Recordar é envelhecer: Ayrton Senna’s Super Monaco GP II (Mega Drive)

Olá amigos leitores do Gagá Games! Aqui é o retrogamer André Breder trazendo para vocês mais uma edição do Recordar é envelhecer! Hoje vou relembrar aquele que é considerado por muitos, como um dos melhores games de corrida da geração 16 Bits: Ayrton Senna’s Super Monaco GP II. Já que amanhã é dia de corrida no estiloso circuito de Mônaco, nada melhor do que relembrar este grande clássico do Mega Drive bem nesta data. Bem, tenham todos uma boa leitura e até o próximo Sábado!

Introdução:

Lembro que em meados de 1992, quando o game Ayrton Senna’s Super Monaco GP II foi lançado, eu não fiquei nem um pouco espantado por conta da existência de um título de corrida tendo um piloto brasileiro na capa. Na época Senna já era tricampeão de Fórmula 1 (tendo conquistado os campeonatos de 1988, 1990 e 1991), e estampar a capa justo de Super Monaco GP II, para mim soou bem natural, e nada mais justo, visto que ele era na época o piloto vivo que havia ganhado mais vezes no famoso circuito de Mônaco (sendo que em 1993 Senna quebrou o recorde de Graham Hill, passando a ter seis vitórias nesta pista).

Apesar de eu adorar assistir corridas (muito por conta da influência do meu pai), principalmente a F1, onde torcia sempre pelo Senna, claro; no campo dos games, eu sempre fui uma “negação” no gênero corrida. Desde o clássico Enduro do Atari 2600, eu logo percebi que nunca seria um grande “piloto” de carros de corrida. Mas Ayrton Senna’s Super Monaco GP II é um título tão bem feito, e gostoso de se jogar, que eu não poderia deixar este game passar em branco. E demorou um pouco para que eu viesse a jogar este título, já que nunca tive um Mega Drive, só vindo a fazê-lo mesmo quando descobri o maravilhoso mundo da emulação. Lembro que na época até tive bastante contato com este game por conta de amigos que tinham o console de 16 Bits da SEGA, mas como era (e ainda sou) muito ruim em games de corrida, acabei que nunca “ousei” pedir para dar uma jogadinha, preferindo assistir os amigos viciados jogando do que dar um “vexame”. Mas nunca é tarde para criar “coragem”, e conhecer um grande game!

Sobre o game:

Quando Ayrton Senna’s Super Monaco GP II saiu no ano de 1992, realmente eu não me espantei em ver um game de corrida com o melhor piloto de F1 de todos os tempos, e até achei que fosse a própria SEGA que havia tido a ideia de criar uma versão de seu game de corrida com Senna na capa. Mas para minha surpresa, tudo começou por meio de uma proposta feita pela Tec Toy (que tinha a licença de comercializar os produtos da SEGA no Brasil e que até hoje fabrica alguns consoles genéricos com os nomes de Master System e Mega Drive) ao departamento japonês da SEGA. Fora o Brasil, o Japão é o país que mais idolatrava Ayrton Senna, não só por conta do piloto excelente que era e por suas vitórias históricas em território japonês, mas também por fazer questão de usar os motores Honda, desde a época em que ele integrava a equipe Lotus. Então é claro que os japoneses da SEGA receberam com certo entusiasmo a oportunidade de se fazer um game com Senna, e que pudesse contar com a ajuda e dicas fundamentais do piloto para colocar no mercado um dos melhores games de corrida da época. Perfeccionista como era, a presença de Senna na parte de desenvolvimento do game foi fundamental para que o resultado fosse o melhor possível.

Ayrton Senna’s Super Monaco GP II nos faz voltar no tempo, para o ano de 1991, onde Senna conquistaria seu merecido tricampeonato na F1. O game traz as 16 pistas desta temporada, dando a oportunidade dos fãs de automobilismo reviverem algumas pistas que já não fazem mais parte do calendário de provas da F1 atual, além é claro, da oportunidade única de correr ao lado do próprio Ayrton Senna, mesmo que virtualmente. A SEGA não teve o direito de usar os nomes dos outros pilotos da época, nem mesmo o nome das equipes, mas é fácil notar a presença de algumas lendas do automobilismo no game, como o leão Nigel Mansell, que no jogo recebeu o nome de “N. Jones”; e do lendário Michael Schumacher com o nome de “M. Blume”. No campo dos nomes das equipes, a criatividade da SEGA também falou alto, com adaptações como “Losel” para Lotus, “Firenze” para Ferrai e “Madonna” para McLaren.

Ainda em relação as pistas disponíveis no game, algo muito bacana foi a presença de três circuitos bem especiais, pois ambos foram desenhados pelo próprio Ayrton Senna, sendo que uma destas pistas é a reprodução fiel da pista de Kart que existe na fazenda que o piloto possuía no interior de São Paulo, na cidade de Tatuí. Local onde Senna se reunia com amigos e parentes em seus períodos de férias, e continuava fazendo aquilo que ele mais gostava. Estes circuitos especiais podem ser acessados no jogo por meio do modo “Senna GP”. As pistas tradicionais da F1 da época estão disponíveis por meio do modo “World Championship”, onde o jogador disputa o campeonato mundial, claro; e também no modo “Free Practice”, sendo que neste último é possível treinar em todas as 16 pistas do jogo, além de poder conferir na tela descrições de cada uma das pistas, descrições estas elaboradas por ninguém menos que o próprio Senna. Preste atenção nas dicas do campeão para obter o melhor resultado nas corridas!

Na modalidade “World Championship”, há a opção de escolher entre dois modos de dificuldade, Beginner e Master. No modo mais fácil o carro do jogador é visivelmente um pouco melhor que os seus adversários, o que dá uma grande vantagem para que um bom “piloto” possa fazer a diferença, e chegar sem tantos problemas nas primeiras posições ao término de uma corrida. Já no modo mais difícil, nota-se que o jogador tem que “suar” mesmo para ser capaz de ultrapassar os adversários, algo bem próximo do que ocorre na realidade da F1. Para aqueles que são “bons de volante”, o modo Master reserva um “bônus”: antes de começar cada corrida o jogador deve determinar um rival para si, onde caso consiga superá-lo quatro vezes seguidas, ganha o carro do oponente, tendo então a oportunidade de estar em uma equipe melhor. Tomar o lugar de Senna na excelente equipe “Madonna” é possível, só que como não podia deixar de ser, trata-se de uma tarefa bem árdua, onde somente os jogadores mais “hardcores” conseguirão cumprir tal feito.

Na parte técnica, Super Monaco GP II não deixava a desejar, muito pelo contrário. Quanto a sua concepção gráfica o game continuou bem similar ao jogo anterior da série, onde cada pista traz seus detalhes peculiares (como é bacana atravessar, a mais de 300 Km/hora, o popular túnel da pista de Mônaco); e a presença de informações úteis na tela durante a jogatina (como retrovisor, indicação de qual posição se está, quantas voltas ainda faltam para completar, marcador de velocidade,etc). Como exclusivo graficamente nesta versão, temos telas e mais telas com fotos digitalizadas de Senna, que ficaram muito boas, mesmo com toda a limitação de cores do Mega Drive. A parte sonora do game também seguia bem o padrão de qualidade do game anterior, só que com um “bônus”: a voz de Senna. Inicialmente a SEGA pretendia colocar o piloto fazendo comentários a respeito das pistas (sendo que o áudio chegou mesmo a ser gravado por Senna durante a produção do game), mas por conta da falta de espaço do cartucho, isto teve que ser abolido do produto final. Mas mesmo assim a voz do campeão pode ser ouvida durante o jogo, mesmo que sejam palavras curtas, como “Go!”, “Final Lap!” e “Congratulations!”.

Ainda na parte sonora algo que notei foi uma pequena, mas satisfatória melhora dos efeitos deste jogo se fizermos uma comparação com o game anterior. No Super Monaco GP original, por exemplo, o som da derrapada do carro na pista é extremamente irritante na minha opinião, e o mesmo felizmente já não acontece em Ayrton Senna’s Super Monaco GP II, pois colocaram um efeito sonoro menos estridente para estes momentos do game. O barulho dos motores do carros também está mais agradável na versão com Senna. Em relação as músicas elas são todas bem curtas, e a grande maioria bem enjoativa, mas ainda bem que elas aparecem muito pouco durante o game, se restringindo aos momentos que alternam uma corrida e outra. Durante a jogatina propriamente dita, não há músicas, somente os sons dos carros na pista e outros poucos efeitos sonoros ocasionais. Melhor assim!

Na parte da jogabilidade se nota também uma substancial melhora, muito devido as alterações que foram feitas a pedido de Senna. Por exemplo, no primeiro game o carro perdia velocidade se o jogador tentasse usar as zebras das pistas como apoio, tal como os pilotos de Fórmula 1 normalmente fazem. Senna pediu que isto fosse alterado no novo game, deixando tudo mais parecido com a realidade que ele e os fãs de automobilismo estavam acostumados. Por conta desse detalhe Super Monaco GP II ficou mais difícil que o anterior, pois agora é muito fácil o jogador mais afoito bater em uma placa indicativa fora da pista e “jogar fora” sua corrida por não controlar bem a velocidade de seu carro em uma curva fechada. É preciso saber os momentos certos das freadas, e também quando pisar fundo no acelerador para conseguir atingir o melhor resultado nas corridas. Tudo que um pouco de treino não resolva, pois os controles do jogo funcionam perfeitamente bem, e um jogador mais dedicado, ou mesmo já habituado com games de corrida, não terá nenhuma dificuldade em conduzir seu carro de Fórmula 1 nas diversas pistas de Ayrton Senna’s Super Monaco GP II.

Conclusão:

Ayrton Senna’s Super Monaco GP II pode até não ser o melhor game de corrida de sua geração, mas com certeza, graças ao empenho de Senna no projeto, consegue figurar entre os melhores. Mesmo que a falta de um modo de dois jogadores tenha sido sentida por muitos na época, é visível (mesmo para mim que só fui efetivamente jogá-lo bem mais tarde) que foi um game feito com muito cuidado e capricho. Se você é um jogador mais “pato” como eu em games do gênero corrida, o modo Beginner permite que você se divirta bastante, e possa até tirar onda em conseguir ficar na frente de Senna nas pistas; agora se você é um jogador mais veterano em games do tipo, vai achar o modo Master um desafio bem divertido. Resumindo: Ayrton Senna’s Super Monaco GP II é um game que pode ser apreciado por todos os tipos de jogadores, e se você é um que até hoje não tenha jogado este clássico, aconselho que não perca mais tempo. Ayrton Senna’s Super Monaco GP II não é um game para ficar de fora do curriculum de nenhum gamer que se preze.

About André Breder

Um gamer que não tem preconceitos: curte tanto os games clássicos, quanto os novos, e nunca deu preferência para nenhum console ou empresa específica do mercado. Tanto que criou um blog sobre games de todas as épocas, chamado Blog do Breder.