de seus inimigos, o que faz com que ocorram duelos que lembram um pouco o que foi visto no clássico Prince of Persia, este é um jogo da Disney acima de tudo (mesmo que ele tenha sido desenvolvido pela Virgin Interactive), então não há sangue jorrando por aqui, sendo que os inimigos ao serem vencidos somem da tela virando fumaça, e não em um monte de pedaços voando pela tela.

A existência de dois tipos de armas principais para o protagonista do jogo garante então, duas formas diferentes de atacar, que são ataques de perto (com a espada) ou ataques à distância (com as maçãs). Como é bem mais fácil, e também mais seguro, atacar os inimigos com as maçãs, seu uso no game é limitado: ao iniciar o game o jogador tem apenas 10 maçãs a sua disposição, e terá então que procurar por maçãs extras, que são encontradas ao longo das fases. As maçãs podem ser, todavia, acumuladas em até 99 unidades, caso o jogador prefira utilizá-las com cautela ou mesmo não usá-las durante o jogo.

A parte visual do game é a que mais chamou, e ainda chama, a atenção: o nível de detalhes é enorme, com cenários literalmente vibrantes e com a utilização correta das cores, tornando o título muito próximo do visual arrebatador do desenho animado em que ele foi baseado. Desde Castle of Illusion, a Disney soube transpor seus personagens com perfeição para os consoles da SEGA, e em Aladdin isto também ocorre, só que em um nível muito acima do esperado, tendo conseguido então superar todos os outros títulos lançados anteriormente pela empresa do Mickey Mouse. A excelente animação do título também é outro aspecto que deixa o jogador de boca aberta. Os personagens possuem movimentos tão reais, que você até custa a acreditar que está no controle de um game ao invés de um desenho animado interativo. Mantendo o clima infantil e de bom humor do desenho animado, temos animações das mais diversas para os vários adversários de Aladdin no game, algumas tão divertidas e bem boladas que podem até fazer com que o jogador solte boas gargalhadas durante a jogatina.

Em termos sonoros o game também é brilhante, trazendo efeitos que são bem característicos em um game do tipo: todo som possui um clima bem infantil e leve, e para deixar tudo ainda melhor, há também a presença de algumas vozes digitalizadas, tanto para o protagonista, quanto para alguns dos inimigos. Mesmo que tudo se resuma no final das contas em alguns “grunidos” ou frases curtas como “C’mon!”, esta última dita por alguns dos guardas de Jafar, na época estes detalhes faziam a diferença, e davam mais vida ao game. A trilha sonora do jogo é dividida entre versões de temas que também apareceram no desenho, e outras músicas que foram compostas especialmente para o game. Os temas são todos bem variados, e se adequam de forma perfeita nas diversas situações do jogo: temos temas agitados, lentos e alguns que chegam a ter uma sonoridade épica, fazendo com que o jogador possa sentir todo o clima de aventura de Aladdin! Destaque para o tema “Prince Ali”, na minha opinião a melhor música presente no título.

A jogabilidade é uma das melhores que já vi em um jogo de plataforma do Mega Drive, com todos os comandos fluindo que é uma beleza! Aladdin pode fazer muitos movimentos durante o jogo, como pular, atirar maçãs, usar a espada, subir ou descer cordas, entre outros. No game, o personagem é tão habilidoso quanto sua encarnação no desenho animado.

Sobre a dificuldade do título, há três níveis que podem ser escolhidos pelo jogador no menu de opções: “Practice”, “Normal” e “Difficult”. Jogando no modo padrão, o game apresenta um desafio moderado, com algumas fases que podem complicar as coisas um pouco (como a etapa do tapete voador, que até lembra um pouco a fase “Wind Tunnel” do dificílimo Battletoads). Em certos estágios algumas plataformas são complicadas de serem alcançadas, requerendo que o jogador tenha precisão ao executar saltos mais longos. Já em outras alguns inimigos são tão “petulantes”, que podem até fazer com que o jogador passe um pouco de raiva. Mas mesmo com todas essas adversidades, Aladdin está longe de ser um game impossível de terminar. Durante a aventura muitos bônus estão disponíveis, e dão a chance do jogador de acumular várias vidas extras. Até mesmo durante as fases do jogo existem lojinhas que vendem vidas e também “continues”, que são comprados por meios dos rubis que são coletados durante os estágios. Tudo isto ajuda a tornar o título bem mais fácil. As batalhas contra os chefes são todas fáceis, exceto a derradeira luta contra o maquiavélico Jafar, que talvez seja a verdadeira parte mais difícil do game.

Conclusão:

Aladdin é, na minha opinião, um dos melhores games de plataforma da geração dos consoles de 16 Bits. O jogo reúne em um só pacote tantas qualidades técnicas, que só isso já era suficiente para no mínimo, fazer com que qualquer jogador tenha respeito e admiração por ele. Mas para alegria daqueles que puderam jogá-lo, Aladdin se mostra ainda um game muito divertido, e com um fator “replay” alto. Bons tempos em que a parceria Disney e SEGA estremecia o mundo dos games…

Recordar é envelhecer: Aladdin (Mega Drive)
Tagged on:                     

27 thoughts on “Recordar é envelhecer: Aladdin (Mega Drive)

  • 29/10/2011 at 6:05 am
    Permalink

    já joguei muito Aladdin,foi o primeiro game da disney que já joguei. tanto o do Mega Drive,quanto o do Snes. e em ambos,nunca passava da fase do tapete. só agora com os emuladores,finalmente consegui zerar Aladdin.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 29/10/2011 at 2:56 pm
    Permalink

    André, parabéns pelo post, muito bom!
    Aladdin é um game incrível mesmo, tudo que você falou sobre ele eu concordo plenamente. O Fator replay é indiscutível (jogo ele até hoje no Wii e Dingoo).
    O Aladdin do Snes, do Master e do Nes também são ótimos. Realmente a parceria Sega e Disney (ou Capcom e Dysney no caso da Nintendo) era maravilhosa, os jogos inesquecíveis (diferente dos games horríveis baseados nos desenhos que saem atualmente…).
    Grande Alladin, com certeza um dos melhores games do Mega Drive!!!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 29/10/2011 at 5:22 pm
    Permalink

    Rapaz, esse jogo me divertiu absurdos – além de me deixar muito bravo pois, como jogador ruim que eu era então, achava tudo muito difícil hehehehe. Curiosamente o de computador, no teclado, eu conseguia zerar com mais facilidade ¬¬.
    Bons tempos realmente!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 29/10/2011 at 6:27 pm
    Permalink

    Aladin impressiona pelos gráficos mas também pelos efeitos sonoros e detalhes muito bem humorados que permeiam todas as fases.Na fase 2 no Deserto,por exemplo,a gente vê logo no início “um varal” entre duas palmeiras onde está estendido um calção,um tapete e…adivinha um “chapéu” preto com duas orelhas grandes,uma citação direta e bem humorada ao rato mais famoso do planeta.
    Humor em Aladin,está em todas as partes…
    observe em 0:59

    http://migre.me/61k1y

    É gostoso jogar Aladin,mesmo as fases que oferecem maior desafio e dificuldade a gente joga com gosto,porque a jogabilidade e o design das fases premia o jogador e o incetiva a jogar mais e mais,por outro lado tem muito jogo por aí que pune o player,com um péssimo gameplay e fases horrorosas,mas isso definitivamente não acontece por aqui,seu texto mais uma vez está impecável André, em poucas linhas,mesmo o cara que nunca jogou Aladin na vida,vai entender bem o clima do jogo.

    Essa frase sua me fez congelar…
    “mesmo que só tivesse 13 anos, mas sabia que em relação a um game feito com a permissão desta grande empresa, dificilmente eu iria me arrepender…”
    Caramba,André é exatamente isso que eu penso em relação a Disney,não vou acrescentar mais nada por aqui.Perfect!

    outra:
    “(como a etapa do tapete voador, que até lembra um pouco a fase “Wind Tunnel” do dificílimo Battletoads)”
    Ainda bem que você disse “lembra um pouco…” porque na minha opinião Battletoads tem 3 níveis de dificuldade:
    1-Difícil
    2-Muito Foda
    3-Bruce Lee and Chuck Norris Only
    🙂

    NÃO GOSTO DA DISNEY MAS ADORO JOGAR COM TIO PATINHAS…

    Nunca gostei da Disney(essa postura já me rendeu muita hostillidade e estranhamento em eventos sociais,como ir ao cinema,mas isso é outra história…).Respeito essa empresa que transformou o entretenimento mundial com personagens que marcaram a vida de gerações mas,nunca seus personagens me atraíram ao ponto de eu espontaneamente ir buscar assistir seus desenhos.É claro que conheço alguma coisa de Mickey,Donald e Cia. é impossível se isolar da avalanche cultural Disney,só vivendo embaixo de uma pedra e olha lá,mas o ponto é o seguinte:
    Sempre gostei DOS GAMES DA Disney,paradoxalmente ignorei solenemente todo e qualquer produto Disney,exceto seus GAMES.
    A impressão que tenho é que seus personagens são extremamente compatíveis com jogos de plataforma de tal modo que se tornam independentes de sua origem dos desenhos.Seus jogos ficam muito bons e isso sempre me agradou.Não é um privilégio da SEGA a Nintendo também quando fez ,por exemplo,DuckTales(NES) acertou em cheio produzindo um ótimo plataforma.
    Apenas especulando…se a Disney conseguisse entrar no mercado de consoles no início dos anos 90,com uma fusão com outra empresa ou algo do tipo,ela teria uma boa chance de se tornar um monstro devorador de Mários e Sonics e provavelmente o Playstation e o XBOX jamais teriam existido.Pelo menos não da forma que conhecemos.

    André mais uma vez,parabéns pelo post.Fera como sempre!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 29/10/2011 at 11:28 pm
    Permalink

    Infelizmente só tive a oportunidade de jogar a versão do SNES (tenho o cartucho de Super Famicom do jogo aqui em casa), parece-me que essa versão é mais atrativa. Realmente queria ver os guardinhas falando, os chefes e ele utilizando a espada!

    Vou fazer como fiz no SNES e esperar para jogar no console, o jogo não é muito caro mesmo. =)

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 30/10/2011 at 8:59 am
    Permalink

    Eita saudade boa… esse André sempre traz pra gente boas lembranças dos 8 e 16 bits. Parabéns (de novo xD) pela ótima análise deste ótimo game,cara!!!
    Esse, pra mim, é um dos mais bem feitos jogos de Mega, sem dúvida alguma. Movimentação fluída, design das fases excelente, músicas q vc fica cantarolando depois (o tema do filme na 4º fase) e controles muito bons. Souberam aproveitar bem o HW do MD, meio q levando ele ao “extremo”. Disney ruleando nos games naquela época como sempre… Muito bom!!!
    Essa versão é igual ao do PC msm, já em relação ao Amiga eu não sei. As outras versões são boas tbm (lembrando q a do SNES foi a Capcom q fez, assim como alguns jogos DISNEY do NES), só mudando a dificuldade (a do Master eu acho mais dificil).
    Já eu sou um cara q cresci (e leio até hj) quadrinhos Disney, sempre tendo uma “queda” pelas aventuras dos patos. Tanto q eu lembro q fiquei contentasso quando eu vi Quackshot e World of Illusion, grandes títulos Disney tanto com o pato quanto com o rato. E dificilmente eu me decepcionei com eles, mais ou menos quando eu lia um “Tio Patinhas” ou um “Mickey” (apesar de eu gostar mais do Pateta xD). Já dos filmes eu não gostava tanto não, mas pelo menos os games eram muito bons.
    Abraços.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 30/10/2011 at 9:17 am
    Permalink

    Alladin do Mega era espetacular, e o que mais chamava atenção mesmo eram os gráficos: lembro que li numa das revistas de games de época que a Virgin Games contou com a colaboração dos animadores do filme para a produção do game. Outra coisa bacana é que o uso das cores (e o MD tinha uma paleta relativamente limitada) deixava o jogo visualmente mais fiel ao desenho do que a versão do SNES. Pelo menos era essa a impressão que eu tinha.

    Mas é claro que nada adiantava um visual espetacular se Alladin não fosse um game divertido de se jogar, e ele era bem bacana, apesar de não revolucionar o gênero. Era um “arroz-com-feijão” muitíssimo bem preparado.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 31/10/2011 at 9:19 am
    Permalink

    André hoje vou fazer meu momento truque Konami:

    La vai:

    Esse jogo tem um cheat escondido
    entre no options (tela de opções) e digite o seguinte comando:
    A,C,A,C,A,C,A,C,B,B,B,B.

    Feito isso aparecerá a cara de um dos programadores falando qual é o seu desejo e tera opções secretas como seleção de fases, invencibilidade entre outras.

    Este é um jogo muito bom,mas detesto essa empresa,mas não falarei o motivo pois fugiria do foco gamistico, mas seus jogos dessa é epoca eram muito bacanas,tanto que finalizei muitos titulos dessa empresa.

    Post Animal Andre e obrigado pelo espaço.

    Ulisses Old Gamer 78

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 02/11/2011 at 4:15 am
    Permalink

    Não desmerecendo a versão do Super Nintendo,esse Alladin do Mega Drive é soberbo.Provando que um console 2 anos mais velho que sua rival,tinha poder para encara-lo de frente.

    Um trabalho primoroso onde a saudosa SEGA Enterprises contratou os profissionais do desenho/filme para fazer parte do time.Resultado:Um jogo competente,divertido e muito mais fiel ao do Snes.

    Foram anos de magia no auge da maior guerra de consoles já travada.

    Viva a geração 16 bits.

    Como gostaria que a SEGA voltasse a produzir consoles…penso nisso muito.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 02/11/2011 at 5:45 pm
    Permalink

    Dr_Venom :
    @Rodrigo
    Similar, mas as versões Amiga e PC tem mais cores e músicas melhores (principalmente no Amiga).

    sim, tem algumas diferenças técnicas mas é o mesmo jogo, portado para 3 plataformas!!!

    PS: é feito pela Virgin e não pela SEGA. E a do Snes é da Capcom, por isso que é bem diferente.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *