banner

Olá asilo! Primeiramente gostaria de desejar um 2012 muito melhor a todos!

Super Ghouls’n Ghosts foi o segundo game de SNES que joguei (o primeiro foi Final Fight). A experiência foi MA-RA-VI-LHO-SA! Antes, acostumado com o padrão Mega Drive de gráficos e efeitos visuais, fiquei boquiaberto com a paleta de cores e os “inéditos” zoom e rotação que a Capcom implementou com maestria neste título.

SGG1

Assim como nos capítulos anteriores (Ghouls’n Ghosts e Ghosts’n Goblins), o protagonista é o cavaleiro Arthur que tem sua esposa raptada por criaturas do mal. Para salvá-la o guerreiro se equipa de armaduras e arsenal diferenciado.

Não é segredo para ninguém os prós e contras da aventura: gráficos belos, chefes imponentes e estágios bem bolados em contraponto aos slowdowns frequentes, dificuldade insana e a maldita obrigatoriedade de ter que voltar ao começo para encontrar o detestável bracelete mágico! Sim, ao chegar no último estágio a princesa afirma ser necessário reiniciar e encontrar uma arma especial, pois sem esta é impossível derrotar Sardius o capeta mor. Ironicamente, esta arma é uma porcaria, de um alcance menor que um coice de porco! Grata surpresa, não?

SGG2

Após praticamente 20 anos, consegui fechar este game no Virtual Console, fato que me trouxe uma sensação de vitória incrível. O segredo do sucesso consiste em usar a arma da foto abaixo até as últimas fases, onde será preciso preservar a armadura dourada a fim de encontrar o imprescindível item. Ou seja, deixe para pegar o bracelete somente quando estiver próximo do fim. Outra dica legal é memorizar em quais pontos os inimigos e os perigosos gárgulas surgem e aprender a lidar com o timing do pulo duplo. Os chefes assustam por sua robustez, porém sempre repetem uma mesma e previsível sequência. Enfim, paciência é a virtude primordial para ser feliz em SGG.

SSG-arma

Como o jogo envelheceu:

A típica primeira fase num cemitério abarrotado de zumbis e a trilha sonora impactante (principalmente dos momentos iniciais) coroam Super Ghouls’n Ghosts como um game eterno, daqueles que dão vontade de rejogar de tempos em tempos e ainda conseguem encantar a geração gamer atual. A crueldade de ter que repetir toda aventura duas vezes em prol de um bracelete é um esquema enfadonho que pode desanimar muita gente, entretanto, este acontecimento já era tradição da série e dificilmente seria esquecido nesta versão.

SSG3

Matar monstros e demônios satisfaz e nos traz a sensação de heroísmo, contudo, é tarefa para poucos. Recomendo SGG somente aos jogadores valentes, aqueles que não desanimam facilmente! Prepare-se para desbravar um mundo sombrio, repleto de armadilhas traiçoeiras, em busca de sua amada.

Super Ghouls’n Ghosts [SNES]

43 ideias sobre “Super Ghouls’n Ghosts [SNES]

  • 20/01/2012 em 8:15 am
    Permalink

    Super Gholus’n Ghosts é um jogo lindíssimo, pena que a jogabilidade do Arthur tenha sofrido uma regressão (ele não passa mais a atirar suas lanças para cima como no Ghouls’n Ghosts, apenas para os lados), o que me incomodou bastante.

    Mesmo assim, é um jogo terrivelmente difícil e desafiador. Eu zerei o Ghouls’n Ghosts para o Mega Drive, que é bem mais fácil. De qualquer forma, caso eu volte a ter desejos masoquistas…

    … 😉

    Abraço!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 20/01/2012 em 8:28 am
    Permalink

    @Cosmão
    Apresentei este jogo ao meu sobrinho, que também se bate muito com o timing do pulo duplo!

    @ErivandoXP
    Fechei SEM save state, rs. Foi um parto, mas chega uma hora que você adquire tanta habilidade que a coisa flui.

    @Jorge Lucas
    Engraçado, eu não acho que houve uma regressão na jogabilidade. Apenas penso que a Capcom quis mudar um pouco a forma de se jogar Ghouls’n Ghosts; o pulo duplo altera significativamente a experiência e abre novas possibilidades, assim como o lançamento vertical da versão anterior também abria. Abração!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 20/01/2012 em 11:10 am
    Permalink

    Ghouls’n Ghosts é um jogo excelente, gosto de todas as versões. O lance do pulo que o amigo Cosmão disse, na verdade você precisa saber escolher direito as botas para que o seu pulo fique cada vez melhor. Existe um balanceamento entre armadura e botas que uma fica mais pesada, a outra fica mais leve e por aí vai. O grande lance do jogo é terminar com a armadura dourada e a última arma mágica. Se você quer ficar fera mesmo em Ghouls ‘n Ghosts sugiro aprender pela versão de Master System, se você termina aquela, você termina qualquer uma. Até porque existem momentos que acontecem umas quedas de frames que ao invés de atrapalhar ajuda para aumentar sua experiência.

    Agora a versão de SNES do SuperGG, ganhou vantagens porque o jogo ficou com cara de fliperama. Realmente o SuperGG é bonito pra caramba e quanto maior for a TV que você joga, mais bonito fica. Eu me lembro de ver esse jogo pela primeira vez numa locadora do bairro, os caras tinham ligado ele num tubão de 29 polegadas. Coisa linda cara! A TV era tão grande(ou eu que era muito pequeno) que parecia um StarGate, um portal dimensional, só faltava Lóki(O vilão da história) me agarrar pelo pescoço rsrs.

    Mas é isso aê, sigam a dica do Tandrilion e joguem Ghouls’n Ghosts e Super Ghouls’n Ghosts!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • Pingback:Links da semana | Who's Nerd?

  • 20/01/2012 em 5:12 pm
    Permalink

    Ghouls’n Ghosts, seja qual versão for, é um “jogo du capeta”. Sua dificuldade, de fato, não é para qualquer um… tem que ser muito herói mesmo. Rss!
    A versão que mais joguei, foi a de Master System e, o esquema de refazer todas as fazes me deu tanta raiva, mas tanta raiva, que quase vitimei meu 8 bits da Sega na época. Rss!
    Super Ghouls’n Ghosts elevou as qualidades deste clássico ao máximo (naquela época, claro) e é um jogaço que vale a pena ser conferido… até hoje.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 20/01/2012 em 8:46 pm
    Permalink

    Esse eu não tive paciência para zerar na raça não. Fui no save state até o final, e, quando voltei, fui na seleção de fase direito pro chefe final. Não é o caso de comparar versões (porque são jogos diferentes), mas a música de encerramento do Ghouls and Ghosts, do Mega, está entre as Top 3 mais LINDAS de todos os tempos. Junto com a Super Mario Land e Sonic 2

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 21/01/2012 em 1:46 am
    Permalink

    SGG é de longe o game mais fácil da franquia. Ele meio q segue a lógica dos shooters de navinha: é só decorar onde os inimigos e os itens aparecem para poder atacar e pular na hora certa. Teste de masoquismo mesmo é jogar o original. Esse sim é de dar vontade de jogar o arcade pela janela de raiva.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 21/01/2012 em 4:29 am
    Permalink

    Eu sou incrívelmente fã de da série Ghouls’n Ghosts, no entanto, o que menos me agrada mesmo é o SGG… Convenhamos, o design ds fazes e inimigos são melhores no Ghouls’n Ghosts de MegaDriver e Arcade ( a versão de Arcade é lindíssima )…

    Mas o meu preferido ainda continua sendo o de Master System, afinal, o jogo desde os 4 anos… =p

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 21/01/2012 em 5:20 pm
    Permalink

    @Lobim
    Piada sem graça 😛

    @Albatross
    Não sei se é o mais fácil, eu acho o do Mega mais tranquilo, pois é possível atirar pra cima e não é necessário lidar com o pulo duplo.

    @R.N.Liar
    A versão do Mega Driver (sic) é bem mais simplória tecnicamente em comparação ao Super Ghouls’n Ghosts. Este episódio do SNES tem visual das fazes (sic) e efeitos superiores, inclusive, aos do arcade, apesar de que julgo ambos bonitos.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 22/01/2012 em 5:50 pm
    Permalink

    Mas parece que é o mal da série inteira essa babaquice de voltar ao começo… através de save states que eu descobri que o próprio Ghosts’n Goblins te fazia voltar o jogo inteirinho pra garantir o direito de enfrentar o “Satan” no final. Isso que os melhores jogadores chegavam mal e porcamente no último castelo. E eu… nem no começo passava. 🙁 Gostava muito da versão do Master, vamos ver como ficou essa.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 23/01/2012 em 3:21 pm
    Permalink

    Este Jogo é uma adaptação do game ghoust´n´ghoust americano, muito bom os graficos e jogabilidade. inclusive o som é bem parecido com o original. se bem que eu prefiro a inesquecível ghoust´n´goblins dos fliperamas da ARCADE, e tive o prazer de reencontrá-la no emulador MAME. É muito difícil mesmo, passar por todas as fases 2 vezes para achar um anel que supostamente é uma arma poderosa (e na verdade, não é tanto assim).

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 24/01/2012 em 6:01 pm
    Permalink

    Esse jogo é casca grossa mesma!

    Alguém aqui jogou as versões de GBA e a do PS2/PSP da Capcom Collection para me dizer se o desafio fica menos difícil? 😛

    Eu zerei ele na raça na época de moleque, mas acho que não terei a mesma coragem de outrora. Aliás na época eu só terminava jogos casca-grossa no SNES: Super Ghouls´n Ghosts, Empire Strikes Back, R-Type 3, etc.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 24/01/2012 em 6:46 pm
    Permalink

    O único Ghouls and Ghosts que encarei foi o de Master System, me lembro de ter ido até o final, mas lembro pouco do jogo. A versão “Super” do SNES parece bacana, quem sabe um dia eu não encaro? Até pq conheci e terminei pouquíssimos jogos do console, não cheguei a tê-lo durante esses muitos anos de vida.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 25/01/2012 em 9:46 am
    Permalink

    Muito bom Tandrilion, putz, mais difícil que o do Mega??? Tou ferrado, rs… eu pelei pra terminar o do Mega e o do Master na época, realmente já havia jogado rapidinho no emulador o do SNES e pensei, fugindo da raia “é, esse aqui deixa pra depois, aham…” (risos)

    Curiosidade: jogou no Wiimote mesmo ou com um classic controller?

    Abração, ótimo review, direto ao ponto (inclusive anotei as dicas aqui, rs)!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 25/01/2012 em 10:14 am
    Permalink

    @Dr_Venom
    Do GBA é difícil do mesmo jeito, mas tem algumas opções a mais, como por exemplo, escolher algumas fases do Ghouls’n Ghosts do Fliperama!!

    @Gamer Caduco
    Nunca joguei a versão do Master.

    @Cosmonal
    Grande Cosmonal! Eu acho esta versão mais difícil que a do Mega. Na verdade eu prefiro muita mais a versão SNES (mas não espalha, rs). Joguei com o controle clássico.

    Obrigado pelos elogios! Abraço!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 26/01/2012 em 1:49 pm
    Permalink

    GN’G de Snes segue a linha dos games desta época, é necessário praticamente decorar não só o movimento dos inimigos mas também o cenário para fechar, o pulo duplo é difícil no começo, mas quando se pega a manha deste fica mais fácil que a versões com pulo normal. A última arma do jogo só é boa se fazer da seguinte forma, estar com a última armadura e acertar os inimigos à queima-roupa, fazendo isso ela é destruidora, o que ferra é que o pior mestre para se usá-la é o mago verde antes da sala do Sardius, pois o tiro dele é pornograficamente gigante e a tela não ajuda. Eu faço o seguinte, as melhores aramas na primeira virada é a faca (dano massivo frontal) ou o arco e flecha (pega inimigos altos, mas quando estiver de armadura dourada, o tiro teleguiado em que le se transforma pode atrapalhar a vida), se estiver sem armadura ou a primeira use o arco, com o kit completo, use a faca.
    Na segunda virada não tem jeito, complete a armadura mas pegue a última arma só na tela antes do Sardius, é imprescidível saber onde estão todos os baus desta tela, assims e perder, consegue completar a armadura e pegar a última arma antes dos magos vermelhos e verde, é possível matar estes dois de boa com esta arma, atacando após o fogo dos mesmos, no máximo dois disparos, daí, volte a defensiva, mas o vilão aqui será o tempo, sempre mato o amgo verde faltando 20, 15 segundos, o Sardius é ridículo, mesmo com esta arma.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 26/01/2012 em 1:58 pm
    Permalink

    Se não souber onde estão todos os baús, complete as armadura e pegue o arco, daí, ande a tela inteira soltando especial deste para saber onde estão todos, cheguei ao absurdo de, na tela antes do Sardius, pegar a armadura inteira e ignorar os baús até faltar somente dois até o mestre, daí estourava o penúltimo pra sair o mago do feitiço (tem que matar) e em seguida abrir o segundo para vir a última arma para então enfrentar os mestres. Pra chamar os baús onde vc sabe que tem, use o pulo duplo rápido em cima do onde está enterrado o mesmo, dependendo do baú, o pulo duplo deve ser rápido para frente ou atrás, mas sempre encobrindo o local do baú.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 26/01/2012 em 2:04 pm
    Permalink

    Dr_Venon, a versão do PSX são identicas as originais, é um port destas mesmo, e tem galeria de imagens. Para mim a mais pedreira mesmo é a primeira de 1986, Ghouls ‘N Goblins, que vc tem de ficar colocando pra frente e tiro para este sair mais rápido, além de chamar o mago nas tumbas ao invés de baús.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 03/02/2012 em 2:47 am
    Permalink

    Aqui vai um pequeno comentario sobre os jogos dessa franquia. E na minha humilde opinião de ser mais do que escolado em todos eles posso afirmar o seguinte:

    1º) Ghouls and Goblins – E realmente o jogo mais dificil da serie tanto no ARCADE como no NES. Porém a difilcudade toda estava em que o personagem só podia atirar para esquerda e direita e durante o pulo. E isso tornava o jogo extremamente dificil nas partes finais aonde nas partes elevadas ficam aqueles montros brutões que jogavam uma bola de ferro.

    2º) Ghouls and Ghosts – O jogo no MEGA DRIVE e uma copia fiel do ARCADE até em sua dificuldade, tanto que até hoje existem pessoas que acham o jogo impossivél. E detalhe esse jogo revolucionou pois se podia atirar para cima e durante o pulo para baixo tbm, dando mais fluidez ao jogo, pórém isso não o facilitava somente ajudava a atingir inimigos no alto ao abaixo.

    3º) Super Ghouls and Ghosts – Esse jogo tbm e muito bom porém existem diversos BUG´s e coisas que o deixaram não dificil e sim chato, decorativo e infantil. Primeiro a habilidade de atirar para cima e para baixo foi removida, o que torna o jogo maçante sendo que a evolução do primeiro pro segundo foi exatamente isso. Armas como o Arco e Flecha ao se usar a armadura verde ou dourada a flecha fica teleguida o que seria o bastante para matar inimigo no alto ou abaixo.

    Porém como todos bem sabem o tiro se perde ou fica girando sem atingir ninguém… O salto duplo foi uma novidade bacana porém fatal se não usada na hora certa. Acho que o jogo seria muito mais emocionante com o salto simples e a habilidade que foi removida do que como foi feito. E pior dizer que ele e mais dificil que os antecessores e muito errado, na minha opinião.

    Qualquer um salva aquele jogo, até meu sobrinho de 6 anos já o fez… Devido a saltos duplos e flechas teleguiadas. No ultimo encontro algumas pessoas me confirmaram isso que falo SGNG e facil devido a isso, o entediante dele e as fases e os momentos certos para pular, pois bosses e até o chefão final… Me desculpem mais e uma piada.

    4º) Ultimate Ghouls and Ghosts – Na certa todos aqui devem ter visto esse jogo e que estranho né o personagem principal… Sir Arthur voltou a atirar para cima e para baixo… Isso só mostra o quanto a Nintendo deve ter apurrinhado a Capcom para fazer um jogo mais bonito e mais facil tbm pois os fãs não conseguiam finalizar os outros jogos da franquia. E nem preciso dizer né, esse jogo e sensacional todos deveriam dar uma jogada no PSP. Eu mesmo joguei no emulador e comi com farinha depois de entender o timing das coisas e um abraço.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 08/08/2013 em 3:12 pm
    Permalink

    Com o bracelete pela 2ª vez? ou só na primeira jogatina msm? Pq o final verdadeiro só zerando pela segunda vez seguida pois, só se pode derrotar o chefe final com o bracelete que só aparece na segunda jogatina!

    ErivandoXP:
    Zerei um dias desses com save state no Dingoo, no SNES acho que não teria muita paciência, pense num jogo difícil, apesar de que todos os cartuchos que passaram pelo meu SNES eu zerei…

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 16/03/2014 em 1:29 pm
    Permalink

    EU TAVA VENDO SOBRE ESIS JOGOS DE NITENDO… OS MAIS DIFICEIS I VI ESE JOGO.. JA TINHA JOGADO MAIS ERA MT DIFICIO I DESISTE .. AI CUANDO VI Q TINHA Q ZERA 2 VESES KIZ MT ZERA PRA VER …. TOU NU VULCAO … MAIS OU JOGUINHO COMPLICADO MORRO MAIS DOQ JOGO… KKKKKK

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *