Eu vou deixar registrada apenas a verdade.
Às vezes a verdade pode ser dolorida, triste.
Mas ainda assim, a verdade é o que permite começar uma vida nova.

— Prefácio dos registros da 18ª dinastia do planeta Gradius.

gradius2-caixaOlá a todos!

Finalmente voltei com mais um review de MSX. Desculpem a demora, prometo que não vou mais enrolar tanto para soltar mais posts! Hoje vou falar sobre um dos melhores jogos do MSX: Gradius 2 (ou Nemesis 2, aqui no ocidente).

Sobre o Game

Embora compartilhem o mesmo nome, o Gradius 2 que chegou ao MSX em 1987 é bem diferente do que foi lançado para os arcades e outras plataformas. Trata-se de uma versão até então exclusiva do jogo de nave com movimentação horizontal da tela.

Ao todo, são 14 fases normais e mais quatro fases secretas, num total de 18. E como estamos falando de um jogo MegaROM, saiba que ele é grande e demorado pra terminar. Demorado porque além de passar pelas sete primeiras fases, você vai ter que jogá-las outra vez, só que na ordem inversa, para terminar o jogo.

Eu explico: ao derrotar a nave chefe da fase sete, você receberá um aviso do planeta Nemesis dizendo que o Dr. Venom está se aproximando de lá e que você deve retornar imediatamente. Ou seja, a missão inicial era uma farsa para enganá-lo. O problema é que é preciso voltar pelas mesmas fases que você já tinha passado antes, até chegar à nave do Dr. Venom e derrotá-lo.

gradius2-dr_venomAno 6664 do calendário cósmico:

Venom, o diretor da agência de ciências espaciais do império Gradius, tentou um golpe de estado com seus 10 comparsas.

O imperador Lars colocou a armada de Gradius em estado de alerta. O doutor Venom e seus 10 capangas foram presos, o golpe de estado foi impedido. O Imperador Lars 17 exilou Venom e seus 10 capangas para o planeta Sard.

Felizmente você vai poder ouvir uma boa trilha sonora enquanto leva adiante sua missão, já que Gradius 2 foi o primeiro game a ter o estonteante chip de som SCC (Sound Custom Chip), sobre o qual vamos falar mais à frente.

Um baile técnico

Assim como seu antecessor, Gradius 2 foi criado para o MSX 1, só que o trabalho realizado aqui foi muito superior. Os detalhes dos cenários de fundo estão mais caprichados, e as fases são daquelas de arrancar os cabelos. Destaque para as naves chefes, que ficaram muito bonitas nesta versão. Às vezes dá vontade de dar uma pausa no game só pra ficar adimirando o visual delas. Mas não relaxe na hora de enfrentá-las, pois seus ataques-surpresa podem lhe custar uma vida!

gradius2-002gradius2-003

A trilha sonora, por sua vez, é excepcional. Graças ao novo chip SCC, que adiciona cinco canais de som aos 3 canais PSG nativos do computador, o game ganhou uma trilha sonora impecável. Parecia que o MSX se transformava num poderoso sintetizador musical com 8 canais de som. O MSX 1 parecia ter atingido um outro nível sonoro, que permitia ao jogador realmente sentir a tensão existente no game.

A jogabilidade é um caso à parte. Uma coisa curiosíssima é a possibilidade de obter armas especiais apenas entrando nas naves chefe. Isso mesmo! Se logo depois de derrotá-las você entrar por seu casco, vai enfrentar alguns inimigos, destruir o núcleo da nave e absorver uma arma especial, em um recurso que não existe em nenhuma outra versão de Gradius para qualquer outra plataforma. Essa exclusividade também se estende a algumas armas especiais obtidas. Dependendo do tempo que leva para derrotar o núcleo da nave, você obtém armas diferentes:

  • Se derrotá-lo em menos de 15 segundos, você obtém duas armas especiais;
  • Se derrotá-lo em menos de 30 segundos, você obtém uma arma especial;
  • Se derrotá-lo em mais de 30 segundos, não ganha nada.

Aliás, escolha sabiamente as armas que você quer usar, pois algumas tem pouco poder de fogo (ou de alcance) e podem te dar muita dor de cabeça mais à frente. Recomendo usar as armas especiais NAPALM MISSLE, UP LASER #2 e EXTENDED LASER.

Outras armas que você pode adquirir durante o jogo, mas que funcionam por pouco tempo são:

gradius2-armas

OPTION WARRIOR (ou OPTION RING) faz com que canhões auxiliares (vulgo “options”) rodeiem sua nave; VECTOR LASER faz a nave atirar um laser que se expande; ENEMY SLOW diminui a velocidade dos inimigos; e ROTARY DRILL permite que a nave passe por blocos e partículas vivas.

Com tudo isso, Gradius 2 é mais um game deveras obrigatório na sua coleção de MSX, proporcionando uma experiência única no gênero dos jogos de nave. Se você procura um bom desafio, já encontrou. Destaque para o final do game, onde… *não leia se não quiser estragar a surpresa* o Alto Conselho de Nemesis decide coroar James Burton como o 18º Imperador do Planeta Nemesis.

Dicas (você vai precisar delas)

Ano 6665 do calendário cósmico:

Morte do imperador Lars 17 do império Gradius.

Venom e seus 10 capangas escapam do planeta Sard. Eles não são encontrados. A armada do império Gradius lança com sucesso a Hiper Nave Espacial Metalion, sucessora da Vic Viper.

Há três códigos especiais que podem ser utilizados. Para isso, com o micro desligado, encaixe o cartucho de Gradius 2 no Slot A e o jogo Q*Bert no Slot B. Fazendo isso, siga esta sequência: pressione <F1> para pausar o jogo, digite o código, pressione <ENTER> e depois <F1> de novo. ATENÇÃO: alguns códigos só funcionam uma vez POR JOGADA, portanto use sabiamente.

gradius2-004gradius2-001

Os códigos são:

  • METALION: a nave se tornará verde e parcialmente invencível contra tiros disparados por pequenos inimigos. Você pode se chocar com essas mesmas naves, mas morrerá se esbarrar na superfície dos planetas ou se levar um tiro de um inimigo maior. A invencibilidade dura 15 segundos e quando o tempo está prestes a acabar a nave pisca. Felizmente, você pode digitar o código novamente;
  • NEMESIS: pula para a próxima fase;
  • LARS18TH: equipa a nave com todas as armas, mas só pode ser utilizado uma vez POR JOGADA.

Outras dicas interessantes:

  • Opção “BACK_UP”: inserindo Gradius 2 no Slot A e o Knightmare II – The Maze Of Galious no Slot B, você habilita a opção BACK_UP no jogo. Funciona assim: imagine que você esteja com todas as armas e de repente, BUM!, você morre e perde suas preciosas armas. Se usar este truque, ao pegar uma cápsula de energia a opção SPEED será substituída pela BACK_UP. Ative-a e todas as suas armas estarão de volta.
  • gradius2-pentarouTransformando a Metalion em… pinguim? Sim. Você pode jogar com o pinguim Pentarou (do jogo Penguin Adventure) em Gradius 2. Conecte o jogo Gradius 2 no Slot A e o jogo Penguin Adventure no Slot B. Agora você pode jogar com Pentarou, e os power-ups serão transformados em peixes!

Fases bônus

Ano 6666 do calendário cósmico:

O planeta Gradius perde comunicação com as neo bases espaciais instaladas nos sete planetas. O fato é conhecido como “incidente pesadelo silencioso”. Alguém estava por trás disso.

A identidade do invasor foi revelada. O invasor era o Venom, com a aparência modificada. O próximo objetivo do Venom, agora um subordinado dos bacterianos, era o planeta Gradius.

Assim como no primeiro Gradius, as fases bônus também estão presentes aqui. Elas estão nas fases 3, 6 e dentro da fase bônus 2. Veja nas fotos abaixo como fazer para acessar essas fases:

Fase Bônus da Fase 3:

gradius2-bonus3

Acesse o local marcado antes do bloco cair em você!

Fase Bônus da Fase 6:

gradius2-bonus6

Use o ROTARY DRILL para acessar o local indicado.

Fase Bônus da Fase Bônus 2:

gradius2-bonus10

Destrua os pontos vermelhos para que os blocos caiam e liberem o acesso ao ponto.

E que tal baixar o mapa completo do jogo? Ajuda? Então clique aqui.

Curiosidades

Ano 6666 do calendário cósmico (cont.):

Venom conseguiu escapar do exílio imposto pelo imperador Lars no planeta Sard, fugindo com a ajuda dos bacterianos para o planeta Sin. Partindo de sua base no planeta Sin, Venom invadiu, uma a uma, as 7 bases espaciais. Agora, certamente, o objetivo de Venom é alcançar e invadir o planeta Gradius.

Em uma reunião da armada do império Gradius, decidiu-se em uma votação enviar a Metalion. Foi decidido que o piloto seria o mesmo que antes havia pilotado a Vic Viper: James Burton.

Como eu já disse, Gradius 2 foi o primeiro jogo da Konami a ter o chip de som SCC. Agora vamos entender que chip é esse.

chip_sccO SCC foi criado em parceria com a Yamaha, devido à insatisfação da Konami em relação ao PSG nativo do MSX. Ele é usado junto com o PSG e também é conhecido como K051649. Quase todos os jogos da Konami criados a partir de 1987 tinham um SCC na placa. Alguns games de arcade também vinham equipados com ele, tais como Haunted Castle (a.k.a. Castlevania), City Bomber, Hexion, Nyan Nyan Panic, etc.

Uma versão levemente melhorada foi lançada em 1988, chamada de SCC+ (leia-se “SCC plus”). Apenas dois games tiveram a honra de usá-lo: Snatcher e SD Snatcher. A diferença é que o SCC+ tinha 64 Kb de RAM adicionais.

Gradius 2 também foi lançado para o micro Sharp X68000, onde foi renomeado como Nemesis ’90 Kai, recebendo grandes melhorias gráficas e sonoras. Em 1998, a Konami lançou a coletânea Konami Antiques MSX Collection para o PlayStation, com três volumes. Cada volume tinha dez jogos, e Gradius 2 estava presente no Volume 1, com direito ao uso emulado do SCC. Mais tarde, a Konami unificou os três volumes em um único CD, lançando-o para o Sega Saturn com o título Konami Antiques MSX Collection Ultra Pack.

Em 2006, foi a vez do PSP receber a coletânea Gradius Portable (lançado nos EUA como Gradius Collection). A versão MSX de Gradius 2 estava lá, no que constituiu o primeiro lançamento oficial do game nos Estados Unidos. Além da versão do MSX, essa coletânea tem os games Gradius, Gradius III, Gradius IV – Fukkatsu e Gradius Gaiden (este último lançado originalmente para o PlayStation).

Em 2009, o usuário FRS da lista de discussão MSXBR-L lançou em seu site um patch para Gradius 2 que habilita o uso de scroll fino, melhorando a movimentação da tela. O jogo ficou um pouco mais rápido e ganhou muito em jogabilidade. Nos MSX1 e 2, foi implementado o Vsync Dinâmico (que acelera o jogo em MSXs mais lentos) e o TurboFix (que corrige o bug do turbo para os micros mais mais rápidos). O scroll fino e o TurboFix (dentre outras rotinas otimizadas) só funcionam no MSX2+ e no Turbo-R.

Gradius 2 também foi lançado no Brasil pelos mesmos meios obscuros que eu citei no review do Gradius 1. O problema é que, embora o jogo rodasse, apenas o PSG podia ser ouvido no game, já que o SCC não estava no micro. Com isso, o jogo perdia bastante em qualidade.

A lendária “Versão BETA”

Ainda não se sabe a história direito, mas há um bom tempo foi encontrada na net uma versão beta de Gradius 2. Pessoalmente, já tinha visto e jogado essa mesma versão em 1997, na casa do meu amigo Maximino Ferreira. O jogo tem nove fases normais, mais sete na hora do retorno, totalizando 16 fases, sem fases bônus. Algumas teclas especiais podem ser usadas: F2 pula pra próxima fase, F3 dá power-up, Shift+F5 ativa o modo invencível (similar ao macete do METALION) e Code/Kana + F5 desativa o modo invencível.

Em relação à versão oficial, existem duas fases que não estão na versão oficial:

gradius2-fase_egipciagradius2-fase_cristal

À esquerda, a fase egípcia, com cenário totalmente ambientado no Egito e com direito a esfinges voadoras. A fase fica no lugar da quarta fase da versão final. À direita, a fase cristal, com direito a um dinossauro azul enorme. Fica entre as fases 5 e 6 da versão final.

A versão “DEMO”

Considerada mais velha do que a própria versão Beta, esta versão conta com uma animação adicional no início. São oito fases, sendo que sete podem ser acessadas jogando normalmente:

  • Fase 1 = Fase 2 da versão final;
  • Fase 2 = Fase 6 da versão final;
  • Fase 3 = Fase 3 da versão final;
  • Fase 4 = Fase 1 da versão final;
  • Fase 5 = Fase 5 da versão final;
  • Fase 6 = Fase 4 da versão final;
  • Fase 7 = Fase 7 da versão final;
  • Fase 0 (só pode jogar como  uso de um macete) = Fase 0 da versão final.

A nave chefe da Fase 6 é a mesma da Fase 2 da versão Beta. E a versão demo tem um Debug Mode: pressione F1 para pausar e digite o código SET TITLE KONAMI. Com isso, a tecla Shift passa a ativar o modo invencível (similar ao macete do METALION) e a tecla Code/Kana desativa o modo invencível.

Considerações Finais:

gradius2-jamesburton

James Burton
Nascido no ano 6641.
Capitão da aeronáutica espacial da armada imperial.
Piloto original da Vic Viper.

Eu espero que vocês tenham gostado deste review de Gradius 2. Deu um bocado de trabalho pra reunir tudo isso. Ele é um dos meus games prediletos de MSX e recomendo fortemente. É mais um daqueles jogos que não podem faltar na coleção. E tem mais um review saindo do forno logo, logo, aguardem!

Abraços!

Referências:

Gradius 2, um clássico do MSX
Tagged on:             

14 thoughts on “Gradius 2, um clássico do MSX

  • 16/09/2010 at 9:32 am
    Permalink

    Muito legal o review. Fase bônus em shmup é talvez algo meio raro, adoro quando jogos de nave tinham. R-Type do Master tinha uma incrível fase secreta muito boa e com uma música absolutamente fantástica – acho que escolheram a música dessa fase pra ser um prêmio pra quem conseguia achar a entrada secreta 🙂

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 17/09/2010 at 1:24 am
    Permalink

    @Eric Fraga
    Onde tem que eu nunca soube dessa fase secreta??

    @coffeejoerx
    Sim, bastante. Eu achei a versão MSX mais difícil do que as outras versões. A do NES eu achei fácil, mas não menos excelente.

    @vaca velha
    Obrigado, amigo. Na época, eu conheci o Gradius 2 versão MegaRAM (ou seja, sem o SCC). Quando eu joguei pela primeira vez com o cartucho original, quase caí da cama com a beleza da música. “Isso é do outro mundo!”, eu disse. hehehehehe

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 17/09/2010 at 2:22 pm
    Permalink

    Ótima análise, Mauro, matou a pau! Estamos em sintonia, pois semana passada destrinchei o primeiro Nemesis do MSX lá no http://www.cemeterygames.wordpress.com hehehe! Ah, só uma coisa: a coletânea Gradius Collection do PSP, na verdade, contém o Gradius II (ou seja, o game do arcade). O Nemesis 2 (Gradius 2 no Japão) está numa outra coletânea do PSP, chamada Salamander Collection. Abraço!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 17/09/2010 at 4:15 pm
    Permalink

    Muito bom o review, bem escrito, bem detalhado. Só não gostei da história de ter que enfrentar as fases novamente quando se descobre que o Venom está no planeta Nemesis. Enfrentar uma mesma fase ou chefe duas vezes, me soa como uma encheção de linguiça. Este detalhe prejudica muito a experiência de um título, a exemplo da série Ghouls in Ghosts, onde é preciso derrotar todas as fases duas vezes para adquirir um item que possibilita derrotar o chefão final, e olha que este tal item nem é tão bom assim. Essas coisas acabam tirando o T dos jogos.

    Mundando de assunto, mas nem tanto, tenho jogado Turbografx 16 no Wii e tenho reparado que este console é bem servido no estilo nave. Um melhor do que o outro. Ontem experimentei um tal de Galaga 90, um versão turbinada do clássico. Adorei!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 19/09/2010 at 12:15 pm
    Permalink

    @Orakio Rob, “O Gagá”
    Pior que é verdade. Ainda bem que ele foi exterminado. Assim não veremos mais a cara feia dele. kkkkkkkkkkkkk

    @Skrot
    Obrigado, meu amigo. Valeu pela força.

    @O_Caveira
    É, me contaram isso depois :/ Imagine minha raiva quando soube. Putz! xDDDD
    E eu vi como foi a sua saga no Nemesis 1. Muito bacana mesmo. Falou de todas as encrencas de cada fase. Faltou só mencionar onde ficam as passagens secretas para os Bonus Stages. De resto, show de bola.

    @Heider
    LOL! Quanta honra! Valeu! =)

    @Sandro “Matusalém” Vasconcelos
    Valeu, Sandro. Realmente ter que voltar do modo inverso tira a paciência de quem joga. E os jogos de nave do TurboGrafix 16/PC Engine são muito bons. Nem dá pra imaginar que aquilo é 8 bits. Além dele, eu joguei o 1943 Kai, Super Star Soldier e o R-Type 2. Recomendados!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 22/09/2010 at 12:03 am
    Permalink

    @Sabat
    Também confesso que eu me tornei fã da série quando eu joguei o Gradius 2 do NES. Me lembro que eu fiquei fascinado com o Nemesis 2 do MSX quando eu vi uma matéria que foi feita na saudosa revista MSX Micro. Queria muito ter aquele jogo, mas ter um drive era caro demais pra comprar.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 22/09/2010 at 7:50 pm
    Permalink

    Mauro “MSX” Sókrates :
    @Sabat
    Também confesso que eu me tornei fã da série quando eu joguei o Gradius 2 do NES. Me lembro que eu fiquei fascinado com o Nemesis 2 do MSX quando eu vi uma matéria que foi feita na saudosa revista MSX Micro. Queria muito ter aquele jogo, mas ter um drive era caro demais pra comprar.

    Eu quero jogar a série toda no PC Engine XD tem quem diga que são as emlhores versões dos games… vemos ver XD

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *