Olá amigos do retiro dos artistas! Aqui é o velhote André Breder trazendo até vocês mais uma edição do Recordar é envelhecer! Hoje vou relembrar um clássico do Nintendo 8 Bits: Ninja Gaiden, o “primeirão”, aquele que deu início a famosa trilogia no NES! Tenham todos uma boa leitura e até a próxima!!!

Introdução

Durante os anos 1980/1990 era comum filmes e desenhos animados com ninjas. Comum não, era uma verdadeira doença! Isto acabava refletindo diretamente na infância de quem viveu esta época: pegar espadas de plástico (ou mesmo de papelão ou madeira) e fazer máscaras ninja com a blusa para brincar na rua, era algo corriqueiro.

Nos games não poderia ser diferente, e especialmente durante este período da “febre ninja”, muitos títulos com heróis mascarados armados com afiadas katanas surgiram. Durante a “guerra” entre os consoles da terceira geração, de um lado tinha a SEGA e sua excelente franquia Shinobi, e do lado da Nintendo, a Tecmo foi responsável por fazer uma franquia que pudesse rivalizar à altura: Ninja Gaiden.

Mesmo que posteriormente a série Ninja Gaiden também fosse aparecer nos consoles da SEGA, foram os primeiros três games lançados para o NES que mais fizeram sucesso entre os fãs da franquia durante a era dos consoles de 8 Bits. Para uma série vir a existir, o primeiro game tem que ser muito bom, logicamente. E a Tecmo mostrou isso no primeiro Ninja Gaiden, que eu irei relembrar em maiores detalhes nas próximas linhas…

Sobre o game

O primeiro jogo da trilogia Ninja Gaiden nos consoles de 8 Bits da Nintendo foi lançado em 1988 no Japão e em 1989 nos Estados Unidos. Apesar da série Ninja Gaiden ter se tornado famosa entre os game maníacos do Brasil somente a partir do segundo episódio, boa parte disso graças a divulgação deste jogo nas páginas da antiga e extinta revista Videogame, muitos destes jogadores procuraram depois pelo primeiro jogo da série Ninja Gaiden para saber como tudo começou.

Ninja Gaiden conta a história de Ryu Hayabusa, o último descendente de um clã de ninjas, possuidores da Espada do Dragão. Ryu encontra uma carta de seu pai, Ken Hayabusa, no quarto dele. Ken foi morto num duelo dias antes. Na carta ele explica que, se não retornasse vivo, que Ryu fosse para os Estados Unidos procurar Walter Smith, um arqueologista que guarda uma estranha estátua. Esse artefato foi descoberto por Walter e Ken em uma expedição na Amazônia, e cabe a Ryu descobrir a origem e a história por trás dessa estátua.

Algo que ficou marcante nos jogos da série Ninja Gaiden são os efeitos de câmera cinemáticos durante a transcrição das fases. Uma técnica pioneira que tornou a série única no NES.

A principal arma de Ryu é sua Espada do Dragão, mas ele também pode usar diversas armas secundárias, como estrelas-ninja diversas, o poder de soltar bolas de fogo, entre outras coisas.

Os gráficos são simples mas com cenários bem construídos e cheios de detalhes. E falando em cenários, eles são bem variados. A animação do personagem principal está bem legal, assim como dos inimigos do herói ninja. As cenas cinemáticas são um show a parte e ajudam o jogador a não perder nenhum detalhe da história, além de passar mais emoção para a mesma.

Os efeitos sonoros são como os gráficos principais do jogo, bem simples, mas cumprem bem o seu papel. Poderiam até ser melhores mas isso é algo que não prejudica em nada na diversão que Ninja Gaiden proporciona. As músicas são excelentes! Trilha sonora grudenta e que passa para o jogador todos os diversos climas da aventura com maestria.

Os controles funcionam bem. Todos os ataques saem sem atrasos e bem rápidos. Isso é necessário pois o ritmo de Ninja Gaiden é realmente alucinante,

Difícil… realmente muito difícil! Ninja Gaiden é daqueles jogos “casca grossa” do NES, proporcionando um desafio bem alto para os jogadores.

Nem pense em voltar para trás com seu Ninja, siga sempre em frente e detonando tudo o que encontrar pela frente, caso contrário inimigos já vencidos voltarão do nada para transformar sua vida em um inferno! Basta voltar alguns centímetros para aquele inimigo chato que você matou aparecer de novo pulando em cima de você.

Os estágios são cheios de abismos, o que só dificulta ainda mais a vida do jogador, e os chefões do game são um mais difícil que o outro. Se você já chegou no final de Ninja Gaiden pode se considerar um verdadeiro Mestre Ninja.

Conclusão

Ninja Gaiden foi o início de uma das séries de maior sucesso no NES. Um jogo bem construído, com alta dosagem de diversão e um desafio de fazer os jogadores mais “patos” fugirem correndo para os colos de suas “mamães”. Um clássico eterno da era 8 Bits.

Recordar é envelhecer: Ninja Gaiden (NES)
Tagged on:             

21 thoughts on “Recordar é envelhecer: Ninja Gaiden (NES)

  • 27/10/2012 at 6:44 am
    Permalink

    o melhor Ninja do mundo…depois do Batman. da trilogia, o Ninja Gaiden 1 é o que mais gosto e o menos dificil de chegar ao chefe final(na minha opinião, acho o Ninja Gaiden 2 mais dificil), mas a luta com ele…ai é outros quinhentos. o game meio que tiro de letra, até depois de enfrentar o pai do Ryu…fica tenso o negócio rapaz.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 27/10/2012 at 7:54 pm
    Permalink

    Eu gosto muito desse Ninja Gaiden,joguei ele depois de conhecer o 2,foi bem pra conhecer o primeiro mesmo, e realmente é difícil pra K****ho mas ao invés de fugir pro colo da minha mamãe,he he he,reuni com mais 2 amigos na época e uma revista de games na mão na sala de casa e uma TV de Tubo bem na frente…pronto tava pronta a “sala de torturas” mas sofrer com amigos é mais divertido he he he e em dois dias zeramos Ninja Gaiden,bem daquele jeito:
    Enquanto um joga o outro memoriza a tela e pensa em formas mais eficientes de passar por um determinado desafio…enfim um co-op à moda antiga.
    Sozinho? Nunca terminei esse jogo cruel!!!
    Ainda pretendo emular sem usar Saves como sempre,mas vai ser fod* eu sei. 🙂

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 27/10/2012 at 11:02 pm
    Permalink

    Piga “the ancient alien”:
    Rapaz, Ninja Gaiden é carne de pescoço. Nunca passei do segundo chefe quando eu jogava no meu Turbo Game da CCE. Bons tempos!

    Turbo Game CCE?
    Se for do modelo com o “controle megadrive invertido” e duas entradas 60/72 pinos em cima…bom eu tinha um desses e zerar qualquer coisa nele era complicado,tive que me acostumar com o controle aos poucos,aquilo era bizarro,mas eu curtia meu CCE mesmo assim!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 27/10/2012 at 11:22 pm
    Permalink

    O que esperar de um jogador com dez anos de idade em um jogo como Ninja Gaiden, haehehe!! Meu até pra pular de plataformas em plataforma era FO#A! Aquele controle do TOPGAME era horrível! Alguns chefes era necessário golpea-los com precisão milimétrica em pontos extremamente cabulosos de alcançar! Mais se não fosse desse jeito, não teria graça não é mesmo!! AMO DE MAIS TUDO ISSO!!!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 27/10/2012 at 11:28 pm
    Permalink

    Caraca, esse ai me desafiou muitas vezes e posso lhe dizer que os efeitos sonoros apesar de simples cumpriam bem a função que em conjunto com o gráfico e jogabilidade completavam o clima (só pra constar eu joguei muito numa TV PB). Se não me engano foi também nesse que havia código (ou BUG SEI lá 🙂 ) que o ninja andava “PARADÃO”. MUITO LOCO! HEHEHE.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 28/10/2012 at 5:36 pm
    Permalink

    um clássico dos clássicos….particularmente gosto muito da série 8 bits!!!!ninja gaiden trilogy não gostei,,,perdeu um pouco no som, mas a jogabilidade prevalece,,,,ultimamente jogo muito ninja gaiden 3 do nes,,,lembro da edição da revista video game com o ninja gaiden na capa,,,marcou muito para mim essa edição….bons tempos!!!!infelizmente a geração pitchula mete o pau nos jogos antigos e falam que as versão blablabox e playstation da vida é melhor,,,estão comparando em gráficos e produção,,,mas eles não lembram de falar de toda uma história que existe sobre a era 8 bits,,,bons tempos!!!!dukaralho!!!!se não fosse a geração 8 bits não teriam esses jogos de hoje,,,,valeu!!!!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 28/10/2012 at 6:38 pm
    Permalink

    Um dos melhores se não o melhor jogo de NES na minha opinião.Foi um dos que eu mais joguei na infância mas lógico que não terminei naquela época.Mas ano passado tomei coragem e terminei esse e Ninja Gaiden I e o II(que ficou bemmm mais fácil que o I).A lógico Sem Save States,Porque se não perde a graça
    agora ta dificil é terminar o 3 com seus 5 continues….e pra piorar tem muitas fases!!!
    se não me engano cheguei na 9 ou 10 e morri!!!…Ver a tela de game over depois de chegar tão longe é triste haushaushuahsuahsua
    boa review andré
    Flws o/

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 29/10/2012 at 8:03 am
    Permalink

    Dei uma sumida mas apareci e ai turma??

    Esse ai tive a honra de terminar ele naquele bizarro e maldito controle do Top Game VG 8000.
    Foi um dos primeiros consoles que tive a honra de ter.

    Esse jogo até hoje lembro como era díficil, principalmente as últimas etapas em que voce tinha uns abismos para pular milimétricamente e vinha passaros do inferno para tentar fazer voce cair (rarissimas vezes vc nao caia).

    Infelizmente achei que a série se descaracterizou muito, são bons jogos mas penso que tirou esse clima anos 80 que o jogo tem.

    A trilha sonora dele mesmo com seus midis é de uma emoção forte mesmo, fazendo os velhinhos chorarem quando lembram.

    Eu sou a favor de remakes de determinados jogos mesmo em 2d e esse merecia um remake.

    Se eu tivesse tempo de estudar programação ou me permitir a isso quem sabe eu nao ressucite essa obra prima ao meu modo…?

    Abraços Andre e valeu.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 29/10/2012 at 8:10 am
    Permalink

    Dactar: Turbo Game CCE?
    Se for do modelo com o “controle megadrive invertido” e duas entradas 60/72 pinos em cima…bom eu tinha um desses e zerar qualquer coisa nele era complicado,tive que me acostumar com o controle aos poucos,aquilo era bizarro,mas eu curtia meu CCE mesmo assim!

    Esse mesmo 😀

    A CCE lançou o Top Game que tinha o controle quadradinho e depois lançou o Turbo Game, com os controles de Mega invertidos. O console em sí era o mesmo dual slot 60/72 pinos. O que mudava eram os controles e o nome.

    A propósito, adorava o meu também e até hoje acho um dos melhores clones de NES já lançados. E a melhor coisa fabricada pela CCE 😀

    Falow! 😀

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 29/10/2012 at 12:06 pm
    Permalink

    Ninja Gaiden (NG)…
    Este foi o maior responsável em ter inveja dos donos de NES. Mesmo o Master System, meu console na época, tendo jogos irados, a Nintendo possuia as principais franquias “sob seus domínios”.
    Quando eu vi a apresentação de NG, toda em “filminhos” (como dizia naqueles tempos), eu fiquei embasbacado. Com um Super Charger emprestado, fui na locadora e, em casa, passei a assistir à história de abertura várias vezes seguidas.
    A música desta mesma abertura, tem todo um clima bem propício e nunca mais saiu de minha cabeça. Agora mesmo, ao digitar essas linhas, ela está ecoando em minha mente.
    Bons tempos foram aqueles…

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 30/10/2012 at 8:26 am
    Permalink

    Nunca cheguei a terminar. Na verdade, só criei gosto pelo estilo hack’n slash a partir de God of War, mesmo sendo jogador das antigas. Foi depois dele q eu fui atrás dos DMCs, Bayonetta, NG, Shinobi, etc., da vida.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 06/11/2012 at 9:20 am
    Permalink

    Piga “the ancient alien”:
    Rapaz, Ninja Gaiden é carne de pescoço. Nunca passei do segundo chefe quando eu jogava no meu Turbo Game da CCE. Bons tempos!

    Zerei ele no meu Turbo Game, verdade o controle não ajudava muito, mas como vc disse eu tbm amava o meu console. Aliás tenho ele guardado só esta com defeito os controles não funcionan.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 09/11/2012 at 2:22 am
    Permalink

    muito bom antes da metade da decada de 90, foi o ninja gaiden que eu mais sofri pra terminar, os outros dois foram bem mais faceis, principalmente o 3, que é bobinho de tudo pra zerar, o 2 médio, mas facil tbm, esse foi o mais dificil devido as duas ultimas formas do chefão final

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 09/11/2012 at 2:40 am
    Permalink

    eu vejo a série ninja gaiden do nes nesta ordem, 1 HARD, 2 NORMAL, 3 EASY, pois o ninja gaiden 3 é o mais facil de se terminar, enão kerendo me dizer o bonzão, mas dei perfect em todos os chefes do ninja gaiden 3, no 2 faltou, na primeira forma do ultimo chefe, ja no 1, faltou, uns 3 pra dar perfect, mas nem comparação ninja gaiden 1 em termo de tacar o controle do meu turbo game no chão na época, foi o campeão..hehehehe…tudo pcausa da segunda primeira forma do ultimo chefe depois que vc derrota, o pai do Ryu.
    AGORA OS NOVOS DA GERAÇÃO 3D, SÃO LEGAIS MAS PERDEU A ESSENCIA DA HISTÓRIA, KD A IRENE LEW, NO JOGO KD O COMBANTE MORTAL CONTRA JAQUIO, COMEÇOU UMA HISTÓRIA NOVA, E EU NA ÉPOCA ERA GAMADO NA IRENE..EHEHEHEHE……o msm aconteceu com shinobi, perdeu o foco da história original, JOE MUSAGI E O ETERNO CHEFÃO ZEED, desapareceram, seria legal continuarem a história original, e não inentar novas histórias, quantos jogos hj ele sfazem isso, reiventam, pra kem é da época de ouro dos videogames, perde a graça, ja para os que não são dessa época e só kerem saber de graficos, bom sem comentarios, pois pra mim um jogo não se baseia em graficos e sim em diversão e dificuldade, e no caso dos jogos antigos a história, que nos novos que lancaram perderam o foco real delas, é isso.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *