bann-cruzada_nes_horizontal

Penúltimo post do ano de 1986… hoje nós vamos falar sobre uns joguinhos que você talvez não conheça, mas que são muito bacanas. Um deles me pareceu particularmente interessante, e acho que vocês também vão curtir. Claro, tem um baita clássico e as habituais bombas também!

fbi_is_watching_youVamos começar com um daqueles joguinhos obscuros que quase ninguém conhece. Você liga o console, a tela fica preta, e um textinho amarelo começa a correr… você já entra no clima, imagina aquela mensagem de “o ano é 199X, e forças sinistras começam a despertar ao redor do mundo…” Aí você nota que é só um texto grande, ameaçador e desnecessário alertando sobre a pirataria e ameaçando você de morte por envenenamento se você violar os direitos autorais do jogo.

Mas por que essa frescuragem toda? Porque não estamos falando de um jogo qualquer, estamos falando de Mobile Suit Z Gundam — Hot Scramble. Sim, Gundam, aquele anime que é um tremendo sucesso no Japão e que você só viu se for ainda mais nerd do que eu.

Gundam está longe de ser um grande jogo, mas é interessante. O jogo alterna rapidamente entre três tipos diferentes de fase: você começa jogando algo parecido com Space Harrier na superfície de um planeta, aí vai para o espaço com a mesma visão, mas com maior liberdade. Por fim, entra numa espécie de Thexder (conhece esse jogo?). Isso tudo parece muito legal, mas não é, porque nenhum tipo de jogabilidade foi bem desenvolvido. Ainda assim, é interessante de se ver.

gundam-001gundam-002gundam-003

Eu lembro de quando joguei Pitfall no Mega Drive (ou seria no Super Nintendo? Não lembro). O jogo era uma droga — quando achei o Pitfall original escondido em uma fase eu viciei e não voltei mais para o remake — mas pelo menos os gráficos eram bonitos. Mas o NES também tem um Super Pitfall… e é uma droga. Lembro que aluguei essa bomba na época.

O que me intriga nesse Pitfall é que quando o herói morre ele fica girando de um jeito estranho, parece que tá baixando um santo… vejam só esse negócio:

pitfall-003pitfall-nes

Num primeiro momento os gráficos podem parecer bons, mas a verdade é que eles são bem sem graça. E que diabos é isso, o cara dá piruetas quando morre?

Felizmente o NES não é feito só de bombas… em setembro, saía o excelente-amado-idolatrado-pelo-gagá Adventure Island. Espetáculo de jogo, eu adoro. Quem já conhece o Wonderboy original não vai ver grandes novidades, é basicamente o mesmo jogo com um personagem diferente, eu já contei essa história aqui. É um joguinho de plataforma simples, mas muito carismático e divertido. Teve continuações que eu nunca joguei, estou doido para chegar nelas aqui na cruzada.

adventureislandwonderboy

Adventure Island e Wonder Boy: mais do que uma mera semelhança

Mas Adventure Island é meio que clássico… vamos falar de um jogo que você provavelmente não conhece, mas que é muito bacana e merece alguns minutos da sua atenção: King’s Knight.

Kings Knight é um shoot ‘em up vertical. E daí? Bom, o jogo usa guerreiros, magos e afins como sua “navinha”, o cenário inclui florestas e outros ambientes típicos de RPGs, e foi lançado pela Square! É muito doido, e bastante divertido. Difícil pra chuchu também. Você controla quatro personagens diferentes, cada um com uma fase diferente. Morreu com um? O jogo muda para o outro, com seu respectivo cenário. Há powerups, subfases e chefes. Muito, muito interessante.

kingsknight-000kingsknight-001

kingsknight-002kingsknight-003

Ecos de Knight Mare neste joguinho… muito interessante mesmo. Pena não ter tido uma sequência.

E vamos falar de um clássico para agitar as coisas por aqui? Então tomem: no dia 26 de setembro de 1986, era lançado Akumajo Dracula, mas conhecido nas rodas de samba como Castlevania. Sim, o primeirão, o original. A primeira vez que eu joguei Castlevania foi no MSX, onde o jogo deu as caras pela primeira vez. Para a época o jogo era o máximo, mas a jogabilidade tinha SÉRIOS problemas (tipo, era quase impossível zerar o jogo). A versão do NES promoveu algumas mudanças, e na minha humilde opinião ficou bem mais palatável.

castlevania-nes-001castlevania-nes-002

Cara, isso é que é abertura style!

O jogo saiu no Japão para Famicom Disk System, e permitia ao jogador salvar o jogo. A turma do ocidente teve que se contentar com as asquerosas e nada saudosas passwords.

Eu zerei Castlevania III outro dia, então jogar este aqui não foi exatamente uma experiência divertida. O jogo parece meio lento e sem sal, mas isso não quer dizer que seja ruim: só quer dizer que a Konami pegou algo que já era bom e melhorou terrivelmente com o passar do tempo. Vale uma jogadinha, pelo menos para dizer que conhece o jogo.

Lembram daqueles joguinho educativos da série Keisan? Pintou outro, o Keisan 4. Neste a coisa complica: o jogo começa como um shoot ‘em up lateral e meio sem graça. Aí você passa para outra fase: seu boneco aparece na tela, números à esquerda, conta de multiplicar à direita, e você tem que catar o número que completa a conta. Só que aparece um monte de tiro, é difícil esse treco!

keisangame4

Peraí, caramba, eu tô contando! PUtz, 3,33 vezes 79? Quem foi o sádico que programou esse jogo?!

Semana que vem a gente volta para ver como foi o natal de 1986!

Cruzada NES: shoot ‘em up medieval com 11 letras, quem sabe essa?

28 ideias sobre “Cruzada NES: shoot ‘em up medieval com 11 letras, quem sabe essa?

  • 25/06/2010 em 10:15 am
    Permalink

    Outro jogo de voo do NES com temática medieval e que vale muito à pena é o excelentíssimo Advanced Dungeons & Dragons – Dragon Stryke.

    Você escolhe um entre três tipos de dragão (dourado, de prata e de bronze) e deve cumprir missões pelo mapa de Ansalon o continente principal da linha de RPGs Dragonlance.

    O mais interessante é que o jogo possui dois níveis de altura para seu dragão voar e você combate diversos tipos de criaturas como gigantes, krakens, navios piratas e, é claro, outros dragões.

    Existe também a versão para os computadores PC-DOS, Amiga e Commodore, onde o jogo parece-se mais um simulador de voo convencional onde além do dragão você comando um cavaleiro com uma lança em um ambiente 3D.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 25/06/2010 em 11:27 am
    Permalink

    Kings Knights parece ser bom, o Castlevania I – para que já zerou algum outro – não tem muita graça, mas se para quem não conhece – e eu acho que todo mundo conhece essa série! – é bem interessante. Adventure Island, eu só joguei a versão de SNES, mas vou ver se acho e jogo um pouco.
    @Oracúlo
    Realmente AD&D – Dragon Strike é um jogo bom! Mas em questão de jogos de tiro do NES, prefiro o Gradius – acho que é esse o nome -.
    AH! Eu tenho uma postagem sobre o Gradius, é só clicar no link abaixo:
    http://superblogdofelipao.blogspot.com/2010/06/gradius-nes.html

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 25/06/2010 em 11:29 am
    Permalink

    O Nerd (James Rolfe) teoriza que a animação de Harry representa a morte e o anjo, um puxando pra baixo, o outro pra cima. Pitfall II Lost Caverns é tão bom no Atari e MSX que esse parece ser mesmo indigno de levar o nome de um jogo tão representativo.

    E falando sobre Castlevania: ontem e anteontem eu e o Dancovich fizemos uma “maratona” pra finalizar o primeiro. De novo, citando o Nerd: “Holy fuck it is hard”! 🙂 Dois cartões de memória de uma câmera depois, taí http://www.youtube.com/watch?v=-KMb5vGlswM 🙂

    Rodei Vampire Killer (o Castlevania do MSX) pra comparar, e como ele é pra MSX2, é um pouquinho mais bem feito (ou não…) e apresenta alguns novos elementos de jogabilidade (comprar itens) que parecem existir no Castlevania 2.

    Pelo que você disse sobre o 3, e o que ouvi sobre o 2 (de como é ruim), vai ser duro conseguir esperar terminar o segundo pra chegar no terceiro…

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 25/06/2010 em 12:06 pm
    Permalink

    @Oráculo
    Valeu, Oráculo, vou ficar de olho nesse.

    Eric Fraga :

    O Nerd (James Rolfe) teoriza que a animação de Harry representa a morte e o anjo, um puxando pra baixo, o outro pra cima.

    Ha ha, muito boa! Vou procurar o vídeo. E vou ver o seu já já.

    Sobre o Vampire Killer de MSX2, não sei se estou fazendo confusão… não é nele que os inimigos continuam surgindo mesmo que você já esteja lá no canto, quase virando a tela? É infernal!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • Pingback:Tweets that mention http://www.gagagames.com.br/?p=17591%3Futm_source%3Dpingback -- Topsy.com

  • 25/06/2010 em 6:48 pm
    Permalink

    Lembro que conseguia jogar o Pitfall – Mayan Adventure (que é citado na matéria) no SNES, hj não consigo não sei porque. Talvez pelo fato de que eu esteja ficando velho (ou pq n tenho mais o gamepad do pc), dessa lista eu só conhecia MESMO o Adventure Island (o 2 e o 3 são épicos, o 4 segue o estilo meio rpg dos Wonderboys posteriores) e um tal de Castlevania aí, acho que pouca gente conhece esse jogo XP. Super Pitfall é tão medonho que eu prefiro dizer que não joguei, hehe!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 25/06/2010 em 10:59 pm
    Permalink

    Eric Fraga :
    Pelo que você disse sobre o 3, e o que ouvi sobre o 2 (de como é ruim), vai ser duro conseguir esperar terminar o segundo pra chegar no terceiro…

    Na verdade Eric, acabei de terminar o 2 e gostei bastante. Ele é BEM mais fácil que o 1, mas o motivo disso deu pra ver conforme jogava, esse jogo estava bem a frente de seu tempo, é mais sobre exploração e descoberta de segredos.

    O nerd exagerou quando disse que falar com pessoas no jogo é inútil, todas as partes malucas (abaixar num lugar tendo um item específico selecionado pra vir um TUFÃO e te levar) são ditas por alguém ou lidas num livro, então não é questão de adivinhar e sim de prestar atenção e memorizar (ou anotar no caderno).

    No fim, o jogo tem algumas das falhas que o nerd falou sim, mas jogando da pra ver que ele focou muito nelas só pelo tom comico e o jogo é bem legal no final das contas.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 26/06/2010 em 10:41 am
    Permalink

    pow rob, se não me engano o castlevania 1 num tinha passwords não… pelo menos nenhum dos que eu joguei… hahaha esse “super pitfall” é estranhaço mesmo… o “review” dele pelo james rolfe (angry video game nerd) é muito engraçado (como todos) e vale a pena! 86 foi um ano muito bom mesmo pro nes… até a proxima!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 26/06/2010 em 2:36 pm
    Permalink

    @Orakio Rob, “O Gagá”
    Fiquei devendo o link pra lhe adiantar, procurei e vi que era um episódio só sobre Super Pitfall (pensei que era só uma citação num episódio qualquer): http://www.gametrailers.com/player/54664.html

    Rapaz e é esse mesmo. Você já tá chegando no final da tela e se prepare pra dar uma chicotada no timing certo, senão…

    @Dancovich

    Ufa, ainda bem Danilo. Pensei que esse segundo seria só na base da revista porque era totalmente injusto com o jogador.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 26/06/2010 em 2:42 pm
    Permalink

    @Orakio Rob, “O Gagá”

    Se você não o curtir tanto pela graça, assista (não sei se viu este) o que considero o melhor episódio do AVGN: sobre Swordquest do Atari 2600. Eu era doido pra tentar entender a série na época, o que obviamente era impossível. Mas eu curtia ficar puzzled por eles assim mesmo.

    Este episódio do nerd é atípico, não faz gozação, um dos únicos senão o único em que é totalmente sério. O vídeo ficou mágico, ele trouxe a essência do lance de se aventurar em videogames em busca do desconhecido. Eu re-assisto este em especial com frequência 🙂

    http://www.gametrailers.com/player/61988.html

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 26/06/2010 em 11:25 pm
    Permalink

    Orakio Rob, “O Gagá” :
    @Dancovich
    Pois é, eu não sou lá um grande fã do nerd porque tem umas partes que ele meio que inventa para fazer graça. É engraçado e tudo, mas muitas vezes ele acaba sendo um pouco injusto.

    Eu que acompanho ele com frequência sei que na verdade é só pra fazer piada mesmo, no site dele mesmo tem um FAQ onde ele diz que não é pra levar nada daquilo a sério e que ele pode até mesmo gostar dos jogos que ele tanto fala mal.

    E eu acho até que ele presta um serviço, sei de muita gente que nunca ouviu falar de certos jogos e acaba tentando jogar depois de ver um vídeo dele só pra saber se é ruim mesmo, pra mim Castlevania 2 foi meio que por isso e acabei me surpreendendo.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 27/06/2010 em 2:02 pm
    Permalink

    Eu joguei várias vezes esse Super Pitfall
    horroroso com esse clone do Mario. Péssimo!

    Esse jogo de navinha com RPG merecia uma continuação hoje em dia. No melhor estilo Mario Party. Seria como um Square Final Shoot, sei lá.

    Adoro Castlevania!
    Odeio Adventure Island!
    Conheço Thexder!
    E assiste Gundam!

    Qual a minha nota?

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 27/06/2010 em 9:15 pm
    Permalink

    @Dancovich
    Não, mas eu curto o cara, acho bem engraçado, embora ainda não tenha parado para ver mais episódios (só vi uns três, mas quero ver mais). É que eu acho que tem o lado negativo de algumas pessoas ficarem com a impressão errada a respeito de certos jogos, mas dou boas risadas com o sujeito. Sabe como é, coca-cola faz mal para o estômago, mas a gente gosta 🙂

    @Eric Fraga
    Ótimo esse do Super Pitfall, rs… realmente, pela descrição dele o jogo parece infernal, e de fato é. Lembro de como sofri quando aluguei com um amigo.

    @GLStoque
    Pô, odeia Adventure Island? Eu jogava tanto esse jogo, meu amigo tinha. Sempre achei engraçadíssimo o herói ser um barrigudinho sem camisa, simplesmente impagável. Mas na média você tá bem, rola uma nota oito :p

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 27/06/2010 em 11:25 pm
    Permalink

    Eu gostava de Super Pitfall já zerei ele várias vezes, lembro que a gente tem que achar 4 chaves que são em formato de Naipe de cartas, eu sabia de olhos vendados aonde achar, depois era sair para o lado esquerdo e salvar a mocinha, era um jogo bom sim, tinha vários ambientes, bastava saber jogar, difícil com certeza, mas tinha o segredo dos continues infinitos que deixava ele palpavel…

    Agora, Adventure Island, meu amigo, você vai me desculpar, pode ser o clássico dos clássicos… O Adventure Island 1 é triste, já tirei um dia inteiro para tentar terminar isso, quase que não tem fim, não consegui terminar, as fases são MUITO repetitivas, o jogo é a mesma coisa o tempo todo, e a medida que você avança as fases vão ficando mais longas e cansativas, tinhamos um cartuchos com mil e tantos jogos que tinha uns 200 Adventure Island, cada um deles era de um jeito, começava com mais energia, com mais itens, etc, mas mesmo assim, por ser tão longo, o jogo fica difícil, afinal de contas você morre por causa do tempo passando, e não tem power-up descente, warp zone, entre outras coisas, depois que adicionaram os dinossauros no jogo ele pode ter ficado bacana, mas o Adventure Island 1 é massante, parece legal na primeira olhada, mas depois…

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 01/07/2010 em 5:55 pm
    Permalink

    opa, eu tambem terminei pitfall do NES uma vez, depois de muito sofrimento pra achar as chaves de naipe aleatoriamente escondidas pelo cenario. pra quem ficou curioso, o jogo acaba sem nem uma mensagem de parabens, ‘congratulations’ ou equivalente, simplesmente volta pra tela inicial e recomeça, mas com as chaves escondidas em lugares diferentes. nessa hora eu quase quebrei o videogame, mas me contive e simplesmente desisti de tentar outra vez.

    gaga, primeira vez que comento, mas ja ha algum tempo venho acompanhando o blog. vcs estao de parabens, os seus comentarios dos jogos nas cruzadas sao impagaveis! hehehe

    espero que vc encontre na cruzada NES um jogo que nao me sai da cabeça, mas q eu nao tenho ideia de qual o nome dele. veja soh a historia, um amigo meu tinha na quarta serie, ele trouxe diretamente do japao e eu pude jogar um pouco, era mais ou menos assim: no jogo vc podia controlar quatro(?) personagens diferentes, um de cada jogo do NES, e seu objetivo era encontrar e matar um vilao no estilo dr. willy.

    infelizmente da quarta serie ateh hj jah se passou muito tempo e a memoria nao colaborou pra armazenar mais info desse jogo, talvez nem seja isso q eu escrevi mesmo e essa seja soh uma memoria cruzada daquele desenho captain N. soh me lembro que pra epoca o jogo era muito muito bom. =)

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 03/07/2010 em 1:44 am
    Permalink

    Desconheço vários jogos que você mencionou, mas já tinha ouvido falar do Kings Knight – aliás, muito bem apontada a semelhança com o Knightmare do MSX. Adivinha? A trilha é do Nobuo Uematsu. Se bem me recordo as músicas são bacanas.

    Acredito que um dos motivos para nunca existir uma sequência é que por jogos como este, apesar da qualidade, que a Square ficou mal financeiramente antes do que seria o último título da empresa, aquele jogo obscuro chamado Final Fantasy. Por isso, eu acho que se a Sega é uma produtora que adora enterrar séries clássicas, a Square é outra que não liga para o passado menos famoso.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • Pingback:Gagá Games » Cruzada NES: ela mexe a boca quando fala! Oh, a tecnologia!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *