Olá, retroamantes de retrojogos de uma retroépoca retrogloriosa! Vamos ver o que nossa cruzada nos reserva para o dia de hoje.

Fever Pitch Soccer

Eu nunca fui chegado a jogo de futebol, aliás eu não curto games de esporte em geral. Mas por causa das bagaças que ando jogando ultimamente, até que Fever Pitch Soccer não amarelou.

Aqui, os jogadores e o estilo geral lembram muito International Super Star Soccer de Super NES. Os gráficos estão decentes, e há cutscenes de boa qualidade, que geralmente aparecem quando se faz um gol, se toma um cartão ou quando se entra em campo. Por falar em campo, há uma grande variedade deles e dependendo do país em que o estádio se encontra, o gramado pode ser bem verdinho, como num país tropical igual ao Brasil, ou ser seco, como acontece num país frio como o Canadá.

Há 50 equipes e as opções de escolher táticas de jogo estão presentes. Há algo curioso: conforme você vai evoluindo no campeonato, alguns de seus jogadores, de acordo com o seu desempenho  em campo, adquirem um status de “estrela” do time. Na prática não sei se interfere em alguma coisa. Só há músicas enquanto uma partida começa, depois joga-se ouvindo o barulho da torcida somente. Os efeitos sonoros não estão lá essas coisas, mas passam.

A grande surpresa aqui é o gameplay. Fever Pitch Soccer é bastante rápido e dinâmico, os controles são simples e intuitivos e a dificuldade é boa. Pra quem gosta, é um bom jogo de futebol. 

Fight for Life

Na era 32 bits quando o Sega Saturn mostrava ao mundo Virtua Fighter e o Sony PSX apresentava Tekken, na rabiola, tentando pegar o vácuo, vinha a Atari, querendo mostrar ao mundo que o Jaguar também tinha jogos de lutas poligonais 3D.

Comparado a Virtua Fighter e Tekken, Fight For Life é uma piada de mau gosto. Os personagens são toscos, com a metade dos polígonos de Virtua por exemplo, mal texturizados e sem carisma. Os cenários de fundo lembram os papéis de parede do Windows 95 e os tatames são feios pra diabo. O som é sofrível e com três minutos de jogo você aperta o “mute” da TV.

Por falar em tempo, as lutas duram uma eternidade. Cada golpe desferido no oponente tira um mínimo de energia. Se você conseguir fazer uma sequência de golpes boa, talvez termine a luta em menos de 10 minutos. Os controles são tenebrosos. Este jogo é maçante, chato e quase fez com que eu tirasse minha vida!

Flashback

Mais um grande sucesso do MS-DOS que caiu de cabeça no console da Atari.

Se você esperava gráficos e sons parecidos com os do PC, pode esquecer. Pelo que eu joguei, parece que portaram a versão de Mega Drive para o Jaguar. Ok, o jogo é bom, tá decente, só que você esqueceu que quando você comprou o Jaguar, comprou um 64 bits? Para jogos deste nível, você com certeza ficaria no Mega Drive, né? E esta versão consegue ser pior que a de Mega, você acredita? Aqui o jogo está mais lento e às vezes depois de apertar o pause o jogo fica mudo. Pesquisei pra ver se era problema do emulador mas não era. Isso acontece no cartucho e no Jaguar originais!

Outro crime é o slowdown que aparece em certas partes do jogo, quando a tela fica cheia de inimigos e itens. O ponto positivo é que não tosaram nada. Tudo que tinha no cartucho do Mega está aí. O controle reponde bem, mas a lerdeza do jogo não ajuda. Não existe desculpa pro game ser o que é. Ele poderia ser melhor, muito melhor.

Flip Out

Este jogo de estratégia é algo tedioso. Chato, confuso, com um gameplay pra lá de ruim, foi apenas mais um de muitos jogos podres que a Atari já lançou.

O negócio aqui é arrumar as pedras para formar um padrão pré determinado. Feito isso, passa-se para o próximo quebra-cabeças. Não há muitas animações no jogo, tudo é praticamente estático. Há dois alienígenas que ficam assistindo você jogar. Os efeitos e as músicas são péssimos e nada a ver com um jogo de estratégia. Os controles são simples, pois aqui não há muito o que fazer, não precisa-se de agilidade. Ao contrário de jogos como Tetris, que requerem raciocínio rápido, aqui você tem a vida toda pra pensar. Flip Out é a verdadeira sopa rala.

Highlander

Este título mostra sem rodeios a enganação que era o Jaguar CD. Logo no início vemos uma animação em desenho animado de uma série de TV baseada no filme. Quando o jogo começa, o bagulho fica doido!

Pra começar, seu personagem é feio, tosco e totalmente ultra lowpoly! Apesar de na animação de entrada seu personagem ser loiro, no jogo seu cabelo é cor de rosa. As texturas são hediondas, o Jaguar leva uma eternidade pra processar os elementos na tela e por causa disso tudo aparece cortado, pela metade, os polígonos somem, você some, coisa de louco!

Parece também que só os inimigos te acertam, pois mesmo estando dentro deles (sim, aqui dois corpos ocupam o mesmo lugar no espaço) é só você que morre. A barra de energia parece ter sido retirada de algum jogo do Atari 7800. Os itens não servem para nada, a jogabilidade é pós-medíocre. Os efeitos sonoros são do nível de Telejogo. Música só durante as cinematics. Quem diria que o guerreiro imortal Cristopher Lambert viraria uma drag queen dos infernos nas mãos da Atari?

Hover Strike

Mais uma porcaria “made in Atari”. Hover Strike lembra Battlezone, também da Atari, lançado em 1980 para os arcades.

No Jaguar parece que há uma regra, os jogos tem que ser os piores possíveis! Em Hover Strike, seu veículo é lento de doer. As missões nada mais são que destruir inimigos e estruturas. Porém aqui eles estão muito longe uns dos outros, logo prepare-se para passear num grande espaço vazio. Os cenários são pobres, as cores são mortas, os objetos quando chegamos perto perdem totalmente a resolução tamanha deformidade e pixelização. A música é repetitiva, fraca e só ajuda a deixar o jogo pior. Idem para os efeitos sonoros. Os controles são cavernosos, seu tanque não te obedece, manter a mira é uma missão impossível. Jogue e chore!

Hover Strike: Unconquered Lands

Lançado seis meses após o Hover Strike em cartucho, Hover Strike: Unconquered Lands aterrissou no Jaguar CD para tentar melhorar as centenas de coisas que deixaram seu irmão mais velho em cartucho medonho.

A primeira coisa que assistimos é a um “briefing” no estilo Star Wars, copiado na cara dura mesmo. Há adições de FMV e as músicas e efeitos sonoros foram trocados por algo um pouco melhor. Os controles foram melhorados também e a mira agora está mais suave. Também há mais missões, porém o tedioso passeio entre um inimigo e outro ainda continua. Os gráficos estão um pouco melhores, com cores mais vivas e mais animações. Infelizmente a pixelização e a desformidade ainda estão presesntes. É melhor que a versão de cartucho? Com certeza. Vale a pena? Absolutamente não!

Hyper Force

Hyper Force é um jogo de plataforma que foi lançado no final da vida do Jaguar. Sendo todo 2D a um nível de 16 bits, lembra um pouquinho Bionic Commando da Capcom. Porém aqui não há nada de especial. É um jogo que não fede nem cheira.

Com gráficos medianos, som mediano e jogabilidade mediana, Hyper Force é mais um na multidão.  Apesar dos personagens grandes, durante o game você notará muitos glitchs e outros bugzinhos chatos, mas que não interferem no andar da carruagem. Aqui está uma boa opção pra quem curte mais do mesmo ou uma pipoca sem sal.

Bom, queridos leitores, até a próxima.

Cruzada Jaguar: Mais do Mesmo
Tagged on:

29 thoughts on “Cruzada Jaguar: Mais do Mesmo

  • 01/08/2011 at 10:49 am
    Permalink

    Esse Fever Pitch Soccer é cópia descarada do Head-On Soccer do Mega Drive. Um pouco melhor, mas ainda assim, não justifica o “64 bit” do Jaguar…

    Pra variar… Chuta que é macumba!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 01/08/2011 at 11:17 am
    Permalink

    Vixe acho que você está ficando verde Piga de tanta coisa horrível que está enchendo seus olhos.

    Meu amigo o que foi arrumar pra cabeça??

    O pessoal da Atari deveria ser punido numa sala jogando seus próprios jogos a pão e água sem ver o sol durante 10 anos.

    Eu tentei mas não consegui jogar a imensa quantidade de lodo e lama que este console tem, hoje agradeço meu mano ter queimado o meu, eu ficaria com dor de barriga ao ter que encarar isso.

    Boa sorte Piga

    Ulisses Old Gamer 78

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 01/08/2011 at 1:02 pm
    Permalink

    esse game de futebol é realmente uma imitação daquele game do MEGADRIVE. mas até que gostei dos gráficos.(tirando a parte que a gente faz o gol) e os controles são porcos, o cara não fica nem 5 segundos com a bola que já a perde. até o meu irmão que é viciado em futebol, não sequer fez um unico gol.e olha que a gente foi no easy

    esse fight for life é tão ruim que a Rom nem pegou aqui. mas pelo pouco que vi,não valia a pena jogar mesmo. e esse flashback é muito massa!! só de ter a movimentação do personagem foi tirada do game Prince of Persia,ganhou minha simpatia! vou baixar esses que estão ai no post e não comentei para dar o meu veredito aqui.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 01/08/2011 at 3:23 pm
    Permalink

    cara esses post estão cada vez + informativos e divertidos com os comentarios hsahshhsas

    *Comparado a Virtua Fighter e Tekken, Fight For Life é uma piada de mau gosto
    *Os cenários de fundo lembram os papéis de parede do Windows 95 e os tatames são feios pra diabo. O som é sofrível e com três minutos de jogo você aperta o “mute” da TV.
    *Se você conseguir fazer uma sequência de golpes boa, talvez termine a luta em menos de 10 minutos
    *Quem diria que o guerreiro imortal Cristopher Lambert viraria uma drag queen dos infernos nas mãos da Atari? ahsahahs essa foi a melhor kkk

    shashahsahssa acho q foi o destino eu não ter conhecido o jaguar pessoalmente ^^

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 01/08/2011 at 4:16 pm
    Permalink

    Tinha um cartucho do fever pitch soccer no mega drive. Hahaha dava pra fazer gol no meio do campo. Existem jogadores especiais, como o fazia a bola fazer curva, o q chutava tão forte q a bola virava uma bola de fogo, um carequinha de simulava falta(botava ele de zagueiro e só ganhava falta) e um cara parecido o ronaldinho gaucho q era dificil de roubar a bola. Muito tosto mas muito divertido e engraçado.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 01/08/2011 at 5:32 pm
    Permalink

    Eu vivi esta época mágica que foi os anos 80 e 90 dos videogames… não graças ao Jaguar.
    Todos falavam mal desse console, mídia especializada e consumidores mas, como nunca tive acesso à ele de fato e não tinha como saber exatamente. O máximo que cheguei perto mesmo foi numa locadora de Santos/SP quando dois “corajosos” jogavam este Fight for Life. Bati o olho naquilo e quase vomitei pois parece um jogo inacabado, em gráficos, sons e mobilidade… absurdo!
    Agora que o Gagá está nesta “cruzada ingrata” (“Deus te abençoe, meu filho! Rss!”), estamos constatando que a coisa é pior do que imaginávamos. Não a toa que a Atari foi pros “quintos dos infernos” por tentar ludibriar o consumidor e vender “32 bits por 64” (e nem 32 bits parece).

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 01/08/2011 at 7:46 pm
    Permalink

    “Apesar de na animação de entrada seu personagem ser loiro, no jogo seu cabelo é cor de rosa.”
    Então, o Link no Zelda de snes também ganhou cabelo rosa, mesmo sendo moreno no manual. Claro que, no caso, foi limitação da paleta de cores do console.
    Eu sei que os jogos de Jaguar, em geral, são sofríveis, mas cara, pega leve na crítica. Você pode dizer a mesma coisa sem ofender tanto os desenvolvedores.
    Nunca sabemos se por trás dos jogos não havia uma equipe com programadores, artistas, compositores, sendo pagos porcamente, correndo contra o tempo por pressão de acionistas, que, aliás, adoram meter o dedo no desenvolvimento de um game, principalmente quando acham que a plataforma está indo por água abaixo e, sem instrução alguma na área, acreditam ter as soluções que, todos aqueles que possuem formação pertinente à criação de jogos, não pensaram.
    Jogos ruins NÃO NECESSARIAMENTE foram criados por equipes ruins. As vezes o pessoal queria fazer um trabalho brilhante e se deparou com esses e outros obstáculos não citados.
    Eu sei, Jaguar peca nos jogos. Mas não peque em cima, criticando demais pessoas que podem ter sido bem intencionadas, cara. Ainda mais quando se programa para uma plataforma cheia de processadores com uma sincronia terrível.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 01/08/2011 at 8:24 pm
    Permalink

    Quando ví as imagens de “Fever Pitch Soccer”, me lembrei logo de cara do primeiro Fifa Soccer para Mega-Drive (a tempos bons… hehehe…).

    Agora no que diz respeito a “Flashback”, meu Deus, quanto joguei este game, hehehe… Na época rodava em meu “Acer” com “Windows 95 com suporte USB” LOL…

    Obrigado pelo post, trouxe ótimas lembranças.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 01/08/2011 at 8:37 pm
    Permalink

    @Cássio
    vai ver que você está certo Cássio, nenhum programador de games ficaria feliz de criar um jogo que todo mundo odiasse. e pensei que muitos dos jogos do Jaguar serem ruins era porque os programadores odiavam o oficio ou tinha dedo de chefão querendo apressar o serviço. e nem todos os games desse consoles são ruins, eu até que meio que gostei de Checkered Flag(um pouquinho de nada, mas mesmo assim gostei) mesmo sendo os gráficos e controles sendo porcos demais para se jogar e até gosto de acompanhar o Piga nessa cruzada(nem tão espinhosa assim,vai)baixando esse games que ele avalia aqui e descobrir pérolas num monte de sargaço. continue assim Piga! você vai pro céus dos gamers por essa cruzada, pelo bem do site.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 01/08/2011 at 10:19 pm
    Permalink

    Muito hilária essa jornada Piga. Parabéns e lamento o sadismo, rsrsrs. Só não entendi uma coisa: no Highlander vc falou que o personagem é loiro na animação, mas no video de gameplay do jogo que vi no youtube, o cabelo do cara é vermelho mesmo na animação (apesar da cor no polígono ter um tom diferente de qquer forma)… Vi o video certo mesmo?

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 02/08/2011 at 9:59 am
    Permalink

    @Man On The Edge
    Nada justifica os “64 bits” do Jaguar… 🙂

    @Matt
    O que eu discordo do seu comentário é dizer que o Mega Drive é fraco. O Jaguar é a prova que de nada adianta ter um hardware “fuderoso” e não ter jogos. Mais vale um Mega Drive que o felino da Atari.

    @Ulisses Old Gamer 78
    @Tonshinden
    @Unknownuser2
    Valeu!

    @Daniel Paes Cuter
    Fiquei uns 40 minutos no Flip Out. A maior dificuldade foi saber o que era pra fazer, qual a mecânica do jogo.

    @leandro(leon belmont)alves
    Só não se empolga muito…. 🙂

    @Morato
    @Douglas Deiró
    Quem está fazendo a Cruzada Jagura sou eu, o Piga. E sou muito mais bonito que o velho rabugento do Orákio! 🙂 🙂 🙂

    @Pablo
    @Gustavo Lima
    Não conhecí e continuo não conhecendo Fever Pitch Soccer de Mega Drive. Sabe como é, eu gosto tanto de um jogo de esportes, que não posso ver um e saio correndo na direção contrária. 🙂

    @Cássio
    Isso não é desculpa. Se não tem dinheiro, equipe ou um prazo pra lançar algo decente, melhor seria não lançar nada. O Jaguar não contribui em nada para melhorar a Atari, pelo contário, só ajudou a denegrir a já denegrida imagem da empresa. E não se engane meu caro, existem programadores bons e programadores ruins. Tem programador que faz milagre programando em Assembly num hardware fraco e tem programador que não consegue fazer nem um reles joguinho em flash rodar direito mesmo no computador da Nasa. Elogio quando tenho que elogiar e desço o sarrafo quando tenho que fazê-lo. Nada pessoal, apenas negócios. 🙂

    @George
    Não sei qual o video você assistiu (poderia ter colocado o link), mas as cinematics do Highlander de Jaguar CD são cenas retiradas de um desenho animado basedo no filme que só deve ter passado nos EUA mesmo. E no desenho o Higlander é loiro, cabelos amarelos. No sprite ao invés de rosa, poderia ser amarelo. Não no mesmo tom, mas amarelo. Não existe cinematics que não sejam em formato de desenho animado nesse jogo.

    @helisonbsb
    Tem sim. Alien VS Predator, Doom, Cannon Folder e alguns outros que apresentei aqui. E fique ligado nas próximas edições, pois vão ser surpeendentes!

    @Pedro @ Quero Jogar
    Sim, a movimentação do personagem é muito boa e esse estilo nasceu com Prince of Persia de PC.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 02/08/2011 at 6:10 pm
    Permalink

    @piga
    Foi mal cara!
    Eu estava escrevendo com o nome dos site na cabeça como se fosse “Agora que o site está publicando esses reviews”, sacou?
    Em todo o caso, desculpe pelo equívoco.
    Continue com este ótimo e árduo trabalho de jogar essa tranqueira de Jaguar! Rss!
    Até mais.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 02/08/2011 at 6:31 pm
    Permalink

    Voltei… estou com tempo sobrando no trampo (coisa rara! Rss!).
    O caso do Jaguar é curioso.
    Pelo que me lembro, ele já havia sido anunciado bem antes de seu lançamento, na época do Linx, como projeto Panther. Isto me faz pensar que o projeto demorou, e muito, para ficar concluído.
    Levando em conta isto, posso crer tambem que o Jaguar tenha sido pensando inicialmente para concorrer com o Mega Drive o Super NES com seus “precários” jogos em 3D via chips especiais (SVP e Super SX respectivamente)… se fosse lançado aí, quem sabe o cenários dos jogos eletrônicos poderia ter sido diferente?
    Mas aí, o lançaram tardiamente (caso tenha sito isto mesmo que estou especulando), já com 3D0 no mercado e preferiram usar de “marotagem” dizendo que o console era de 64 Bits, mas que mal dava conta dos jogos que saíam para os 16 bits da época. Usar de malandragem na industria, ainda mais de jogos, não rende frutos.
    Outro ponto crucial, se o Jaguar tinha programação difícil, este mesmo fator não pode servir para a própria empresa que o criou. Jogos “First Party” tinham a obrigação de serem bons e mostrarem o poderio do videogame… o Saturn da Sega foi assim, era foda para programar nele, mas os jogos da Sega eram muito bons.
    Somado ao fato do Jaguar ser uma bomba, não recebeu apoio de empresas competentes do setor. Mas, se ele fosse lançado antes e para brigar com os 16 bits da Sega e da Nintendo, não com propagandas enganosas, talvez este fiasco tecnológico não tivesse acontecido e a Atari, hoje, fosse uma empresa mesmo… não um nome/marca apenas, licensa adquirida pela Infogrames alguns anos atrás.
    Até mais.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 03/08/2011 at 7:49 am
    Permalink

    @piga Realmente faltou o link do vídeo. Aí vai: http://www.youtube.com/watch?v=6Zhb_5ne3lA Vê só, o cabelo na animação é vermelho… vê se é a mesma animação que vc viu no seu jogo aí. Outra fonte: essa imagem da capa do dvd da animação – http://t2.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRW3pVcn3mAZQo7FKe7L3Qdu_S5OdRkwz-TEWbXe_hXHqLLE6df Já na parte jogável, o tom do cabelo ficou alaranjado.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 03/08/2011 at 8:58 am
    Permalink

    joão :

    Fight for Life, o game feito em menos de 30 dias por um cabra.

    Cuja a mãe é uma cabrita! 🙂

    @Vinicius
    Eu ví o review e o cara só pode estar de sacanagem em dizer que o jogo é bom. Mesmo sendo muito fã. Porém vou dar um desconto, viu a cara de doente dele? rs…..

    @Douglas Deiró
    No meu emulador o cabelo do highlander estava aparecendo amarelo, quase um tom de pele. Ví no log do emulador que pode ser um problema na reprodução das cores. Porém rodand no aparelho, o cabelo do personagem é castanho, marrom, não cor de rosa shok! Sobre o a história do desenvolvimento do Jaguar, não foi exatamente isso. Eu fiz um post aqui contando um pouco sobre sua história, desenvolvimento e acessórios. Dá uma conferida no link abaixo

    http://www.gagagames.com.br/?p=21588

    Falow!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 03/08/2011 at 6:07 pm
    Permalink

    @piga
    Saudações, Piga!
    Bom… eu não cheguei a fazer comentários sobre o Highlander de Jaguar, mas farei isto agora. Este game foi baseado no desenho de mesmo nome onde, o protagonista, chamava-se Quentin Mcloude e a história se passa bem no futuro, num planeta Terra pós apocalíptico… e sim, no desenho ele tinha cabelo avermelhado.
    Quanto ao llnk que deixou, notei(ainda bem) que não escrevi besteiras. Fiz cometários sobre o Jaguar no mercado me baseando apenas no que me lembrava da época e minhas especulações foram em cima disto.
    Obrigado e até mais!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *