Recordar é envelhecer: Golden Axe (Arcade)

Olá leitores do Gagá Games! Aqui é o seu amigo André Breder trazendo até vocês mais uma edição do Recordar é envelhecer! Hoje vou relembrar um grande clássico dos arcades: Golden Axe! Tenham todos uma boa leitura e até o próximo Sabadão!

Introdução

Golden Axe foi um game criado através da mente brilhante de Makoto Uchida, que já havia mostrado antes seu talento no clássico Altered Beast. Na época em que Uchida planejava como seria sua próxima criação, ele estava fascinado pelo mundo fantasioso do RPG Dragon Quest, e desejava fazer um game que seguisse esta linha.

Mas os executivos da SEGA queriam algo mais simples, e que pudesse ser comercializado no mercado de arcades, que foi uma área onde a empresa sempre desenvolveu grandes títulos. Golden Axe acabou então se tornando o violento e viciante hack ´n slash que todos adoramos. Inspirado pelo filme de 1982, Conan – o Bárbaro, estrelado pelo então desconhecido Arnold Schwarzenegger, Uchida e seu pequeno time de apenas cinco pessoas começaram a desenvolver um jogo onde jogadores poderiam se divertir de forma simultânea, em um mundo medieval cheio de fantasia.

Em 1989 Golden Axe foi lançado para os arcades, e logo se tornou um estrondoso sucesso! Os jogadores poderiam escolher entre três guerreiros distintos, sendo que até duas pessoas poderiam então lutar contra as forças do mal juntas, em um universo onde teriam criaturas místicas para usar como montaria, poderes mágicos para utilizar e muitos inimigos para destruir.

Sobre o game

A aventura em Golden Axe se passa no mundo de Yuria, um terra medieval mágica que está passando por um momento difícil: forças malignas se uniram, e formaram um grande exercíto composto até mesmo por criaturas mortas-vivas, espalhando o caos e morte em todos os cantos. Até mesmo os guardas reais são mortos, permitindo que as tropas malignas sequestrassem tanto o rei quanto a princesa de Yuria, deixando então o povo em total desespero. Para tornar tudo ainda pior, o mal se apoderou também do lendário “Golden Axe”, uma arma capaz de dar grandes poderes ao seu possuidor, e as tropas das trevas desejam usá-lo para ressuscitar seu mestre, o temível Death Adder.

Tudo parecia perdido, mas três bravos guerreiros, dotados de grande força e poderes mágicos, se unem para enfrentar as tropas das trevas: Ax-Battler, um forte guerreiro com grande habilidade no manejo de sua espada; Gilius Thunderhead, um astucioso anão vindo das minas de Wolud e munido de um grande machado; e Tyris-Flare, uma amazona de grande força e destreza. Agora toda a esperança do povo de Yuria repousa nestes três guerreiros, que terão que encarar grandes desafios até serem capaz de estar frente a frente com a fonte de todo mal que assola o seu mundo.

Um dos charmes de Golden Axe com certeza é a possibilidade de utilizar magias elementais para vencer os inimigos com uma maior facilidade. Só que para fazer uso de todo este poder extra, os heróis devem antes obter poções mágicas, que são conseguidas com certos duendes que aparecem no decorrer da aventura. Cada um dos personagens do jogo possui um tipo de magia, sendo que a amazona Tyris é a que possui o maior poder mágico, sendo que sua magia em estado máximo necessita do acúmulo de 9 poções. Ax-Battler é o personagem que possui o poder mágico mais moderado, e o anão Gilius é o mais fraco em ataques deste tipo.

Em contrapartida Gilius é o mais forte em relação aos ataques físicos, enquanto que Tyris é a mais fraca e Ax-Battler se mantém como o personagem mais moderado também neste quesito. A escolha fica a cargo do jogador escolher qual tipo de herói utilizar: jogadores mais habilidosos muitos vezes poderão dar preferência a força descomunal de Gilius, que é capaz de eliminar os inimigos com menos golpes do que seus companheiros. Outra característica bacana em Golden Axe, e que na época foi algo inovador, é a possibilidade de se utilizar três tipos de criaturas como montaria: Cockatrice é um ser que parece ser o cruzamento de uma ave com um réptil, e utiliza sua cauda para atacar; já o Blue Dragon pode disparar rajadas de fogo nos inimigos que estejam próximos, enquanto que o Red Dragon é mais indicado para atacar inimigos a distância, já que pode disparar bolas de fogo que cortam toda a tela do jogo.

Em relação aos seus gráficos Golden Axe também chamava atenção na época em que foi lançado, e até hoje continua sendo um game bonito de se ver. As fases são bem elaboradas e diversificadas, e por conta de Yuria ser um mundo cheio de fantasia, isso permitiu que os designers das fases do jogo pudessem extrapolar a nossa realidade, criando etapas onde os heróis lutam em um vilarejo que fica sob o casco de uma tartaruga gigante ou então voam pelos céus “a bordo” de uma águia de enormes proporções.

Tanto o design dos heróis, quanto dos vilões, ficou muito bem feito, servindo de base para os jogos posteriores que seriam lançados da franquia Golden Axe. Para aqueles que só jogaram a versão que seria lançada depois para o Mega Drive, a versão original mostraria alguns detalhes técnicos extras, como a presença de uma maneira melhor explorada do amanhecer e entardecer durante algumas fases do jogo. A versão doméstica até possui este efeito, mas ele só é visto nos momentos em que se enfrentavam os chefes de fase. Já no Golden Axe original esta passagem de tempo ocorre também no começo de algumas fases.

A presença de um maior número de NPCs também pode ser facilmente observada na versão original de Golden Axe, e aqui os inimigos derrotados não somem, mas ficam com seus corpos estirados no solo. Algo bacana também, e que é exclusivo da versão arcade, é a animação que ocorre quando os jogadores chegam na última parte do jogo, e se deparam com vários corpos de pessoas na sala do trono, que em um ritual macabro são utilizadas para trazer Death Adder de volta a vida. E claro, eu não poderia deixar de citar as animações que ocorrem durante o uso das magias no game, que ficaram literalmente animalescas!

A parte dos efeitos sonoros também é caprichada, e cada ação tem um som particular e característico. E se formos comparar com a versão lançada para o Mega Drive, a original ganha mais uma vez, pois tem efeitos sonoros mais bem feitos e também mais variados. Aqui até o duende que carrega poções emite um grito quando é atingido. A trilha sonora é, para muitos, a parte mais especial do jogo, e com razão, pois o Golden Axe original possui músicas literalmente épicas! Não existe uma música ruim sequer, tudo é do mais alto nível! As fortes melodias de Golden Axe são tão boas, que mesmo após mais de vinte anos elas ainda continuam na memória de quem jogou o game.

A jogabilidade é bem básica, sendo que o manche direcional movimenta os personagens na tela com precisão, e existem três botões de ação: um reservado aos pulos, outro para os ataques e o último para acionar a magia de cada um dos personagens. Dando dois toques para qualquer um dos lados (esquerda ou direita) os personagens irão correr, podendo assim aplicar golpes na sequência em adversários que estavam antes em uma distância segura, ou mesmo dar um grande salto e cravar suas armas bem em cima dos inimigos. É, Golden Axe é um game violento baby! Ainda em relação aos comandos do game, apertando ao mesmo tempo os botões de pulo e ataque, os personagens executam um golpe na direção contrária a que estão “olhando”. Este tipo de ataque é ótimo para surpreender inimigos que estejam atacando pelas costas.

A dificuldade do game é crescente, e fica terrível nas última fases! Os inimigos atacam em pequenos grupos, mas agem de maneira conjunta mesmo, e muitas vezes o jogador tem que parar uma sequência de golpes em um inimigo para não ser atingido por outro na mais pura covardia! Entre os inimigos menores do game, destaque para os terríveis guerreiros esqueletos, que são muito ágeis e executam combos com grande precisão. Durante a jogatina em Golden Axe, o jogador deve ter cuidado também para não cair em alguns abismo que existem em determinadas etapas do jogo, pois senão, perderá uma vida no ato! Em relação aos chefes, o game também dá trabalho: muitos atacam em dupla, tornando tudo duas vezes mais difícil! Death Adder é o mais difícil de todos, não muito por ele próprio, mas por seus petulantes ajudantes.

Conclusão

Golden Axe pode ser facilmente considerado como uma das obras primas criadas pela SEGA! Um game que serviu de base para todos os hack n´slashs que surgiram após ele, e que gerou uma franquia que fez muito sucesso, principalmente no Mega Drive. É uma pena que hoje em dia a franquia esteja mais uma vez na geladeira, tendo em vista a má repercussão obtida pelo último game que carregou o título Golden Axe… infelizmente os tempos são outros, e a SEGA definitivamente já não é a mesma de outrora.

About André Breder

Um gamer que não tem preconceitos: curte tanto os games clássicos, quanto os novos, e nunca deu preferência para nenhum console ou empresa específica do mercado. Tanto que criou um blog sobre games de todas as épocas, chamado Blog do Breder.