Shows de chiptune em São Paulo

E mais uma vez, o Gagá vai lançar sete pragas sobre os paulistas, porque ele mora no Rio e morre de inveja da turma que vai poder comparecer à Campus Party para ver shows de Game Music, como o Caduco já avisou por aqui.

Dentre celebridades como o Mega Driver e o 8 Bit Instrumental, alguns nomes anunciados podem gerar um “quem?” coletivo. É que tem uma turma ainda mais alternativa aí nesse meio, a turma do Chiptune. Sim, aqueles doidos gênios que fazem música com Game Boy, Famicom e afins. Quer saber mais sobre chiptune? Clique aqui.

Pulselooper é um desses artistas fantásticos. Ele canaliza sua mistura de punk, pop e funk através dos chips de som do Game Boy e do Nintendo DS. Coisa de louco mesmo, um barato. Já o Subway Sonicbeat traz influências de Joy Division, David Bowy, Kraftwerk e… Sonic :)

subwaysonicbeatSubway Sonicbeat, fazendo o povo gamer feliz

Mas não é só isso. Além dos shows na Campus Party, os dois também vão tocar no SESC Paulista, onde também ocorrerá o show do Droid-ON, que faz música com emuladores e chips dos consoles da Nintendo. Segundo a página do Droid-ON no MySpace, “a performance ao vivo inclui, principalmente, músicas autorais e covers dos grandes clássicos subestimados do videogame, como Ninja Gaiden e Penguin Adventure”. Onde é que eu assino? :)

Para completar a festa, teremos ainda uma oficina de Famitracker com o Eduardo Melo. O Famitracker é um programinha gratuito para Windows que permite compor música para sistemas NES/Famicom. *inveja dos paulistas de novo*

Todos esses artistas são integrantes do Chippanze, que é uma espécie de selo brasileiro de chiptune. Vale a pena visitar o site do Chippanze para ficar por dentro do cenário brasileiro de chiptune e conhecer artistas novos. Vamos aos links?

Seguem os dois flyers com as datas e horários dos shows na Campus Party e no SESC Paulista:

flyer_chippanze_campus1 flyer_chippanze_paulista1

About Orakio Rob, "O Gagá"

Dono do império corporativo Gagá Games, o velho Gagá adora falar sobre si mesmo em terceira pessoa. E sim, é ele mesmo que está escrevendo este texto.