jaguar-000

Olá amigos do Gagá Games.

Depois de um periodo ausente por diversos problemas pessoais, estou de volta e se Deus quiser com força total. Aproveitando que nosso querido e rabugento chefinho liberou a geração de 64 bits aqui no asilo, vou apresentar este console sobre o qual todo mundo já deve ter ouvido, mas que talvez nunca sequer tenha visto de perto.

jaguar-001jaguar-002

À esquerda o Jaguar como vinha da loja. À direita a parte de cima e de baixo da placa-mãe do console.

Ficha técnica:
Ano de lançamento: 18/11/1993, EUA
Fabricante: IBM, Atari

Na minha época de colecionador, eu fui um infeliz proprietário deste sistema. Infeliz? Isso mesmo! E vocês leitores já vão entender o porquê.

Todos nós sabemos que, em termos de hardware, os únicos sucessos de venda da Atari foram os Arcades Pong e o Atari 2600. Mas o Jaguar foi o auge do fracasso, mesmo se levarmos em conta o vexame dos sistemas Atari 5200 e 7800. Vamos ver como foi isso.

A história:

Tudo começou nos tempos da briga entre o Sega Mega Drive e o Super Nintendo, no auge da disputa pelo consumidor. Os chamados consoles da 4° geração estavam em sua melhor fase e os novos consoles da chamada 5° geração, representados até o momento somente pelo 3DO, começavam a entrar em cena. Na época, a Atari desenvolvia dois sistemas distintos: o Phanter era um sistema de 32 bits que devido a problemas de desenvolvimento foi cancelado, e o Jaguar era um sistema de 64 bits; ambos projetados para concorrer diretamente com o Super NES e o Mega Drive.

Em 1993, quando o Atari Jaguar foi lançado experimentalmente por $200,00 doletas em duas cidades norte-americanas (Nova York e São Francisco), você levava para casa um pacote contendo o console em sí, um cartucho Cybermorph, um controle e um cabo RF. A promessa era “pouca grana e muitos bits”. E realmente ficou na promessa.

jaguar-005O Jaguar em toda sua beleza (ou feiúra)…

Cybermorph era um jogo incrivelmente tosco, com gráficos poligonais feios, poucas e horrorosas texturas e nenhuma música. Os efeitos sonoros pareciam ter sido tirados de River Raid do Atari 2600. Os controles eram extremamente ruins, lentos e imprecisos. E o pior é que os jogos seguintes mantiveram o padrão “porcão”, mostrando somente as deficiências gritantes do sistema, como limitações de sprites, poucos canais de som (cartuchos como Raiden possuíam seu próprio processador de som, é mole?) e controles complicados. Diante disso, poucas empresas de jogos se propuseram a lançar títulos para o Jaguar. Depois de quase dois anos de existência, pouco mais de 50 títulos haviam sido lançados. Era o começo do fim…

Os acessórios:

Vou começar pelos controles. Pelo amor de Deus, mesmo depois do fracasso do Atari 5200, a atari insistiu em usar um teclado numérico em seus controles, onde as teclas receberiam funções de acordo com o jogo, sendo ilustradas com overlays (pra quem não sabe, os overlays eram películas plásticas que se encaixavam em cima do teclado numérico do controle). Esse esquema já não tinha dado certo antes, e desta vez não foi diferente. Depois a Atari lançou uma versão “Pro” para jogos de lutas, com mais 3 botões de ação, mas igualmente ruim. Eu acho que a Atari tava doida era pra fazer um aparelho de telefone 🙂

jaguar-004jaguar-003

Os controles do jaguar em suas versões “normal” e “pro”

Outro acessório curioso foi o chamado Cat Box (único acessório lançado por outra empresa para o Jaguar), que consistia em uma caixa com duas saídas para fones de ouvido com controle de volume, uma saida RGB para monitor, saidas de audio estéreo e mono, saida S-Video, placa de modem e um dispositivo de rede (Jaglink Interface para ligar dois Jaguares). Além dos tradicionais RF, AV, fontes, também foi lançado um multitap, que só foi usado por uns três jogos, e o Jag Link Interface que, como dito antes, serve para conectar dois Jaguares, mas também não foram lançados muitos jogos que tirassem proveito dele.

jaguar-006jaguar-007

O multitap que a Atari batizou de “Team Tap” e o CatBox lançado pela americana ICD.

Tentando salvar seu Jaguar do fracasso iminente, em 1995 a Atari lançou no mercado o Jaguar CD, uma tentativa desesperada de dar mais fôlego ao seu console. Era um CD-ROM double speed que se encaixava por cima do console, mas a empreitada não deu certo. A falta de produtoras de jogos que dessem suporte ao acessório e a republicação de títulos lançados originalmente em cartuchos sem nenhuma diferença ou atrativo fizeram com que o Atari Jaguar e o Jaguar CD encerraram suas carreiras em 1996. Tudo leva a crer que naquele momento a Atari desistiu de tentar repetir o sucesso do Atari 2600 (ao menos não parecem haver planos concretos de uma nova investida na área no momento).

No total, foram lançados apenas 14 títulos para o Jaguar CD. O design também virou motivo de chacota: quando juntávamos o Atari Jaguar ao Jaguar CD, o resultado final lembrava uma privada 🙂

jaguar-008jaguar-009

A caixa do Jaguar CD com a caixa do Memory Track e o add-on Jaguar CD.

Um único acessório foi lançado para o Jaguar CD, um cartucho de memória chamado Memory Track. Ele salvava os dados dos jogos em CD, uma vez que o aparelho não possuia memória interna.

Agora que apresentei aos senhores o console, fiquem ligados porque em breve falarei sobre seus jogos. Aquele abraço!

jaguar-010O Jaguar CD acoplado ao Jaguar. Reparem no desing. Qualquer semelhança com um vaso sanitário é mera coincidência.

Jaguar: conheça o 64 bits da Atari

27 thoughts on “Jaguar: conheça o 64 bits da Atari

  • 27/10/2010 at 11:42 am
    Permalink

    Belo post!
    Jaguar foi um console meio mal-aproveitado, sendo os únicos jogos bons Aliens vs predator, Raiden e Rayman(esse mata a pau!).Pelo menos depois dessa a Atari decidiu que iria parar antes de detonar por completo sua reputação!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 27/10/2010 at 11:50 am
    Permalink

    Fui enganado pelos magníficos “64-bits” do console. Meu pai pagou R$500 nesse troço aí: o cara tava rifando e a rifa inteira custava isso. Roubo pouco é bobagem…
    Pelo menos consegui me divertir com alguns jogos como Cannon Fodder, Syndicate, Doom (mesmo sem som) e Alien vs Predator.
    Mas o que mais marcou foram as tosqueiras. Pra um em especial rendi até “homenagens”: http://cosmiceffect.com.br/2010/09/04/otimo-jogo-pessimo-gameplay/

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 27/10/2010 at 12:32 pm
    Permalink

    @Sephrox (Douglas Oliveira)

    Pois é, o Jaguar marcou época… de poucos gamers.

    E foi o único console que conseguiu fazer um shmup ruim, ruim mesmo, e que o amigo Sephrox tem um “apreço especial” como visto na foto do link que ele postou 😉

    É um console para os fãs da franquia Alien – um dos melhores jogos já feitos versando sobre a série de cinema é o Alien vs Predator exclusivo dele. E também para os fãs do charme dos polígonos toscos do início da era 3D. Tem muita nostalgia (mesmo) deste tipo no Jaguar.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 27/10/2010 at 2:26 pm
    Permalink

    Cara, o bichano é tão ruim que até emulador pra ele nunca vi um que funcionasse…

    Agora o que viria à ser uma “Caixa de gato” ? Eu ligo monitor e fone de ouvido na caixa do gato ? Na caixa de areia ? Que nojo…

    Privada + CD Rom + felinos + telefone + sh’mups + aliens… Aff, é um balaio de gatos mesmo ! kkkkkkkkkkk !

    Desculpem, mas não resisti às piadas… O Jaguar foi algo muito bizarro na época. Até o 3DO que tinha lá suas esquisitices se deu melhor.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 27/10/2010 at 2:46 pm
    Permalink

    @piga

    Não, isso foi bem depois. Quando a Nintendo fez o Famicom, sabia que seria difícil vender ele em terras ocidentais, então tentou firmar uma parceria com a Atari, que venderia o aparelho e ganharia um bom lucro em cima. Mas ae os caras da Atari viram uma versão de Donkey Kong em um aparelho concorrente (não lembro qual) e resolveram cancelar tudo, resultado: a Nintendo encarou a parada, vendeu por conta própria e se deu bem.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 27/10/2010 at 3:30 pm
    Permalink

    O James Rolfe (ou Angry Video Game Nerd) disse no vídeo dele que nunca conseguiu colocar as mãos em um Jaguar CD que funcionasse. Acho que ele chegou a comprar 2 ou 3 e nenhum funcionou.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 27/10/2010 at 7:54 pm
    Permalink

    Não entendo como a indústria de games consegue colecionar fracassos.Será que o comportamento do consumidor de consoles é ao instável e imprevisivel assim?
    Pelo menos o design do Jaguar é bonito, só perde para o MegaDrive o melhor design de console de todos os tempos.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 27/10/2010 at 11:34 pm
    Permalink

    Não entendo é como a atari foi dar esse tiro no pé. Na época em que ele foi lançado, o mercado de videogames já estava deixando claro que as coisas iam ser bem duras dali pra diante. Dai vem a atari e lança esse videogame indo totalmente na contra-mão, como foi especificado no texto. Parece que nem uma pesquisa de mercado foi feita, de tão tosco que foi esse videogame.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 28/10/2010 at 9:05 am
    Permalink

    Meu amigo tinha, com Cybermorph e Dragon: The Bruce Lee History.

    O mais legal é que uma vez ele encomendou para uma tia dele que ia ao pros EUA um jogo de futebol (esqueci o nome). Ela, sem saber nada de inglês, fez sinal pro vendedor apontando pro pé e dizendo “foot! foot!”

    Resultado: Voltou pra casa com uma cópia do jogo do Bruce Lee… que ele já tinha!

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 28/10/2010 at 10:40 am
    Permalink

    Esse comentário do Jefferson Luiz foi demais!!! Falou “pé” e o cara deu um jogo do Bruce Lee (que raio de associação o vendedor fez?):)
    Realmente, o Jaguar era tão ruim q até o emu dele é “ruim” de fazer funcionar (apesar q o do 3DO tbm não fica atrás..)
    Creio q depois do Jaguar, a Atari não volta mais com console nenhum, a não ser se fizesse alguma parceria forte com algum (louco) gigante dos games ou de brinquedos (como a Mattel).
    Falow

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 28/10/2010 at 11:20 am
    Permalink

    Conheci emuladdo, percebí realmente que este console é tosco

    Todavia gostei muito de:
    Aliens vs predator (exclusivo para ele)
    Pinball Fantasies (muito bom, do Amiga melhorado)
    Pitfall the Mayan Adventure (do SNES melhorado)
    Rayman(esse mata a pau) #2

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 28/10/2010 at 12:34 pm
    Permalink

    Jefferson Luiz (Beren) :Meu amigo tinha, com Cybermorph e Dragon: The Bruce Lee History.
    O mais legal é que uma vez ele encomendou para uma tia dele que ia ao pros EUA um jogo de futebol (esqueci o nome). Ela, sem saber nada de inglês, fez sinal pro vendedor apontando pro pé e dizendo “foot! foot!”
    Resultado: Voltou pra casa com uma cópia do jogo do Bruce Lee… que ele já tinha!

    Riáriá, já entrou para as pérolas do GagáGames!! :”-D LoL

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • 30/10/2010 at 11:59 am
    Permalink

    O Jaguar é um dos muitos casos de boas idéias que dão errado.
    A atari quando desejou voltar a arena dos consoles precisava de um cavalo de batalha forte e que pudesse fazer frente a Sega e a Nintendo. Contratou uma empresa chamada Flare para desenvolver seu novo console. Esta por sua vez criu dois projetos conceituais em paralelos o panther (32bits) e o jaguar (64bits). Como os projetos do Jaguar estavam mais adiantados, a direção da atari decidiu focar seus esforços nele. Mas isso era apenas mais pelo marketing que efetivamente uma maravilha de hardware: o processador central era um MC68000 – o mesmo processador do Mega Drive e Neo Geo – fora que haviam bugs no hardware que atrapalhavam o desenvolvimento para o sistema. Isso dificultava a vida do console por afastar desenvolvedores ou aumentar o tempo do ciclo de desenvolvimento para o Jaguar. O que levava a medidas “desesperadas” por parte da atari para criar uma biblioteca de jogos: Por exemplo o jogo Cybermoph era na verdade um teste/demo criado “inhouse” para demostrar a capacidade do console de criar polígonos e gerenciar texturas – mas foi “refeito” como “jogo completo” para acompanhar o Jaguar no lançamento.

    É válido lembrar que mesmo com todo o cenário contra a Atari conseguiu costurar alguns acordos de respeito com várias software houses como a Sega, mas como a empresa já não possuia mais caixa pra bancar um reviravolta, muitos jogos dessas parcerias não sairam dos documentos de design.

    A atari algum tempo depois do lançamento do jaguar acabou sendo comprada pela Hasbro (acho), e esta encerrou a produção do videogame. Mesmo assim este console “maldito” tem uma leva de “fanáticos” que se reunem regularmente para discutir os “novos caminhos” do console e jogar velhos jogos ou novos (homebrew). Caso alguém tenha interesse em descobrir do que estou falando é só visitar estes sites:

    http://www.sgmelectrosoft.co.uk/JFUK_2010/jagfest.htm

    http://jagudome.atari.me.uk/jagfest/

    O google pode retornar mais resultados interessantes para os mais persistentes.

      [Citar este comentário]  [Responder a este comentário]

  • Pingback: Gagá Games » Cruzada Jaguar: Começa a penitência!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *