The Twin Galaxies Project #1: The King of Dragons (Top 5)

Saudações a todos!

Esse post é um pouco diferente dos dois primeiros. Podem ficar tranquilos, ainda se trata de pérolas dos arcades (ainda que o jogo em questão seja mais conhecido). Entretanto, não vou comentar sobre uma pérola desconhecida dos Arcades, mas sim sobre o retorno de um pequeno “projeto” meu.

Acredito que alguns de vocês já devam conhecer o “Twin Galaxies”. Caso não conheçam, um resumo rápido: o “Twin Galaxies” é simplesmente o órgão oficial de todos os recordes relacionados aos nossos tão amados jogos eletrônicos. Ainda que muitas de suas práticas possam parecer ortodoxas e nebulosas (quem viu o documentário “The King of Kong” sabe do que estou falando), não podemos deixar de reconhecer o pioneirismo de Walter Day, o manda-chuva da instituição desde a sua fundação, em 1981.

Logo do Twin Galaxies

Acessando o site oficial, percebe-se o profissionalismo que é dedicado a ele. O registro dos recordes é gigantesco, abrangendo uma infinidade de sistemas. Além disso, qualquer um de nós pode se registrar no site e explorar todo o conteúdo, além de submeter aquele seu gameplay fantástico que você teve outro dia e que deveria ficar para a posteridade.

Foto lendária da revista “Time”, de 1982, mostrando os grandes campeões da Twin Galaxies.

Pois bem: apesar do que a minha descrição no site possa dar a entender, não sou um jogador excepcional. Entretanto, posso dizer sem falsa modéstia que consigo ser bom em alguns jogos. E um deles, onde simpatizei à primeira vista na época, foi The King of Dragons, lançado em 1991 pela Capcom. Fazendo um resumo rápido do jogo para aqueles que não o conhecem: ele foi o embrião para que, três anos mais tarde, a Capcom lançasse os seus dois clássicos do beat’em up ambientados no universo Dungeons & Dragons: Tower of Doom e Shadow Over Mystara. Eu o considero um jogo fantástico, que consegue fazer o jogador se ambientar nesse universo tão vasto dos RPG’s de mesa através de uma mecânica simples.

Arte bacanuda do jogo!

Curiosamente, eu descobri o jogo não através dos fliperamas, ou mesmo do MAME, mas através de sua versão para o SNES, lançada três anos depois também pela Capcom. A adaptação é fantástica, mantendo muito dos gráficos e jogabilidade originais, considerando as limitações do SNES em relação à CPS-1. Muito pela sua semelhança com o arcade (além do fato de que a adaptação para o SNES no nível “Normal” é mais difícil que a versão do fliperama/MAME), o fato de ter jogado compulsivamente a versão de console em casa na época me habilitou a ser um jogador razoável do jogo na sua versão original.

Um dia desses, visitando o Twin Galaxies assim que efetuei a inscrição nele, resolvi verificar os recordes registrados e homologados pela entidade. Como eu me lembrava que era bom no jogo já mencionado aqui no texto, resolvi ver os recordes para ele:

Scoreboard oficial do Twin Galaxies. Apenas 9 recordes homologados.

O primeiro lugar é uma pontuação fantástica, quase que impossível (pelo menos na minha atual forma) de ser alcançada, e ela foi alcançada por um brasileiro! E digo mais, um carioca! Quem sabe eu já não esbarrei por ele por aí nas minhas andanças? =D Entretanto, as pontuações seguintes são bem mais baixas, o que alimentou esse blogueiro de meia tigela a traçar uma meta: se posicionar entre os cinco melhores jogadores de The King of Dragons do mundo, de acordo com o Twin Galaxies. É essa busca por essa marca que irei registrar aqui no blog.

Para finalizar, deixo com vocês o meu primeiro registro desse projeto,  para que todos vocês comentem, me critiquem, torçam e também me dêem dicas de como melhorar a minha pontuação e o meu gameplay. Fazendo uma autocritica, apesar dos erros cometidos (especialmente nas fases 9 e 10), até que não foi tão ruim.  Peço que assistam e que me ajudem a alcançar essa primeira meta.

 

Até a próxima e viva os Arcades (e o MAME)!!

 

About Dr. Mame, "O Ranzinza"

Professor, químico, cinéfilo e gamer, não necessariamente nessa ordem. Um admirador desde muito cedo daquelas máquinas dos sonhos, mesmo elas se localizando em locais não bem frequentados, tanto que até criou um blog (que acabou não durando muito) sobre o assunto, antes de postar no "Gagá Games".