Lembram do meme “O que você jogou em 2011“? Sim, aquele criado pelo blog MarvoxBrasil onde nós e outros blogueiros contávamos sobre os jogos que havíamos jogado em 2011? Pois aqui vai o  “O que você jogou em 2012” — que para espanto geral, é igualzinho ao meme de 2011, só que focado em 2012. Quem diria, hein?

Como de costume, não vamos nos focar nas velharias que jogamos, mas sim nas “novarias”, títulos mais modernos, aquelas deliciosas heresias para todo retrogamer. O horror dos FPS! A indecência das deathmaches online! A vil sedução dos títulos com gráficos ultrarrealistas! Argh! É a maior quantidade de pecados confessados por metro quadrado de texto da internet!

Aí vai a listinha dos melhores títulos modernos que joguei em 2012. Aguardem apenas um minutinho enquanto eu me escondo atrás desta barricada… um minutinho só… pronto, vamos em frente.

Dead Space

Minha primeira impressão de Dead Space foi ruim. Joguei no PC, com mouse e teclado, e achei um porre. O cara se mexia que nem um tanque pelos corredores de uma enorme espaçonave tomada por seres bizarros e violentíssimos. Aí comprei um controle de Xbox para meu PC, liguei o note à TV da sala, sentei na poltrona com o controle e tudo se transformou. Síndrome de consolista, né?

Dead Space é tipo um Silent Hill de ficção científica. Você vai ficar muito, muito tenso jogando esse negócio. Nunca se sabe de onde o inimigo vai saltar, se sua munição vai bastar e, caso tudo dê errado, se você vai conseguir correr mais do que seus algozes. É pesado, denso, assustador e envolvente, que nem Silent Hill. A diferença é que a jogabilidade é boa; desmembrar os inimigos com tiros nas juntas é uma delícia macabra, como um sundae de tendões rompidos fritos. Embora o jogo se passe quase todo dentro da tal nave, a coisa nunca fica cansativa, cada fase tem uma ideia nova para a ambientação. O jogo não é nem muito curto nem muito longo, tem a duração perfeita. M-a-r-a-v-i-l-h-o-s-o.

Dead Space: Extraction

Todo mundo sabe que o Wii não tem cacife para rodar um Dead Space decente — os gráficos são parte importantíssima da experiência do jogo. Ciente disso, a EA resolveu criar algo totalmente diferente para o Wii, e na minha humilde opinião o resultado foi tão bom quanto o obtido com o jogo original.

Extraction é um rail shooter. Já jogou Virtua Cop? Time Crisis? É isso aí, a visão é em primeira pessoa e o seu personagem se move sozinho pelas fases; você controla apenas a mira. E veeeeeelho, como é bom esse negócio! Não só a ação é fabulosa como as fases são esplêndidas, os personagens excelentes (coisa rara nesse tipo de jogo) e a trama uma belezinha. Além do diálogo durante as fases, a história vai sendo revelada também na forma de HQs animadas, liberadas sempre que você passa de fase — e elas estão cheias daqueles massacres horrendos que a gente adora ver (só nos games, é claro). Para mim, é um clássico perdido. E velho, QUE FINAL É AQUELE? HOLY SHIT!!!

Halo

Neste ano eu cometi a heresia suprema de comprar um Xbox 360. E claro, eu não poderia deixar de conhecer a estrela-mor da plataforma. Como não queria pegar o bonde andando, comprei Halo Combat Evolved Anniversary Edition, que é basicamente o primeiro Halo com gráficos refeitos e imensamente superiores aos do jogo original. Dá para jogar com os gráficos originais, mas lá se vão dez anos de Halo, e acho que jogar pela primeira vez hoje com gráficos modernos nos aproxima bem mais da sensação que as pessoas tiveram na época, quando os gráficos do primeiro Xbox eram top de linha.

E que surpresa eu tive com esse joguinho. Doom II foi o último FPS que realmente me divertiu, e eu já tinha perdido a fé no gênero. Mas aí o Halo chegou, me apresentou uma trama interessante, inimigos inteligentes, combate com veículos que realmente funciona e diverte, gerenciamento simples e eficiente de armas, fases bem projetadas e uma tensão miserável em alguns momentos. Não é que Halo seja incrivelmente inovador; o que acontece é que ele faz tudo que um FPS tem que fazer com um nível de excelência que eu nunca tinha visto antes. Terminei no fim de semana. Fiquei com a sensação de que esse jogo me tacou na parede e me chamou de lagartixa. E isso vai soar muito gay, mas estou doido para embarcar em Halo 2 e assumir mais uma vez o meu papel de geconídeo doméstico masoquista.

Metal Gear Solid Trilogy HD

Dívida antiga a minha com MGS2: sou fã do Metal Gear de PSX, e quase chorei quando anunciaram o 2 para o Playstation 2. O motivo? Eu tinha um Dreamcast em casa, e nenhuma grana para comprar um play2.

Mas a vida é caprichosa, e eis que muitos anos depois eu compro meu Xbox 360 com Metal Gear Trilogy HD, coletânea que reúne MGS 2, 3 e Peace Walker. Eu mal podia esperar para finalmente poder dizer com ganho de causa que os detratores de MGS2 eram uns frescos, que o Raiden era legal sim, que ninguém tinha entendido a genialidade do Kojima. E vou continuar esperando, porque o tal do Raiden é um porre mesmo, fica discutindo a relação com a moça do rádio o jogo inteiro. E claro, não dá para respeitar um cara que fica dando estrelinha pelado por aí. A ação em si é boa, mas a trama é absurda até para os padrões de Metal Gear, e os chefes são um desastre — na boa, Kojima, um gordão de patins especialista em bombas? 0_0

Felizmente MGS 3 chutou todas as bundas do universo, adorei o jogo. Nada me tira da cabeça que a moça decotada que ajuda Snake é mais do que levemente inspirada nas Bond Girls dos filmes do 007 — e o horrendo e cafonérrimo tema da abertura também, he he! Já o Metal Gear Peace Walker não me agradou: tem missões curtas e isoladas, mais apropriadas a um portátil. Fora que o Kojima decidiu cruzar Snake com Che Guevara, no visual e nas atitudes, é bem evidente. Muita gente deve gostar de gerenciar recursos e investir na pesquisa de armamentos entre as fases, novidade de Peace Walker, mas eu odeio esse negócio. Sou um horror com números, não consigo nem gerenciar a compra de pasta de dente aqui em casa, a minha sempre acaba antes que eu compre a próxima.

Saciada a minha sede por Metal Gear, troquei a coletânea pelo Final Fantasy XIII de outro camarada lá no Troca Jogo. É, eu sei, Deus tenha piedade da minha alma.

Trine

Trine, eu te amo. Tipo, EU TE AMO, é sério. Se você topar, largo minha esposa hoje mesmo e fujo com você para o Caribe. Jesus, que ela nunca leia este post.

Ah, se todos os jogos fossem como Trine…  a física é tão boa, e as fases tão bem feitas, que tudo pode acontecer! Você sente que volta e meia faz alguma coisa totalmente inesperada para matar um inimigo ou passar por algum obstáculo. Não é possível que os desenvolvedores tenham pensado em todas as possibilidades. Tem vários momentos memoráveis que não acontecem porque foram roteirizados, mas sim pelas possibilidades do gameplay, puro e simples. Aquele momento em que você cruza a tela em alta velocidade pendurado no gancho da ladina, salta, se transforma no guerreiro e em pleno ar bate espadas com um esqueleto que também estava saltando, é totalmente random, a gente nota que não tava no script. Às vezes você morre três, quatro vezes para passar de uma parte, e cada vez que tenta passar a cena é totalmente diferente. É game design digno de um Miyamoto da vida.

Prince of Persia (2009)

Você provavelmente já ouviu falar desse Prince of Persia onde a mocinha não deixa o mocinho morrer. Você cai num buraco, ela te salva e você pode tentar de novo, quantas vezes quiser. Nas batalhas também, você não morre. Tem gente que diz que isso é uma heresia em se tratando de Prince of Persia, que Prince tem que ser difícil, cruel, masoquista. Eu também achava, até que um dia, numa dessas promoções do Steam, comprei o jogo.

Pois eu acho que os detratores não entenderam a proposta deste joguinho. Aqui, a Ubisoft multiplicou por mil as já mirabolantes acrobacias dos princes anteriores; ela inventou o que eu chamo de “combo de saltos”, onde você escorrega pela pedra, pula na parede, corre por ela, segura no gancho, pula no paredão… são sequências impressionantes e deliciosas de se realizar. Mas como a ousadia delas é imensa, seria um desastre se a cada erro tivéssemos que recomeçar a fase. O jogo seria ridiculamente difícil e nem um pouco divertido. Foi uma troca: vamos lançar a ação a níveis inimagináveis, e pegar leve na dificuldade para isso ser viável. Não importa qual estilo você prefere. Não leve o jogo muito a sério, pare de pensar se é um retrocesso para a série, ou se abre um precedente perigoso; a Ubisoft não quer desafiar você com este jogo, mas sim provocar um orgasmo. É uma heresia maravilhosa.

Fable: The Lost Chapters

As pessoas sempre parecem lembrar de Fable como aquele jogo que fez mil promessas não cumpridas. O criador do jogo, o bom e velho Peter Molyneux, é especialista em prometer e não cumprir, e disse que teríamos uma liberdade absurda — mas acabou não sendo bem assim. Pois eu digo: pare de pensar no que o homem não fez e veja o que ele realmente conseguiu colocar no jogo. Fable é um estouro.

Ao longo do jogo, você pode sim trilhar o caminho de um herói bondoso ou de um tirano cruel. Eu segui a rota do mal, e não faltaram oportunidades para mostrar minha crueldade: matei na arena minha companheira de infância, ajudei bandidos a saquearem vilas de trabalhadores inocentes, ordenei que cortassem a cabeça de um pobre camponês e salvei um bandido perigoso do enforcamento. E quando entrei numa caverna sombria para salvar um moleque aprisionado por um demônio e, para fugir de um combate com a criatura, troquei meu pobre companheiro de jornada pelo pirralho? Ha ha ha, o cara ficou desesperado, aposto que não esperava por essa! ^_^

Além disso, a trama fica bem séria do meio para o final: fui preso, tive uma oportunidade de fugir e perdi, e com isso fiquei um ano mofando na cadeia. Minha mãe foi sequestrada e o vilão supostamente abusou sexualmente dela, que estava em frangalhos quando a encontrei. Minha pobre irmã ficou cega, e no final do jogo (spoilers!) tive a opção de matá-lo e tornar-me poderosíssimo, ou de poupar sua vida e seguir um caminho de modesto heroísmo. Depois de cometer tantas maldades ao longo da jogatina, decidi que esse seria meu momento de redenção: poupei minha irmã, salvei o mundo e me redimi de meus pecados. Se Fable não merece ser lembrado para sempre só por isso, então eu não sei qual é o critério para se definir um clássico.

Mirror’s Edge — O Melhor do Ano

Já começo deixando meu voto para que a equipe que desenvolveu Mirror’s Edge deixe de atender por “DICE” e passe a se chamar “Fucking Awesome”. Só assim para descrever o trabalho sensacional desses caras. A visão é típica de um FPS, mas o jogo em si passa longe do festival de tiros do gênero.

O lance aqui é correr, e muito: correr pelos telhados, correr pelas paredes, pelas escadas. E quase sempre você vai fazer isso nas alturas, pulando de um prédio para o outro, subindo ou descendo pela calha de prédios, enquanto um monte de loucos atira contra você. É adrenalina puríssima; o jogo tem um pique fantástico, com trilha sonora pulsante que faz as coisas fluírem deliciosamente bem. Do meio para o final o ritmo fica prejudicado por um súbito aumento de dificuldade, mas até a metade esse negócio é uma obscenidade gamer altamente orgasmática. Pelo amor de Deus, vá logo jogar esse negócio.

Conheça os demais participantes do meme “O que você jogou em 2012”

– Gamer Caduco (http://gamercaduco.com/)
– Vão  Jogar! (http://vaojogar.com.br/)
– Revista Game Sênior (www.gamesenior.com.br/)
– Video Game.etc (http://videogame.etc.br/)
– The Twosday Code (http://yoritoshi.wordpress.com/)
– Passagem Secreta (http://passagemsecreta.com/)
– Cosmic Effect (http://cosmiceffect.com.br/)
– Edi (FZ2D) Retro Reviews (http://edireviews.blogspot.com/)
– Forum SEGA Forever (http://segaforever.forum-livre.com/)
– Fúria: blog sobre games (http://furia94.wordpress.com/)
– Zir0 Video Game Nerd (http://emulaziro.blogspot.com/)
– Espaço João Roberto (http://espacojoao.blogspot.com/)
O que você jogou em 2012?

30 thoughts on “O que você jogou em 2012?

  • 12/12/2012 at 7:20 am
    Permalink

    Gagá, já experimentou jogar Halo com a Fafá pra ver no que dá? Rapaz, a Sra. bootsector é simplesmente LOUCA por Halo! Temos TODOS da série (exceto pelo um de estratégia, que esqueci o nome). A gente fica maratonando do 1 até o último lançado, até que lancem o próximo!

    Agora mesmo, tô doido pra voltar pro Brasil pra curtir com ela o Halo 4 e o Halo 1 Anniversary Edition! 🙂

    []s

    bootsector

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 12/12/2012 at 7:28 am
    Permalink

    E aeh… Primeira vez comentando por aqui, embora já tenha lido muito, hehe…

    Cara, muito boa a lista de 2012, hein? Como eu sou “Wiizeiro”, me chamou a atenção o Dead Space: Extraction, que eu já tinha ouvido falar , mas nunca joguei. Halo 1 eu também comecei a jogar dia desses, mas a primeira versão, com gráficos antigos. Por enquanto estou gostando, só falta tempo para continuar. Dead Space também me interessou, mas não tenho como jogar no momento, e “Metal Gear é Metal Gear”, nem precisa comentário sobre ele, hehe…

    Agora deixa eu ir que tenho mais cosia para ler, rsrs.

    T+

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 12/12/2012 at 9:00 am
    Permalink

    Bem ainda estou meio retrô, mas joguei muita coisa, mas vou deixar os priincipais aqui pois a falta de tempo não me deixa postar algo maior, vamos lá:

    1. Final Fantasy VI – Este para mim o melhor jogo de RPG já criado de todos os tempos, dispensa comentários.
    2. Rhythm Tengoku – Este é um dos viciantes games musicais e parece que o último jogo do GBA que vale muito a pena.
    3. Shadow of The Colossus – No caso desse eu sempre rejogo que para mim foi o melhor jogo lançado por sua cativação e não sei mais o que poderia te explicar.
    4. R- type 1 e 2 de Arcade: Eu tinha uma missão de terminar isso depois que vi o Cosmonal terminando o dimensions que ainda não o tenho, mas confesso que deu vontade de chutar o Pc de tão difícil que é mas consegui terminar com duas ou 3 costelas quebradas mas estou inteiro.
    5. Psyvariar 2 Ultimate Final: Outro Bullet Hell, esse é medonho mas consegui sim por incrível que pareça terminar essa obra prima de insanidade. Esse é um título do PS2 mais que recomendado para quem curte o genero.
    6. Red Dead Redemption: Esse eu joguei junto com um amigo na casa dele e revezamos controle mas esse é o jogo. Lindo e emocionante, puro oeste selvagem, é um sonho dar uma de John Wayne ou Billy The Kid, simplesmente excelente.
    7. Ninja Hayate e Time Gal: como recém adquiri um Sega Saturn, encontrei esse jogo na net e foi uma grata surpresa poder jogar ambos games que conheci no Sega CD, mas com uma qualidade melhor pois foram baseados do arcade em LD, são divertidissimos mas infelizmente são muito curtos, mas vale para conhecer e rir das cenas de quando voce perde.
    8. Need For Speed Underground 2 PC: Esse tambem eu torcia o nariz mas vi que é muito divertido, e acabei me rendendo a este jogo que é muito bom.
    9 . Crazy Taxi 3 PC: Esse é um dos meus preferidos e é umas das melhores experiencias de game, divertido, musicas bacanas e insanidade na dose certa. Muito bom para tirar o stress, mas sem fazer isso na vida real hein.
    10. Daytona USA Circuit Edition: No saturn eu não sabia que tinha diferenças gritantes entre a versão americana e japonesa desse jogo, mas vi quando comecei a jogar, os carros são mais estáveis, ou seja, melhor jogabilidade, tem opção de mais trilhas sonoras incluindo a musica irritante da DAytona 1, mas passa pois já me acostumei rsrsrsrsrsrs.
    Enfim a versão japonesa desse jogo é linda e corrigiu muits falhas da versão ocidental que é um dos melhores jogos de corrida do Saturn, tirando até o Sega Rally da primeira posição, simplesmente demais e obrigatório pra quem curte o amado console preto da sega (ou branco rsrsrsrsrs).

    Essa é a minha humilde lista mas eu tenho muito coisa pra jogar e pouco tempo, enfim sempre damos um jeito mesmo que seja umas 2 horinhas.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 12/12/2012 at 9:23 am
    Permalink

    bela a sua lista de jogos Gagá.

    Dead Space é o game de terror mais tenso que já joguei nessa geração. cara, as mortes de Issac são de soltar um palavrão de indignação, são horríveis demais. e a musiquinha Twinkle,Twinkle Little Star é pertubadora. veja a tradução dela, combina perfeita com a situação do herói. sozinho no espaço, não sei o que você, sigo andando pela escuridão… eu ficava tão tenso que se o Issac estivesse na metade da energia ao lutar com um Necromorph, resetava o Xbox e ia desde o começo com sangue cheio. levei 30 horas para termina-lo indo apavorado pelos corredores.

    e odiava as partes no espaço…oh estresse!

    lá você não tem medo dos monstros,embora sejam abominavíes. o jogador TEM MEDO DE MORRER MESMO!!! pois os game overs são…minha mãe do céu.

    Dead Space>>>>>>>>>RE ou Silent Hill(embora eu respeite essa ultima)

    já a da versão Wii…é…né?

    e você jogou o Princípe da Pérsia 4? te invejo! ia compra-lo no meu aniversário, mas o game não se encontrava mais lá. agora estou fazendo uma cruzada da saga, estou naquele Warrior Within, que por algum motivo que desconheço até hoje, TODO MUNDO odeia esse game. eu acho incrível, é meio violento, mas não é ruim não.

    agora vou ler o resto do post!

    Hee-Hoo!!! 🙂

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 12/12/2012 at 11:04 am
    Permalink

    Esse ano foi um bom ano de gamer pra mim.

    Xenoblade Chronicles: um dos melhores RPGs que joguei na vida. Ainda não tenho certeza se eu gosto mais de Chrono Trigger ou esse. Mas eu posso dizer sem medo de errar, esse jogo tem uma das melhores, senão a melhor trilha sonora que eu já ouvi na vida.

    Last Story: a historia não é la essas coisas, mas o gameplay e a trilha sonora compensam.

    Baten Kaitos Origins: O melhor RPG do GC feito pelo mesmos produtores de Xenoblade.

    Kirby Mass Attack: Pikimin+Kirby é o único jeito de descrever esse excelente jogo.

    Infinite Space: RPG da Platinum Games para o DS, historia excelente e surpreendentemente complexa, gameplay robusta que lembra os clássicos de PC, como Sid Meyer Pirates.

    Solatorobo: Um jogo no estilo Zelda com cães falante usando robôs gigantes pra lutar.

    Super Mario RPG: eu comprei uma copia esse ano e finalmente pude zera-lo.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 12/12/2012 at 11:20 am
    Permalink

    Só petardo na next-gen do Gagá. Não, peraí, não tem nem um joguinho “médio” não, é só PETARDO mesmo. E Mirror’s Edge fechando a lista…

    A foto de Master Chief no início do post do Gagá Games… eu capturei a tela aqui e tudo pra mostrar pros amigos! 😀

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 12/12/2012 at 1:48 pm
    Permalink

    “Saciada a minha sede por Metal Gear, troquei a coletânea pelo Final Fantasy XIII de outro camarada lá no Troca Jogo. É, eu sei, Deus tenha piedade da minha alma.”

    Que isso Gagá que bela m**** você foi fazer. Eheheheheh mentira esse comentário foi de brincadeira, acho super válido nessa era de jogos caros tu fazer isso mesmo, passar os teus já jogados e que talvez não tenha pretensão de jogar de novo adiante pois assim tu ganhou um jogo inédito pra ti(FF13 blargh!!) mas que só irás descobrir se gostas ou não depois de jogar não é mesmo?

    Trine é show de bola mas vergonhosamente eu só joguei um pouquinho do 2, ainda estão na lista, qualquer dia o Steam me dá ele de grátis pois já consegui cada barbada.

    Esse Prince of Pérsia moderno eu deveria jogar pois não experimentei nenhum que não seja as versões de Nes e Snes, curtia a física dos pulos do cara onde ele não protagonizava saltos que iam mais do que a altura dele, coisas desse tipo e as armadilhas eu curtia também, daí fiquei com preconceito desses jogos que levam o nome da franquia mas a proposta seria muito diferente, tipo jogos como God of War por aí só mudando de nome. Sands of Time ainda quero jogar.

    Fable terminei só o 3, bem fraquinho por sinal, o Lost Chapter lembro que parei bem no início numa missão que tinha que entrar escondido dos guardinhas do local, na falta de paciência eu não consegui e nunca mais voltei a jogar.

    E Mirror’s Edge comentei lá no outro post mas sim é um baita jogo.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 12/12/2012 at 1:52 pm
    Permalink

    bootsector,

    Como é que é? Você está sugerindo que eu ensine minha esposa a atirar? Velho, você DEFINITIVAMENTE não conhece a Fafá ^_^

    Adorei o primeiro Halo, estou doido para jogar os outros agora.

    João Roberto,

    Aê, nunca é tarde para participar!

    Se você curte rail shooters, não tem como errar com o DS: Extraction. Nossa, como o jogo é bom. Nunca pensei que fosse jogar um rail shooter com história boa, e o mais bizarro, com bons personagens. Cada vez que um deles se mete numa encrenca, você fica mesmo preocupado!

    Ulisses Seventy Eight,

    Pra mim é assim, Ulisses: Phantasy Star é o melhor RPG do universo, mas FFVI é o melhor da galáxia, o que não está nada mal!

    Adoooooro o jogo, já terminei várias vezes. Amo os personagens, e a trilha sonora, holy shit!

    Quanto ao R-Type, fiquei meses insistindo no de PC Engine (até rendeu um post aqui para o Gagá Games) mas não passo da penúltima fase nem por decreto.

    Putz, nem sabia que tinha Crazy Taxi 3… o 1 é um dos meus jogos favoritos EVER. Jogava e rejogava por horas no saudoso Dreamcast.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 12/12/2012 at 2:02 pm
    Permalink

    Vinicius:
    Xenoblade Chronicles: um dos melhores RPGs que joguei na vida.

    Opa opa opa, olha o respeito! Aqui no Gagá Games é VOSSA EXCELÊNCIA XENOBLADE, valeu? 😛

    Pirei total com Xenoblade no ano retrasado. Zerei com umas 80 horas, fiquei completamente apaixonado. Foi o melhor RPG que joguei desde… desde… nem lembro, desde muito tempo!

    Cara, e a música do jogo? A trilha rola direto aqui na minha playlist, viciei.

    leandro(leon belmont)alves:
    e odiava as partes no espaço…oh estresse!

    Nem me fale, Belmont! Aquele silêncio do vácuo, e os bichos que podiam aparecer por baixo, por cima, pelos lados… tenso, muito tenso. Tô doido pra pegar o DS2, já jogou?

    Prince of Persia 2009: vai fundo. Se você não implicar com o lance de não morrer, vai adorar o jogo.

    Warrior Within: olha, é o seguinte… eu adoro o Sands of Time, é um dos meus jogos favoritos. Comprei Warrior Within logo que zerei o Sands, e achei totalmente ridículo terem transformado o príncipe naquele metaleiro que não toma banho. Nada justifica uma transformação daquelas.

    Isso pra mim é uma falha imensa. Mas o jogo está bem longe de ser ruim: é muito divertido de jogar, a trama é boa… gostei muito. Só fiquei meio p da vida com essa mudança do príncipe e com a imensa quantidade de bugs — um deles me pegou na última tela do jogo, não conseguia terminar e tive que começar tudo de novo.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 12/12/2012 at 2:16 pm
    Permalink

    Vinicius,

    Esqueci de dizer que gostei do gameplay do Last Story, mas odiei a trama. Aqueles dois não se beijam nunca, diabos!

    E joguei o outro Baten Kaitos no meu Wii, é muito bom mesmo. Acho um barato aquele combate com cartas.

    Cosmonal,

    Eu sabia que você ia gostar da foto do Master Chief, he he…

    Fúria,

    Foi muito legal jogar MGS 2 e 3 numa tacada só! Adoro Metal Gear!

    Juliano,

    Eu não tenho muita essa coisa de querer guardar os jogos, só se forem títulos muito especiais. A ideia, inclusive, é zerar o FFXIII e trocar de novo! Vida de pobre é isso aí! Ainda tenho dez prestações do Xbox 360 pra pagar! ^_^

    Outro fã do Prince de SNES, né? Jogão, com gráficos e música fabulosos. E jogue sim o Sands of Time; o jogo é muito muito muito bom, e o final é o melhor que já vi num jogo.

    Também larguei Fable na primeira tentativa. Retomei meses depois, e aí bitolei, fui até o final. Até influenciou a compra do meu Xbox, porque não tem o Fable 2 para PC. Sim, já ouvi dizer que o Fable 3 é “meio mais ou menos”…

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 12/12/2012 at 2:50 pm
    Permalink

    Po, Gagá, você escrevendo sobre Fable me fez decidir encarar o jogo. Sempre quis mas você foi tão enfático em certas genialidades do título que agora não dá mais pra enrolar ¬¬

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 12/12/2012 at 7:16 pm
    Permalink

    gaga seu safado acho q ta na hora de trocar o logotipo do gagagames por aquele carro do d e volta pro fututro kkkkkkkkkkkkkk

    ´´A vil sedução dos títulos com gráficos ultrarrealistas! Argh! É a maior quantidade de pecados confessados por metro quadrado de texto da internet!´´ sério mesmo ri horrores aki kkkkkkkkkkkk minha esposa chamou eu de louco kkkkkkkkk mas só umja coisa q não acreditei q v c fez WTF!!! vc fez o q com a coleção do Metal gear OMG !!!!!!!!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 12/12/2012 at 8:25 pm
    Permalink

    Cara, você jogou games sensacionais, Dead Space é muito bom, joguei ano passado(2011) e fiquei besta com esse game. Realmente jogar o Dead Space e o Extraction Point do Wii faz você mergulhar profundamente na história. Não dá para jogar o Dead Space 2 sem passar pela história completa do 1 e da versão do Wii. Mirror’s Edge é fantástico também, é o tipo do jogo que não requer compromisso, você pode jogar hoje e demorar 500 anos para jogar que você lembra do que tem que fazer. Lista show!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • Pingback: Meme – O que você jogou em 2012? | Gamer Caduco

  • 13/12/2012 at 12:27 am
    Permalink

    Eu queria comprar o Dead Space e o Mirror’s Edge, mas devido uma conspiração dos Correios, do ML e de um vendedor burro e cara de pau, para eu não ter um processador decente, vou deixar pra mais tarde.
    Este ano também zerei o Halo(de pia)mas no PC.
    Nunca joguei MGS e para PC só tem até o 2, então fui de Splinter Cell, achei demais, e tive que zerar uma vez e meia, pois não sei para onde meu save foi(hahaha).
    Dos que comecei a jogar e zerei neste ano apenas esses dois, mas testei muitas demos e terminei uns que comecei em 2011.
    Fable: The Lost Chapters vou jogar depois que terminar Arx Fatalis, que apesar de ter jogar apenas 8 horas está viciante.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 13/12/2012 at 7:16 pm
    Permalink

    OOOO

    Agora mesmo tá tendo promoção no gog.com desse prince of persia por 4.99 doletas, acho que vou tentar, mas nesse ano o jogo que eu mais gostei foi red faction:armageddon, apesar de muitas pessoas não gostarem desse pois o anterior dele as pessoas amam, eu gostei demais a história é muito boa!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 15/12/2012 at 10:16 am
    Permalink

    Muito boa a lista, Gagá. “Kudos” por ter lembrado do ótimo Mirror’s Edge, que por não ter tiroteios a torto e a direita, foi ignorado por boa parte dos gamers. E Dead Space é fodão mesmo. Se curte games com fortes elementos de ficção científica (que não usa o tema apenas para justificar tiros e explosões) não deixe de jogar a franquia Mass Effect.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 16/12/2012 at 12:51 am
    Permalink

    Vixi, quer dizer que esse Dead Space do Wii é bom mesmo… mais grana indo embora, he he he.

    O pessoal implica tanto com o Raiden em MGS2, mas tinham que reclamar era da mulher dele, rzs… porque no fim das contas jogar com ele ou Snake dá praticamente na mesma.

    Nossa, pode me xingar a vontade, mas eu acho Fable um POOOORRE! Sério, nunca fiquei tão frustrado ao jogar um jogo, tem partes então que foi pura vergonha alheia e o esquema de “bem” e “mal” dele é bem fraquinho na minha opnião. Acho que o meu santo não bate com o do Peter Molyneux, vai saber.

    Mirror’s Edge eu sempre escuto falar bem mesmo, só que esse vai demorar por muito tempo por falta de console, he he he.

    Abraço!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 16/12/2012 at 9:46 am
    Permalink

    É eu tambem fiz isso, joguei mais Xbox 360 que tudo, mas sabe o q me andou desanimando dos retro os preços, tenho meu xbox 360 bloqueado, mas o Sega Nomad é daquele jeito o q aparecia barato eu comprava, Street of Rage 2 só a placa
    30R$, comprei Virtua Racing q veio queimado nem soprando pega hahahhahah, desisti por isso, culpa desses q acham q um Mega Man do Mega Drive vale 300R$

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 16/12/2012 at 10:01 pm
    Permalink

    Definitivamente “É a maior quantidade de pecados confessados por metro quadrado de texto da internet”! Pô, Gagá! Quanta heresia! huahuauhaa! Tô brincando, é claro, vou manter o tom do ano passado, curto saber que até os mais retrogamers se rendem à alguns jogos mais recentes. Só vou te xingar por Halo, mas é que eu tenho birra particular com FPS mesmo! hehehe
    Já os dois títulos de Dead Space parecem interessantes, embora eu não seja fã de levar susto! haha
    De todos que vc citou, o Trine é o que parece mais legal mesmo. Eu só joguei o segundo, nunca nem vi o primeiro.
    Fable, Prince of Persia e Mirror’s Edge são jogos que preciso conhecer um dia… se o tempo assim permitir. Aliás, as decisões do Fable parecem realmente afetar o mundo do jogo pelo seu relato, isso é bem bacana, me deixou curioso.
    Muito boa a lista.
    Abraço

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 18/12/2012 at 9:01 am
    Permalink

    Joguei tanta coisa este ano q mal daria pra enumerar todas as pérolas q conheci. Mas basta dizer q zerei The Witcher 2, Batman Arkham City, Bayonetta, Max Payne 3, as séries Kingdom Hearts e Star Ocean, Uncharted 3, FF13, Tales of Graces F, Tales of Legendia, Tales of Vesperia, Assassin’s Creed Brotherhood e Revelations, entre outros. Joguei pra caramba.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 30/12/2012 at 1:28 pm
    Permalink

    Meio atrasado para responder, perdoem a demora…

    tonshinden,

    Olha, o FFXIII até que não é ruim não… ok, o Metal Gear é bem melhor, mas eu não ia mais jogar mesmo… anyway, já vou trocar por outro jogo. Vou ficar no troca-troca direto, miserê total para comprar jogos por aqui ^_^

    Marvox,

    Depois de topar com tantos jogos bons em sequência, é difícil a gente não se converter, né? O Dead Space foi muito especial mesmo, enquanto eu jogava eu sentia que ia me lembrar dessa jogatina para sempre.

    Abração, Marvox!

    JJ,

    Eu também comprei o Splinter Cell — o primeiro — lá no Steam pensando em curar minha “viuvez” de Metal Gear, mas acabei não jogando. Comparando com Metal Gear, o que você achou do jogo? É muito diferente, muito parecido? O jogo se destaca ou não?

    E o Arx Fatalis tá sempre na minha wishlist do GOG, só não comprei porque já tenho jogo demais de lá para zerar, rs… o que achou do jogo?

    Gabriel Goetten,

    Ah, esse Red Faction eu peguei outro dia no Humble Bundle da THQ, mas ainda não joguei. É um jogo onde você sai explodindo tudo, né? Parece bem divertido. Vou jogar em breve.

    João ferreira,

    O Mass Effect Trilogy de Xbox vai ser uma das minhas compras de 2013!

    Rafa Tchulanguero Punk,

    O Molyneux divide opiniões mesmo. Eu gosto dele, mas entendendo quem não gosta, porque o homem é complicado mesmo, he he!

    E se você gosta de rail shooter, vai fundo no Dead Space de Wii! Bom demais!

    Ricardo (FisherDs),

    Putz, comprou Virtua Racing queimado! Que azar, velho!

    Gamer Caduco,

    Cara, pega a trilogia Sands of Time do Prince of Persia, é boa demais. Comece pelo Sands of Time mesmo, o primeiro da trilogia. Duvido que você resista a pegar o segundo (Warrior Within) depois de ver aquele final e-x-t-r-a-o-r-d-i-n-á-r-i-o.

    Hélio,

    Eu joguei só a demo do Bayonetta e adorei! Acho que vou trocar o FFXIII por ele lá no Troca-Jogo, boa dica a sua… e o que você jogou de Star Ocean? O Star Ocean 2 de PSX é um dos meus jogos favoritos, e estou curioso com esse que tem para o Xbox.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *