Recordar é envelhecer: Ninja Gaiden (Arcade)

Olá amigos do Gagá Games! Aqui é o retrogamer André Breder trazendo até vocês mais uma edição do Recordar é envelhecer. Hoje vou recordar um dos games mais difíceis já lançados para os fliperamas que eu conheci na vida: Ninja Gaiden! É um jogo que literalmente engolia fichas e mais fichas de tão complicado! Bem, tenham todos uma boa leitura e até a próxima semana!

Introdução

Ao contrário do que muitos pensam a série Ninja Gaiden não teve seu começo no NES e sim nos arcades: a versão de Ninja Gaiden para os fliperamas foi produzida e lançada em Outubro de 1988 nos Estados Unidos, e no ano seguinte no Japão e demais países da Europa. É até curioso notar que este game acabou sendo lançado primeiramente no mercado americano ao invés do japonês. O motivo para isso talvez, seja porque este game foi desenvolvido numa tentativa de agradar em maior parte a audiência americana, ainda mais que toda a trama do jogo se passa nos Estados Unidos.

O Ninja Gaiden dos fliperamas é mais voltado para o gênero beat-’em-up, e sua história nada tem a ver com os eventos mostrados na trilogia do NES. Apesar de o protagonista ser visualmente o conhecido Ryu, oficialmente ele não possui nome. E ainda existe a possibilidade de se jogar em dupla, comandando outro ninja onde a única diferença é a cor de sua roupa, que é vermelha.

A história do game é básica e simples: Os ninjas devem cumprir a missão de vencer um culto maligno de seguidores de um descendente de Nostradamus, que deseja cumprir as profecias finais de seu antepassado.

Sobre o game

Em termos gráficos o game apresenta uma qualidade muito boa: todos os personagens possuem um design bem bacana, que em mais uma prova que o game foi feito mesmo com o público americano em mente, está bem próximo do estilo usado em HQs, ao invés do Mangá. Os cenários são bem construídos e trazem muitos detalhes de fundo. Este foi sem sombra de dúvidas o game da franquia com os melhores gráficos, até o lançamento dos games mais recentes da franquia que saíram para o Xbox e Xbox 360.

Na questão da sonoridade o game é mediano: apesar de trazer efeitos sonoros bem feitos e o uso de algumas vozes digitalizadas, a trilha sonora é muito inferior a que seria ouvida na trilogia do NES, com músicas que nunca serão memoráveis. Agora algo curioso se nota na trilha do Ninja Gaiden do arcade: o tema musical dos chefes das fases 2 e 5, é muito, mas muito parecido com a clássica música “Iron Man” da banda inglesa Black Sabbath. Como eu nunca vi nenhuma informação falando a respeito da banda ter cedido esta música para o game, eu diria que foi um belo plágio ou pelo menos uma bela homenagem, já que se trata de uma música que eu particularmente gosto muito.

A jogabilidade é boa e fluente, com todos os comandos podendo ser executados de maneira precisa. A principal forma de atacar aqui é na base de sequências de socos e chutes, ou por meio de “balões”. Pode se ainda se pendurar em postes e outras plataformas para atacar os inimigos por outros ângulos. Apesar dos ninjas do jogo estar sempre com suas espadas nas bainhas localizadas em suas costas, eles só podem utilizá-las ao se pegar um item especial durante as fases. E por falar em itens, não existem nesta versão nenhum item especial ou armas secundárias, só itens que restauram um pouco da energia perdida.

Em termos de dificuldade, o Ninja Gaiden dos arcades é difícil… extremamente difícil! Todo bom fliperama do final da década de 80 que se preze tinha que ser difícil, para assim obrigar que nós, pobres jogadores, gastássemos toda nossa mesada ou salário com fichas, dando um grande lucro as casas de jogos eletrônicos. Só que no caso de Ninja Gaiden a dificuldade beira o absurdo, com inimigos que te atacam de forma rápida e devastadora! Não pense, aja, ou caso contrário irá ser espancado até a morte neste game dos infernos! Em estágios mais avançados do game os inimigos atacam em grande número e alguns chefes fazem com que você perca uma vida com um único golpe! Ninja Gaiden é com toda certeza um dos arcades mais difíceis já lançados!

Conclusão

Apesar de não ser um game indicado para todos os jogadores, principalmente por seu alto nível de dificuldade, a versão de Ninja Gaiden lançada para os fliperamas é garantia de diversão para os gamers mais “hardcore”, mesmo que eu duvide que algum deles tenha a “manha” de terminar este dificílimo game com apenas uma ficha…

About André Breder

Um gamer que não tem preconceitos: curte tanto os games clássicos, quanto os novos, e nunca deu preferência para nenhum console ou empresa específica do mercado. Tanto que criou um blog sobre games de todas as épocas, chamado Blog do Breder.