Alô, som, testando…

Gagamaniacos, old gamers, ou qualquer pessoa que goste de jogos de video-game. Este post é um PrOSTesto de um Bangagá cujo sonho senil foi esmagado pela maior fornecedora de sonhos da história. O mais novo video de Crimson Echoes.

Vejam amigos, vejam o que a Square negou para nós. Para todos nós.

Isso não se faz com um velhinho… Isso não se faz com ninguém.

(toma os remédios para pressão)

Escutem os Ecos do Carmesim!!!
Tags:                         

18 ideias sobre “Escutem os Ecos do Carmesim!!!

  • 29/05/2009 em 10:38 am
    Permalink

    Sabem o que falta hoje na maioria dos jogos?
    Criatividade!
    Muito gráfico, muita música mas e história? Cadê aqueles jogos que nos faziam perder o folego quando chegavam nas locadoras? Cadê a magia embutida nos cartuchos, a felicidade em pinos?

    Esse grupo passou 5 anos trabalhando. Eu disse TRABALHANDO, por que 35 horas de jogo e 10 finais não é nada mole não. Para fazer uma homenagem. Todo mundo aqui é ocupado e tem que trabalhar para ter o seu lugar, mas eles, sem ganhar um unico tostão se derão o trabalho de fazer esse jogo incrível e a Square pisa em cima deles com uma bota gigante de Rainbow!

    CT foi meu primeiro RPG do SNES (o primeiro mesmo foi Phantasy Star, do master) e esperei muitos anos para ver este jogo, mas uma empresa quadrada que gira parada em torno de si mesma acabou de pisar e fazer pouco disso!

    E eu sei que não sou o único! Se CT DS fosse como um Crimson Echoes, eu tinha certeza que eles teriam vendido o triplo!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 29/05/2009 em 11:04 am
    Permalink

    A Square não é quadrada, é son of a bitch mesmo!
    Empresinha de latão que se acha de ouro essa Square…
    Minha série de rpg favorito é Phantasy Star, nunca vi nada demais na série Final Fantasy.
    Mas não tem como não ser fã de Chrono Trigger, o jogo é bom demais!
    Muito melhor que esses novos jogos da empresa quadrada…

    E bem dito, Bangagá, a criatividade está quase morta nos jogos de hoje.
    Adeus jogos emocionantes como Phantasy Star, Wonder Boy, Chrono Trigger.
    Bem vindos GTAs, Tony Hawks e duzentos jogos de guerra diferentes.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 29/05/2009 em 2:51 pm
    Permalink

    Concordo com o Bangagá,afinal, hj em dia priorizam graficos, por isso sou fã retro,rs… po, não ia ser legal um remake d jogos antigos em HD como fizeram com Street Fighter? o jogo normal com um grafico melhorado, massem detonar ele…

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 29/05/2009 em 6:41 pm
    Permalink

    Outra vez essa “choração” sobre a Square ser uma empresa com punhos de aço (pra não falar outra coisa), e que não permite nem mesmo que hacks de seus games sejam feitos? Vocês todos estão muito ranzinzas pro meu gosto… uhauhauahua….

    Pô, Chrono Trigger é legal, mas existem no universo dos games vários outros RPGs bem bacanas também, inclusive os que foram criados pela própria Square para alguns consoles das gerações mais recentes…

    ** Se esquivando das pedras que são arremassadas na minha direção pelos retrogamers mais fanáticos **

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 29/05/2009 em 9:42 pm
    Permalink

    Então Caduco, o que você acha? Que devemos aceitar caladinhos a decisão da Square ou deveriamos demonstrar o que sentimos para ela e tentar talvez reverter essa situação? Ou qual seria sua opinião sobre isso? A minha é a segunda opção!
    E ranzinza é a vovózinha ouviu? X-P

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 30/05/2009 em 2:51 am
    Permalink

    Kal “Bangagá” :
    Então Caduco, o que você acha? Que devemos aceitar caladinhos a decisão da Square ou deveriamos demonstrar o que sentimos para ela e tentar talvez reverter essa situação? Ou qual seria sua opinião sobre isso? A minha é a segunda opção!

    Bangagá, por mim vocês podem fazer o que bem entenderem, cada um é livre para se expressar da maneira que bem entender. Mas da mesma maneira que eu acho que vocês tem todo o direito de expressarem suas respectivas opiniões, eu também me acho no direito de expressar a minha.

    E na minha visão é pura perda de tempo e energia ficar “revoltado” com as decisões que uma empresa como a Square toma em relação aos seus jogos. E mesmo achando que ela poderia ser mais amena, e liberar que os fãs possam fazer seus “Chrono Triggers” não oficiais, também não consigo dizer que ela está errada em fazer essas proibições, pois os direitos sobre a história, nome, personagens, etc, são dela, e se a Square não dá permissão para que projetos de fãs possam ser feitos, ela está agindo dentro dos seus direitos legais, doa a quem doer.

    Os fãs podem reclamar, xingar e espenear por isso? Claro que podem, mas eu continuo achando isso perda de tempo e energia, pois eu acredito piamente que nem mesmo uma mobilização em massa dos fãs faria a Square mudar seus atos em relação aos hacks e games feitos por fãs que se utilizam de nomes ou marcas registradas da empresa.

    E sinceramente, esqueçam um pouco de Chrono Trigger. O jogo é excelente, marcou época,etc, mas existem outros RPGs tão bons quanto ele por aí.

    Kal “Bangagá” :
    Sabem o que falta hoje na maioria dos jogos?
    Criatividade!
    Muito gráfico, muita música mas e história? Cadê aqueles jogos que nos faziam perder o folego quando chegavam nas locadoras? Cadê a magia embutida nos cartuchos, a felicidade em pinos?

    E neste ponto eu discordo totalmente de você. Games do gênero RPG mais atuais como Dragon Quest VIII ou Final Fantasy XII (ambos da Square-Enix) demonstram que os produtores continuam sim, bem criativos quanto a criação de games do gênero (isso na minha opinião lógico, e também na opinião de outros gamers, pois os mesmos venderam milhões de cópias).

    Na minha visão não são somente games com gráficos e som de primeira qualidade, mas que também possuem uma história muito boa, que me prenderam do início ao fim. Nesses dois games que citei, eu passei mais de 80 horas jogando cada um deles para poder chegar no final dos mesmos, bem mais tempo do que eu gastei ao jogar o Chrono Trigger, por exemplo, que terminei com a metade desse tempo. Ou seja, em termos de entreterimento eles não ficaram devendo em nada para este grande clássico, pelo contrário, chegaram a me empolgar ainda mais. Se você caro “Bangagá”, não vê nos games atuais jogos de “perder o fôlego”, isto é uma opinião sua, e eu a respeito, claro, mas eu tenho tido uma experiência totalmente contrária em relação a sua, pois muitos games mais atuais tem me divertido em uma proporção bem semelhante a dos games mais clássicos. Gosto é algo que não se discute, mas na minha opinião existem games excelentes e que devem ser jogados tanto no grupo de games antigos, quanto no grupo dos games mais recentes.

    Em relação a “a magia embutida nos cartuchos”, vale lembrar que a grande Nintendo tentou prolongar a vida deste formato no passado (com seu excelente console Nintendo 64), mas viu que mudar para uma nova tecnologia era um caminho praticamente obrigatório para fazer jogos cada vez melhores, ou pelo menos, com os mesmos recursos daqueles que utilizam mídias com maior espaço de armazenamento de dados, como o CD ou o DVD. O tempo da “felicidade em pinos” ficou pra trás e não volta mais.

    Kal “Bangagá” :
    E ranzinza é a vovózinha ouviu? X-P

    Em relação a colocar os parentes no meio das nossas brincadeiras não é algo tão legal de ser feito na minha visão. Pois no meu caso tanta minha avó paterna quanto a materna, já faleceram, portanto já deixaram de ser “ranzinzas” há um bom tempo.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 30/05/2009 em 2:30 pm
    Permalink

    Olá Caduco. Como vai?
    Não quis dizer que era sua avó meu caro, nem a conheço(se quisesse dizer isso, eu diria “sua avó´´). Na verdade você é a primeira pessoa que eu vi ficando chateado por ouvir uma expressão dessa. Peço desculpas por tê-lo ofendido, e garanta que, SE você quiser, eu jamais irei fazer qualquer brincadeira com você, ok? Em um outro post você fez uma brincadeira comigo e o Gagá, tirando sarro e me senti a vontade de poder fazer o mesmo, mas pelo visto é melhor manter o formalismo até a sua resposta.

    Agora sobre o que você disse ´´O tempo da “felicidade em pinos” ficou pra trás e não volta mais.“ Acho que você está enganado. Esse tempo continua vivo hoje. Pier Solar prova que mesmo em um mercado grande e com jogos de gráficos de ponta, um jogo de “Pinos´´ pode ser feito. E vendido. Existe muita gente fazendo jogos no RPG maker, que não tem Pinos, mas tem os gráficos daquela época em que íamos jogar na locadora da esquina, e tem uns com histórias fantásticas.
    Eu joguei o FFXII e achei muito fraco, assim como muita gente também achou. Para mim, CT, com seus graficos antigos e som de midi, brilha muito mais! Mas essa é a minha opinião ^_^, é igual uma parte do corpo humano, cada um tem o seu. Assim como joguei Valkyrie Profile do DS e achei um jogão IRADO.
    É isso! Tenham bons jogos!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 30/05/2009 em 3:14 pm
    Permalink

    Vixe, como vocês são estressados! Enfermeira, traz o remédio desses velhacos!

    Já diz o ditado, “o que seria da Sony se todos gostassem da Nintendo?” 🙂 Normal, tem gente que acha que os jogos modernos não têm mais aquela magia. Outros acham que depois do fim dos 70 nunca mais apareceu uma boa banda de rock n’ roll. É questão de ponto de vista.

    Bangagá, tira o dedo do olho esquerdo do Caduco! Internet é fogo, a gente escreve as coisas mas não tem como dar tom às palavras, então parece que estamos sendo agressivos. O comentário do Caduco pode ter parecido um pouco agressivo, e eu diria que ele não se expressou bem, mas ele é um bom velhinho e certamente não teve a intenção de ofender ao falar em “choração”. É coisa de internet mesmo, a intenção não foi ruim.

    Caduco, devolve a dentadura do Bangagá! Quando ele falou em vovozinha só quis usar uma expressão brincalhona, que todo mundo usa. Se ele soubesse que sua avó era falecida, certamente não teria brincado. Note que ele botou um risinho depois… mais uma vez, o tom do “caladinhos” do Bangagá pode ter soado agressivo. Relaxa, que é tudo na amizade.

    E façam logo as pazes, que mais tarde tem campeonato de bafo no asilo e eu quero ver todo mundo brincando junto 🙂

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 30/05/2009 em 4:43 pm
    Permalink

    Kal “Bangagá” :
    Olá Caduco. Como vai?
    Não quis dizer que era sua avó meu caro, nem a conheço(se quisesse dizer isso, eu diria “sua avó´´). Na verdade você é a primeira pessoa que eu vi ficando chateado por ouvir uma expressão dessa. Peço desculpas por tê-lo ofendido, e garanta que, SE você quiser, eu jamais irei fazer qualquer brincadeira com você, ok? Em um outro post você fez uma brincadeira comigo e o Gagá, tirando sarro e me senti a vontade de poder fazer o mesmo, mas pelo visto é melhor manter o formalismo até a sua resposta.

    Bem tirar sarro da minha pessoa tudo bem, mas aí colocar parentes no meio das zuações (como avó, mãe, irmã, etc) eu não acho legal. Você pode até não querer assumir, mas quando usou a infeliz frase “E ranzinza é a vovózinha ouviu”, se dirigindo a minha pessoa, não teve como eu não achar que você está se referindo a uma de minhas avós. Da mesma forma se você de brincadeira me chamasse de babaca e eu respondesse pra você algo do tipo “Babaca é a mãe”, com certeza você entederia que eu estava me referindo a sua projenitora, mesmo não tendo usado o termo “sua” na frase.

    Kal “Bangagá” :

    Agora sobre o que você disse ´´O tempo da “felicidade em pinos” ficou pra trás e não volta mais.“ Acho que você está enganado. Esse tempo continua vivo hoje. Pier Solar prova que mesmo em um mercado grande e com jogos de gráficos de ponta, um jogo de “Pinos´´ pode ser feito. E vendido.

    Querer comparar casos raros como o lance do Pier Solar com a fase aúrea dos cartuchos é brincadeira hein? A época dos cartuchos morreu, só mesmo casos a parte como a equipe do Pier Solar que resolveu lançar o seu jogo neste formato é que ainda existem por aí, no mais nenhuma grande empresa fabrica hoje em dia os velhos e aposentados cartuchos.

    Kal “Bangagá” :
    Olá Caduco. Como vai?
    Existe muita gente fazendo jogos no RPG maker, que não tem Pinos, mas tem os gráficos daquela época em que íamos jogar na locadora da esquina, e tem uns com histórias fantásticas.

    Quanto a lance do pessoal que cria jogos no RPG maker, eu não posso opinar, pois nenhum até hoje realmente me despertou o interesse. Quem sabe um dia eu jogue algo e tira minhas próprias conclusões.

    Kal “Bangagá” :
    Eu joguei o FFXII e achei muito fraco, assim como muita gente também achou. Para mim, CT, com seus graficos antigos e som de midi, brilha muito mais! Mas essa é a minha opinião ^_^, é igual uma parte do corpo humano, cada um tem o seu. Assim como joguei Valkyrie Profile do DS e achei um jogão IRADO.
    É isso! Tenham bons jogos!

    Da mesma forma que você achou o FFXII fraco, igual a muita gente, um número enorme de pessoas achou, e acha, assim com eu, totalmente o contrário. Mas isso é uma questão de gosto, e gosto não se discute. Eu particularmente até não acho o Chrono Trigger tudo o que falam, está longe de ser o melhor RPG que já joguei até hoje. Foi um game importantíssimo para sua época, isso é inegável, mas posteriormente surgiram games tão bons e até melhores do que ele, na minha opinião.

    Orakio Rob, “O Gagá” :
    E façam logo as pazes, que mais tarde tem campeonato de bafo no asilo e eu quero ver todo mundo brincando junto

    Ninguém aqui chegou a brigar Orákio. São só pontos de vistas diferentes sendo colocados sobre a mesa, e algumas outras coisas sendo esclarecidas. No mais não há rancor ou qualquer outro sentimento negativo da minha parte em relação o que rolou neste post. Na verdade discussões sadias são aquilo que eu mais acho graça na internet. Discutir e debater é legal, e mostra que não somos “robôs” ou seres obrigados a pensar de maneira igual ao do outro. Havendo respeito mútuo, discussões como essa que rolou entre eu e o Bangagá são bem divertidas.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 30/05/2009 em 5:04 pm
    Permalink

    Só queria esclarecer uma coisa, porque o Brasil é grande e a cultura nacional diversa…

    Aqui no Rio de Janeiro é muito comum a gente usar a expressão da “vovozinha”. Acho que o Kal é de São Paulo, e o Caduco me falou de onde era uma vez mas eu esqueci, mas tenho quase certeza que é fora do eixo Rio-São Paulo. Aqui a expressão é realmente muito light, não tem a menor intenção, nem de leve, de ofender MESMO. Pode acreditar em mim, Caduco, eu duvido muitíssimo que a intenção do Bangagá tenha sido essa. É o tipo de expressão que a gente usa sem interpretar as palavras, tipo quando você vira para um amigo e diz “Ah, filho da p…, comprou um Wii e nem me chamou para jogar”. Você nem se liga que está xingando a mãe do cara, porque a expressão já se cristalizou, e as palavras perdem o sentido que teriam normalmente.

    E não adianta discutir se Chrono é bom ou não. Jogo bom é Phantasy Star, e o único Final Fantasy que presta é o VI! Aliás, Castlevania é uma b…

    🙂

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 30/05/2009 em 5:16 pm
    Permalink

    Orakio Rob, “O Gagá” :
    E não adianta discutir se Chrono é bom ou não. Jogo bom é Phantasy Star, e o único Final Fantasy que presta é o VI! Aliás, Castlevania é uma b…

    Só porque você citou o assunto… uahuahauha… eu acho o Phantasy Star IV bem melhor que Chrono Trigger, por exemplo. E você só jogou Final Fantasy até o VI? Se tivesse jogado o VII teria outra opinião a respeito da série!!! Final Fantasy VII é o melhor!!! Sephiroth rules!!! Cloud é gay que eu sei… ops… ahuahuaha…

    E peço licença para completar sua frase final:

    “Aliás, Castlevania é uma b… …aita série da Konami!”… uahuahuaha….

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 30/05/2009 em 5:34 pm
    Permalink

    Orakio Rob, “O Gagá” :
    Só queria esclarecer uma coisa, porque o Brasil é grande e a cultura nacional diversa…
    Aqui no Rio de Janeiro é muito comum a gente usar a expressão da “vovozinha”. Acho que o Kal é de São Paulo, e o Caduco me falou de onde era uma vez mas eu esqueci, mas tenho quase certeza que é fora do eixo Rio-São Paulo. Aqui a expressão é realmente muito light, não tem a menor intenção, nem de leve, de ofender MESMO. Pode acreditar em mim, Caduco, eu duvido muitíssimo que a intenção do Bangagá tenha sido essa. É o tipo de expressão que a gente usa sem interpretar as palavras, tipo quando você vira para um amigo e diz “Ah, filho da p…, comprou um Wii e nem me chamou para jogar”. Você nem se liga que está xingando a mãe do cara, porque a expressão já se cristalizou, e as palavras perdem o sentido que teriam normalmente.

    E Orákio, sou de Minas Gerais, e aqui as pessoas também tem esse lance de dizer coisas do tipo “filho da p…”, “seu via..”, “filho de uma ranca-e-fuça (essa talvez vocês desconheçam… uahuahuahuaha)”, sem a intenção de ofender, mas eu particularmente procuro não usar essas expressões, pois algumas pessoas podem sim se sentirem ofendidas, mesmo que não haja a intenção disso.

    É aquele lance… podem me chamar do que quiser, mas em relação aos meus familiares, deixem eles quietos onde estão. Não chega a ser nem uma questão cultural ou regional, é um lance particular mesmo. Mas no mais, já está esclarecido que o Bangagá não quis me ofender com o lance da “vovózinha”.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 30/05/2009 em 9:47 pm
    Permalink

    Fiquei feliz por você ter entendido que em nenhum momento quis ofender a sua avó. Aqui também essa expressão é muito usada, e se eu soubesse sobre sua Avó é obvio que eu nem tocaria no assunto. Também perdi minha avó e foi um processo muito doloroso mesmo.

    Agora vamos tomar uma bom creme de milho e uma coalhada de sobremesa!!!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 05/06/2009 em 6:37 pm
    Permalink

    hehehe Que guinada de assunto absurda. hehehe Estou bem atrasado para comentar, mas tudo bem. Vou falar do tema principal, somente.

    Eu acho muito ruim a Square ter feito o que fez. E fico, em certo sentido, revoltado também. Ao contrário do Chrono Ressurection (que conheci já finado), esse eu estava acompanhando de perto. Mas, sei que isso não adianta de nada também. Mas ficar com raiva é bom de vez em quando. hehe

    Eu nunca fui muito fã da Square mesmo sendo há muito confesso seguidor dos RPGs (eletrônicos em geral, mas de mesa também – em menor escala). Ela teve alguns trunfos (entre os quais incluo só um ou dois da série Final Fantasy), mas nada que me fizesse pensar que é a melhor empresa do mundo dos games (ou RPGs, mais especificamente). E essas coisas só pioram a imagem dela para mim. hehe Esses joguinhos são praticamente propaganda gratuita para os caras; até daria um gás para lançarem um suposto “pacote especial” com Chrono Trigger e Cross juntos para um dos novos sistemas. hehe Não adoram fazer isso, relançar mais do mesmo com uma ou duas músicas diferentes como fizeram com o de DS? Pois então. hehe

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *