Olá amigos leitores do Gagá Games! Aqui é o retrogamer André Breder para levá-los em mais uma viagem no tempo, mais precisamente para o ano de 1983. Hoje no Recordar é envelhecer o game em destaque é Moon Patrol, em sua versão lançada para o Atari 2600. Tenham todos uma boa leitura e até a próxima!

Introdução

O Atari 2600 foi um console que me deu muita diversão durante minha infância, e ainda hoje alguns games deste sistema ainda continuam me divertindo como se o tempo não tivesse passado: Moon Patrol, uma conversão muito bem feita de um arcade do início dos anos 1980, é um desses jogos onde, para tirar um pouco do “stress” do dia a dia, costumo jogá-lo de vez em quando, nem que seja por alguns minutos.

A companhia Irem (a mesma de R-Type e Vigilante) foi a responsável pelo desenvolvimento de Moon Patrol para os fliperamas no ano de 1982, e como na época o Atari 2600 era uma febre, no ano seguinte a conversão para o console foi lançada. Se fizermos uma comparação entre a versão original e o port do Atari 2600, é lógico que o primeiro sai ganhando, mas a versão caseira não ficava devendo em nada no mais importante quesito que um game pode ter: diversão. A versão do Atari 2600 é tão divertida quanto a original, com a vantagem que jogando em casa não era necessário gastar dinheiro com fichas.

O Atari 2600 foi um console onde muitos de seus maiores sucessos, e também seus maiores fracassos, eram justamente ports de games lançados originalmente para os fliperamas. Felizmente Moon Patrol do Atari 2600 conseguiu ficar do lado dos vitoriosos, pois trata-se de uma versão realmente muito bem feita.

Sobre o game

Em Moon Patrol o jogador (ou jogadores, já que se pode jogar este game em dupla, sendo que cada um joga sua vez separadamente) assume o papel de um patrulheiro lunar, que a bordo de uma espécie de “moon buggy”, deve percorrer vários setores no satélite natural da Terra. Mas a “viagem” em solo lunar não é fácil, pois inimigos e obstáculos se fazem presentes para atrapalhar.

Para ser capaz de sobreviver no game, o buggy é equipado com dois canhões, sendo que um permite tiros na horizontal e o outro na vertical. Desta forma o jogador pode, ao mesmo tempo, eliminar os aliens que atacam pelos ares, e também algumas formações rochosas que costumam aparecer no caminho. Os aliens também atacarão o jogador com rajadas laser que descem na tela no sentido vertical, mas os tiros dos canhões do “moon buggy” são tão poderosos, que podem destruir os ataques inimigos facilmente. Os dois canhões são acionados ao mesmo tempo, bastando o jogador apertar o botão de ação.

Além do poder de fogo, o buggy também pode saltar! É isto mesmo, em Moon Patrol o veículo pode pular! Esta capacidade do buggy é altamente necessária para que o mesmo possa fazer seu caminho na Lua, pois o terreno é cheio de crateras, ou seja, ou você pula estes indesajados buracos, ou verá seu bubby explodir em mil pedaços. Na versão original lançada para os fliperamas, havia um botão exclusivo para se executar o pulo do buggy. Como o controle do Atari 2600 só há um botão de ação, a solução foi simples e certeira: para pular, bastar segurar o manche direcional para cima. Ouso dizer que o game ficou muito melhor desta forma, pois o corte do uso de botões acabou deixando-o com uma jogabilidade mais dinâmica.

Outro fator interessante na questão do controle do buggy, é que o jogador pode fazer uso de três tipos de velocidades diferentes: a velocidade média, que é velocidade padrão do veículo; a velocidade mínima, que é acionada ao segurar o manche direcional para esquerda/trás; e a velocida máxima, que é acionada ao segurar o manche direcional para a direita/frente. Usando de maneira sábia e correta todas estes três tipos de velocidades, o jogador será capaz de passar de maneira mais tranquila pelos obstáculos do game, bem como fugir de ataques aéreos.

Graficamente Moon Patrol do Atari 2600 segue o mesmo padrão dos games lançados para o console no ano de 1983. Mesmo com as limitações, a versão doméstica ficou muito bem feita, com as poucas cores disponíveis empregadas sabiamente para “separar” cada detalhe dos cenários, obstáculos e inimigos do jogo. Algo que chamou muito a atenção na época, foi o uso do efeito parallax scrolling, que ajudou a dar uma maior profundidade ao game e fez com que o jogador tivesse mesmo a sensação de que seu buggy estava desbravando o solo lunar, apesar do veículo na verdade só se movimentar em um curto espaço da tela.

Um detalhe impossível de passar despercebido também são as animações dos demais objetos gráficos do game: o buggy tem uma animação constante, o que ajuda ainda mais na questão da sensação de movimento do jogo; enquanto que os aliens voam com velocidade na tela. É até difícil de acreditar que um game com tão pouca memória, possa ter um resultado excelente como Moon Patrol na questão das suas animações gráficas.

Em relação a sua sonoridade, Moon Patrol também faz bonito: na questão dos efeitos sonoros nota-se um capricho por parte dos produtores, pois cada ação no game possui um som característico e único. Todos os efeitos sonoros estão bem feitos, e combinam com o clima do game de maneira perfeita.

A música também se faz presente no game: mesmo tendo apenas um tema, a música de Moon Patrol é uma daquelas que grudam na sua mente por possuir uma melodia gostosa e bacana. Alguns poderiam até dizer que o fato da música ficar tão gravada na memória do jogador seja por causa da sua exaustiva repetição, mas como eu gosto muito do tema de Moon Patrol, prefiro apontar a sua qualidade como a responsável por isso.

Em termos de dificuldade, Moon Patrol é um game bem desafiador! A cada nova etapa o jogo vai trazendo novos obstáculos, alguns colocados de forma “estratégica” para fazer com que o jogador tenha que usar sua massa cinzenta e ter reflexos rápidos para poder continuar sua jornada. Em alguns setores haverá minas terrestres que devem ser, claro, evitadas a todo custo, ou caso contrário o buggy explodirá.

Em relação aos inimigos o game também vai complicando as coisas a medida que se avança nele: já de cara temos aliens em forma de três círculos, que com seus tiros, além de destruirem o buggy do jogador, também abrem buracos no chão! O jogador deve então ter uma atenção redobrada em relação a estes inimigos, procurando eliminá-los de maneira rápida, ou caso contrário poderá ter problemas em seu percurso.

Outros setores do jogo trazem problemas também no solo, com tanques que ficam estaticamente parados no meio do caminho e fazem assim ataques diretos no jogador, que devem ser evitados ou por meio dos saltos, ou mais facilmente por meio dos tiros do buggy lunar. Em etapas mais avançadas do game, o número de tanques em um mesmo setor aumenta, e para deixar a situação ainda mais complicada, no sentido contrário, ou seja, no lado esquerdo, surgem mísseis teleguiados que, covardemente, procuram acertar o jogador pelas costas.

Moon Patrol é um daqueles games sem fim, onde o que conta mesmo é o número de pontos acumulados por cada jogador. Fora todos os perigos que são enfrentados no game, e que quando vencidos geram pontos, existem também uma contagem de tempo para cada um dos setores, onde o jogador recebe um bônus a medida que consegue terminá-los em espaços mais curtos de tempo. Seja rápido e preciso, e aumente seu placar!

Conclusão

A versão doméstica de Moon Patrol é realmente muito boa. Foi um game que eu particularmente joguei muito na minha infância e traz por conta disso, boas recordações do passado. É interressante notar porém, que ainda hoje o game continua divertido, provando que a frase de Alexey Pajitnov, criador de Tetris é a mais pura verdade: “Os melhores jogos sobreviverão para sempre”.

Recordar é envelhecer: Moon Patrol (Atari 2600)
Tagged on:             

11 thoughts on “Recordar é envelhecer: Moon Patrol (Atari 2600)

  • 22/09/2012 at 9:51 am
    Permalink

    um bom game de Atari para eu experimentar hoje. já ouvi falar muito bem desse jogo, mas nunca dei fé nele. hora de remediar isso. quando criança, via games como esse e me perguntava: o que mais falta inventar?

    valeu André, bem informativo.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 22/09/2012 at 11:56 am
    Permalink

    Atari conheço bem pouco, mas se tratando de clássicos eu joguei a maioria, moon patrol para sua época era bem legalzinho, hoje em dia não sei se consigo jogá-lo.

    Offtopic:
    onde foi parar o gagá com suas dicas de fim de semana:(
    ele podia comentar sobre o bafafá da lista dos maiores RPG´S de todos os tempos da IGN? Onde deixaram meu lindo Chrono trigger em segundo lugar perdendo para o Final Fantasy 6 🙁

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 22/09/2012 at 8:04 pm
    Permalink

    Com certeza Moon Patrol está na “série A” dos jogos Atari sem dúvida,mas este título nunca me cativou.Sempre achei muito presa a jogabilidade,não sei,algo me incomodava em Moon Patrol.
    Este é um bom exemplo de jogo que entra em qualquer lista “top games Atari” porque ele é bem feito mesmo,mas na minha lista pessoal não alcança um Top 20,por exemplo.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 22/09/2012 at 10:38 pm
    Permalink

    Moon Patrol foi o primeiro arcade que joguei na vida (em 83 , o primeiro game foi o Telejogo em 79 , não , não sou velho não…).

    Engraçado que a Atari fez excelentes conversões como Asteroids , Space Invaders e Moon Patrol e ao mesmo tempo porcarias como Pac-man (como todo mundo falava , mas eu achava muito legal , não conhecia o original até 90 no Nintendinho , aliás Phantom System , he he) .

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 23/09/2012 at 8:23 am
    Permalink

    Boa lembrança essa, Breder!

    No console eu joguei pouco essa belezinha, mas esse é um game que merece ser desfrutado sempre.

    Como sempre, excelente matéria, parceiro!

    Abraço do Strider!

    Ps: Você poderia fazer um Recordar é envelhecer sobre o Kung Fu Master do Atari…
    Ficaria show!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 25/09/2012 at 5:40 pm
    Permalink

    Grande jogo e principalmente grande música, dessas grudentas que ficam pra sempre na mente. O 2600 tinha muitos jogos sem bgsound, e esse deve ter ganhado ainda mais destaque por isso.

    Aliás, MP foi um que eu esperei pra ver um remake oficial e nunca aconteceu. Imaginava um game com visão mais tradicional, tipo jogos de corrida… talvez um “F-Zero” lunar.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *