Hi-Leg Fantasy, um RPG taradão

hilegfantasy-001Às vezes a gente descobre umas coisas muito doidas por aí… como vocês sabem, eu ando numa cruzada pessoal para descobrir jogos legais de PC Engine. No meio do caminho, volta e meia eu esbarro em coisas inusitadas, mas dessa vez a coisa foi longe demais.

Hi-Leg Fantasy é um RPG típico, nos moldes de um Final Fantasy da vida. Seus únicos diferenciais são o fato dele ser uma grande porcaria e… calma que eu vou chegar lá!

Como está tudo em japonês, fica difícil de entender alguma coisa, mas na abertura o protagonista (que parece um personagem do Samurai Shodown) está numa jangada, e aí ele naufraga numa praia onde encontra mais dois caras… o jogo tem tanto texto que eu simplesmente cortei parte da abertura.

Bom, na cidade a gente acaba entrando numa casa, e enquanto os caras fuçam o local em busca de objetos, uma mulher aparece e ataca o grupo. Começa uma batalha, normal. Só que conforme a mulher vai levando umas bordoadas, as roupas dela vão… bem:

hilegfantasy-002 hilegfantasy-003

Devo dizer que quando ela é derrotada aparece uma cena mais… reveladora. Mas isto aqui é um blog de família!

No lado de fora da cidade nós encontramos outras “monstras” usando pouca roupa, e a história se repete. Tem mulher águia, mulher felina, tem para todos os gostos. Eu não sei até que ponto vai a taradice de vocês, mas a minha tem limites e o jogo é uma MELECA. É muito ruim, alguns itens de menu parecem não fazer nada, a música da cidade é horrorosa… enfim, vale como curiosidade ou para quem tem 12 anos e ainda não deu sua primeira bitoca.

hilegfantasy-005 hilegfantasy-006

Foto, à direita: Tem até capetinha!

Ao derrotar a “chefa” da primeira fase, você será brindado por uma tela… como direi… não sei como direi. Não mostra nada que o jogo já não tenha mostrado, só que é um pouco mais realista e… sei lá, não sei explicar direito, dá até vergonha, vá jogar e confira por conta própria, seu safado!

About Orakio Rob, "O Gagá"

Dono do império corporativo Gagá Games, o velho Gagá adora falar sobre si mesmo em terceira pessoa. E sim, é ele mesmo que está escrevendo este texto.