Cuidado que tá quente!

É o capeta na capa da Old!

Em sua 11ª edição, nossa querida-amada-queijinho-do-coração-orgulho-de-mamãe revista retrô Old!Gamer traz uma BIG matéria sobre o chifrudo, o Belzebu, o capeta em pessoa!  São 24 páginas (!) dedicadas ao primeiro Diablo, que mudou a cara dos RPGs nos computadores e fez (e ainda faz) a cabeça de muita gente.

A matéria é uma dobradinha minha com mr. Eric “Cosmonal” Fraga. Passamos semanas nos aventurando pelos calabouços escuros e macabros desse clássico absoluto para preparar uma matéria bem suculenta para fãs e novatos. Eu encarei a jornada alternando o uso do feiticeiro e do guerreiro, enquanto o Eric preferiu as flechas da ladina.

Eu e Eric na sala do sanguinário Butcher. O Eric, obviamente, é a mulherzinha 😛

Fomos buscar as origens do jogo no jurássico Rogue, mencionamos alguns sucessores como DarkstoneTorchlight, descrevemos os horrores do labirinto subterrâneo e o pânico de tatear cegamente o teclado em busca das hotkeys de poções e encantamentos, compilamos algumas asneiras proferidas por políticos que condenavam o game e ainda sobrevivemos ao que chamamos de “Maldição Diablo” — durante a escrita da matéria, Eric foi hospitalizado, meu cachorro ficou entre a vida e a morte, minha amada esposa passou por complicações cirúrgicas… enfim, minha próxima matéria provavelmente será sobre Bobby is Going Home, só para garantir ^_^

Ah, claro, também atravessamos longos corredores repletos de demônios capazes de ficar invisíveis, fomos enganados por um capetinha que roubou a placa da taverna do Ogden e derrotamos gloriosamente o Rei-Esqueleto Leoric rodeados por seu exército de mortos-vivos. Resumindo: é imperdível.

Veeeeeeeelho, onde você conseguiu esse espadão que eu não achei em loja nenhuma?

Mas essa edição não tem só Diablo não… o Eric também escreveu uma matéria sobre BioForge, um jogão de PC que muitos hereges ainda não conhecem. É hora de livrar sua alma pecadora de mais esse peso e mergulhar no ousado joguinho repleto de momentos interessantes. Com uma narrativa muito louca envolvendo robôs e religiões, e com braços sendo arrancados logo nos primeiros minutos de jogatina, não tem como a coisa não prestar.

Tem mais: nosso amigôncio Rafael 00 Agent, do blog Passagem Secreta (que está offline no momento…), preparou uma matéria sobre o divertidíssimo Toki. Sim, aquele jogo do macaco cuspidor! Tem coisa melhor do que comandar um macaco enorme que cospe nos inimigos? O Rafa se dedicou mesmo em sua pesquisa, e conseguiu até trocar umas palavrinhas com o produtor do jogo. Não tive a oportunidade de ler a matéria ainda, mas conhecendo a competência do Rafa em levantar dados, aposto que teremos muitas informações interessantes.

Toki, provavelmente o herói mais sexy da história dos games.

Sobre as outras matérias, sei tanto quanto vocês que estão vendo a capa da revista agora, mas estou muito curioso com a matéria sobre o jogo Street Fighter The Movie. Lembro de jogar essa… “coisa” no meu Saturn na época, e confesso que até achei interessante, mas era um bocado esquisito.

Ficou interessado? Então adquira já a sua Old!Gamer em pré-venda no site da Editora Europa. A revista está a quinze pratas, mas tem lá um frete maldito, como vocês bem sabem. É o de sempre: tá caro, mas vale a pena!

UPDATE: Agora a Old!Gamer tem assinatura! E a coisa sai extremamente vantajosa em termos financeiros, visto que seis edições saem por apenas sessenta reais! Como de uns tempos para cá a periodicidade da revista começou a entrar nos eixos, pode ser uma boa ideia.

Segue abaixo a divulgação:

O fogo do inferno na nova edição da Old!Gamer!
Tagged on:     

31 thoughts on “O fogo do inferno na nova edição da Old!Gamer!

  • 08/10/2012 at 8:06 pm
    Permalink

    Diablo foi um dos meus primeiros jogos de PC, lá no milênio passado (1998, para ser mais exato – sim, me aventurei tarde no PC). E foram dias e mais dias incessantes vasculhando todas as masmorras e dungeons. Daí veio Diablo II e o vício só aumentou, tanto é que já estou com Diablo III instalado com mais de 15 horas de jogo.

    Mal posso esperar para que chegue logo as bancas…

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 09/10/2012 at 12:07 am
    Permalink

    Com todo o respeito Gagá, essa Old Gamer tirando a matéria do Diablo, a do Street Fighter the movie que pode ser até interessante, as outras são dispensáveis. Um jogo muitíssimo melhor para ser revisado na Old Gamer é o magnífico jogo de plataforma Claw. Um jogaço para PC, que muitos nunca jogaram! Fica a minha sugestão quando forem falar de jogos para PC.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 09/10/2012 at 6:17 am
    Permalink

    Gagão, sobre a matéria do Toki, além de falar sobre o original de arcade, há uma parte dedicada somente àquele eterno remake que está em produção desde 2009. Como esse jogo finalmente está prestes a sair, consegui bater um papo com o produtor, que revelou algumas informações bem bacanas. Quem é fã do macaco cuspidor deve curtir de montão ^^

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 09/10/2012 at 9:44 am
    Permalink

    uma Old Gamer falando do meu segundo rpg favorito? tenho que ter de qualquer maneira. foi o rpg que fez meu irmão que só curtia wing elevi(argh!) e meu primo que ia de Digimon…que gosta até hoje, de se aventurar pelos calabouços escuros e sangrentos do jogo. e Bioforge, eu vi no Cosmic Effect, o Eric falando desse game. é muito bom mesmo, mas o meu notebook já está muito cheio para roda-lo.

    e Street Fighter the Movie…prefiro mais ver o filme mesmo. o Sawada(amigo do Jean Claude no filme), solta sangue nos oponentes(!!??) tosco.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 09/10/2012 at 2:34 pm
    Permalink

    Comprada, como de praxe! 🙂

    Viram que agora tem assinatura da revista? E com precinho bem camarada? Já garanti a minha assinatura anual a partir da edição 12 + Edição 11 pagando apenas o frete (Gagá, vc que é sócio da Old!, é isso mesmo? Ganhei a edição 11 de graça pagando apenas o frete???)

    Sinto falta das versões digitais tb!

    []s

    bootsector

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 09/10/2012 at 11:41 pm
    Permalink

    Tenho um caso de amor e ódio com a saga Diablo: amo o primeiro, detesto o segundo (é, eu sei) e o terceiro nem parece Diablo.
    Fiquei sabendo que alguns dos que trabalharam na criação dos dois primeiros saíram da Blizzard e foram pro time de Torchlight 2, uma pena.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 10/10/2012 at 7:13 am
    Permalink

    Eu adoro o Toki e joguei muito, agora um game que eu não achei tão ruim e joguei muito mesmo foi o Street Fighter Movie. E sabiam que tinha um videoclip de uma musica maneirissima no final do game. Era um cantor japones e um clip até que bem produzido, já tentei achar aquilo no youtube mas nunca mais encontrei.
    Eu adora finalizar o game só para ver aquele clipe, coisa de maluco , vai entender.kk

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 10/10/2012 at 11:20 am
    Permalink

    Revistinha cara essa aí mas enquanto tiver gente disposta a pagar o preço vai sempre sair.
    É eu que to sem grana para revistas.

    Sobre o SF The Movie é um dos clipes mais sem noção o do desfecho do jogo e se não me falha a memória é de um duo japonês chamado Chage and Aska, só não lembro a musica ah sim é essa

    Street Fighter Movie – Chage & Aska – Something There

    http://www.youtube.com/watch?v=zV5dTivVJpM

    apreciem amigos

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 10/10/2012 at 11:27 am
    Permalink

    Ulisses Old Gamer 78,

    Cara, mas vale lembrar que assistir a um clipe assim nos consoles era de estourar miolos, afinal tinhamos acabado de sair do 16bits onde as cutcenes não duravam 1 minuto e de repente tinha um “filminho” com Van Damme dentro do jogo.
    Isso era D+ e ao ouvir a música agora eu volto a repetir, até que é uma balada legalzinha, E TEM VAN DAMME 🙂

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 10/10/2012 at 5:25 pm
    Permalink

    eu não gosto nem de diablo nem de street fighter movie… mais talvez compre pelas curiosidades envolvidas… mais na boa tem muita coisa melhor em old games por ai, quem escolhe os games que serão abordados tem um pessimo gosto… na edição passada tinha aquele “pirula” o fps de “magos”… se era para falar de beat n’ up fala de um da snk capcom ou konami…. se fosse pra falar de um fps que fosse half life….

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 11/10/2012 at 8:08 am
    Permalink

    No meu caso gosto da old justamente por trazer jogos obscuros. De nada serviria pra mim se só trouxesse jogos já esmiuçados pela mídia (mario’s dentre outros tantos).

    Agora, quando o jogo é conhecido sem dúvida é louvável os dossiês que foram feitos, como o do Phantasy Star pelo Gagá.

    Agora, sem dúvida as matérias que mais me atraem são as que trazem hardware (com a inclusão de um top 5) como o do Saturn, PC Engine e outros, além das matérias mais gerias como a dos jogos de nave,.

    Com a opção de assinatura a revista agora ficou com um preço axxxxxxxxxxcessível. (desculpem-me, a tecla prendeu aqui).

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 11/10/2012 at 10:16 am
    Permalink

    Sinto que a revista, aos poucos, está se tornando um nicho de jogos velhos de PC. Edição retrasada foi metade da revista só de Tex Murphy, em uma outra foram várias páginas sobre uma das versões de Elder Scrolls e agora Diablo…

    Não quero o foco apenas nos consoles, mas, pra algo Old Gamer, eles deveriam ser os pricipais, pois é onde moram as principais franquias famosas.

    Outra reclamação: comprei duas edições (8 e 9, se não me engano) e 99% dela foi escrita apenas pelo Alexei… não que eu reclame, pois o cara escreve bem e eu gosto bastante do blog dele, mas… não tem mais ninguém pra escrever pra revista além dele e do Gagá? Não podiam chamar de volta o Amer? Ou pegar o Gabriel do GLSToque pra dar uma variada na coisa? Tá ficando monótono demais…

    Agora, alguns elogios: a matéria sobre os jogos desconhecidos do NES está perfeita, é o tipo de matéria que todo mundo que compra esse tipo de revista realmente espera encontrar. Completa, bem escrita e divertida, além de informar bastante, caprichou nela Gagá. Outra que ficou show de bola foi a do Road Roash, muito completa e abrangente, descobri coisas muito interessantes e fiquei instigado a rejogar toda a série novamente.

    Ainda não comprei a edição com o Altered Beast na capa, só falta ela pra minha coleção.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 11/10/2012 at 2:19 pm
    Permalink

    Foi mal a demora, gente… muita correria aqui com trabalho, vou tentar tirar o atraso do blog agora no feriadão.

    Dr. Mame, “O Ranzinza”,

    Pirei com o Diablo, achei o jogo sensacional. Não só a atmosfera é fantástica, como a jogabilidade click-click-click é um vício só.

    leandro,

    istemthebronx,

    Cosmão,

    He he, é difícil agradar a todos… aliás, impossível! ^_^

    Half Life merece uma matéria, é claro, mas a graça da Old é misturar clássicos absolutos e pérolas perdidas. É um barato descobrir só hoje um jogo extraordinário lançado há vinte anos que a gente nem sabia que existia.

    Quanto ao lance dos jogos de PC, Cosmão, acho até que em parte a “culpa” é minha, porque andei meio de saco cheio de consoles e sugeri as matérias de Diablo e Tex Murphy. Mas se você parar para pensar, a gente tem muito blog falando de jogos velhos de consoles, mas pouquíssimos falando sobre jogos velhos de PC.

    Essa turma tem nostalgia também, então acho bacana abrir um espaço bom para esses jogos, mas sem esquecer dos consoles, obviamente. Justamente pensando nisso, preparei a matéria dos jogos do NES para dar uma equilibrada, foi sugestão minha também. Adorei fazer aquela matéria, a turma do NES Archive deu altas sugestões.

    Vou conferir o Claw, bronx, nem sabia que existia e parece legal. Valeu pela dica!

    vacavelha,

    A matéria do Saturn foi disparada a que mais gostei de fazer, e considero a melhor coisa que já escrevi. De repente um dia me empolgo e encaro fazer de outro console. O problema é que dá um trabalho…

    Rafael Fernandes,

    Esse remake não sai nunca, né? Pior que parece tão legal, eu fiquei todo empolgado quando anunciaram. Rolou até um papo de que a mesma equipe faria um remake de Joe e Mac.

    Oztryker,

    Ao menos você não é o único que não gostou de Diablo 3: o criador do original deu uma leve espinafrada no jogo também, e os produtores de D3 reagiram com a verdadeira ira dos infernos! Até incluí a historinha num quadro da matéria, mas tem aí pela internet.

    Leandro Vallina,

    Pois é, Leandrão, eu também achei o jogo simpático na época. Acho que era aquela coisa da novidade, nos tempos de sat era sempre empolgante jogar algo com atores filmados. Claro, comparando a jogabilidade o jogo leva uma coça violenta do Street II original, mas tinha essa coisa naqueles tempos. Hoje é meio difícil entender isso, vai ser interessante ver se a matéria tentou passar esse contexto ou se só malhou mesmo. Seja qual for a abordagem, vai ser divertido de qualquer jeito, rs…

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 14/10/2012 at 8:40 am
    Permalink

    Puxa, uma matéria escrita por Gagá e Cosmonal em parceria! Fantástico!! Fenomenal!!! Fabuloso!!!! Os dois são meus ídolos da internet. Só não está perfeito porque não é sobre algum assunto da era 8/16 bits (ou ainda do Atari).
    Apenas para registro, e considerando que as manifestações dos leitores podem ajudar a galera que produz a revista, mas respeitando o fato de que cada um tem sua opinião, digo o contrário do istemthebronx, pois gosto mesmo é das matérias sobre consoles, arcade e games 2d (tudo o que é 3d, para mim, já não é “old”… Cara, eu sou muito velho!!!)… Nem sei dizer o que é melhor: jogos obscuros ou clássicos consagrados, desde que não seja PC ou 3d (estou ansioso para conhecer o tal macaco cuspidor). Mas é apenas a minha opinião. No geral, gosto tanto da revista que também já sou assinante.
    Sugestões para o futuro da Old!Gamer: a) seção detonados de velharias (como nas revistas do passado, com dicas, macetes e tudo mais); e b) seção de cartas (tá bom, eu sei que é tudo coisa de velho, incompatível com a era da internet e talz… mas não vale esculhambar, viu? Respeitem os idosos!).
    Valeu.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 26/10/2012 at 1:19 pm
    Permalink

    Pô, só formalizar aqui quão divertido e enriquecedor foi confeccionar a matéria do Diablo (e jogar o danado por inteiro) com o Gagá, o mestre da semântica.

    Um dos pontos altos foi a luta pra configurar a VPN pra jogarmos multiplayer, a coisa entrou pela madrugada — foi quando nossa viagem no tempo para o ano de 1996 foi dada como 100% completada. Que DeLorean que nada, basta jogar Diablo original “de dois pela Internet” 🙂

    Valeu Gagá! E espero que a turma curta a edição inteira!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • Pingback: Diablo, BioForge e a Revista OLD!Gamer Edição 11 « Cosmic Effect – Videogames Ontem e Hoje

  • 27/10/2012 at 12:06 pm
    Permalink

    Dcnautamarvete,

    Caramba, esqueci de te responder… valeu mesmo pelo voto de confiança e pela consideração! Espero que a matéria faça jus às suas expectativas… mas se você não gostar, já adianto que a metade ruim do texto é a do Eric 😛

    E sabe que eu também curto seção de cartas? Eu leio uma revista digital sobre games, a GameInformer, e eles têm uma seção de “cartas” (na verdade, emails) que eu adoro ler.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 28/10/2012 at 2:11 pm
    Permalink

    Diablo é um daqueles jogos que já venci milhares de vezes e, quando percebo, já estou jogando novamente. É um daqueles jogos que parecem uma estensão artificial da nossa mente e dos músculos envolvidos no ato de jogar.

    É viciante demais a busca pela arma mais forte, da magia mais poderosa e a construção do seu personagem. Outra coisa que sempre me fascinou é a quantidade absurda de bugs e segredos que o jogo mantém, pra não falar dos itens (em geral magias) cortados durante o desenvolvimento do mesmo. Mal posso esperar para ler esta matéria!

    Obrigado pela dica da assinatura! É um tanto complicado achar a Old! Gamer nesta minúscula cidade do interior de SP, vou assinar ainda hoje.

    PS.: O Passagem Secreta (sem trocadilhos) já está de volta ao ar. Nosso servidor teve um problema, já resolvido (mentira, estávamos de férias, em Akihabara ^^).

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 28/10/2012 at 4:14 pm
    Permalink

    Orakio “O Gagá” Rob,

    Rá! Não teve metade ruim no texto. Deu até vontade de conhecer o jogo 🙂
    Mas, antes, ainda tenho que tomar coragem (e arrumar tempo) para enfrentar o Phantasy Star 1 😉
    Desde que li aquela Old!Gamer fiquei com vontade de jogar; mas quem nunca jogou um RPG na vida treme nas bases.
    Ah! Seção de emails também serve. E os detonados, hein? Alguma chance? Hein? 🙂
    Valeu, Gagá… E parabéns por mais uma grande matéria gamística.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • Pingback: Correio do Gagá: Uma prévia do post de amanhã – GAGÁ GAMES

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *